Influência dos agentes clareadores na modificação superficial das cerãmicas dentais: Estudo em microscopia eletrônica de varredura

  • Camila Maria Beder Ribeiro CESMAC

Resumo

O objetivo do trabalho foi avaliar em microscópio eletrônico de varredura (MEV), o efeito de agentes clareadores na superfície de cerâmicas dentais. Agentes clareadores (peróxido de carbamida 10% e 16% /Whiteness, FGM) e duas cerâmicas feldspáticas (VM7 e VM13, Vita Zahnfabrik) foram avaliadas. Cinquenta corpos de prova(cp) cilindros (8 x 2mm) foram preparados e divididos em 5 grupos (n=10): G1- (Grupo controle) superfície cerâmica sem exposição ao agente clareador, G2- VM7+10% Whiteness, G3- VM7+16% Whiteness, G4- VM13+10% e G5- VM13+16% Whiteness. O agente clareador foi aplicado por 8 horas durante 15 dias e durante os intervalos ficavam armazenados em água destilada a 37°C. Os cp foram avaliados antes e após aplicação do agente clareador.  Foi realizada a descrição topográfica com auxílio de MEV (MEV, Jeol, JSM-5310 LV) e atribuído escores para as superfícies após o clareamento: 0- superfície cerâmica sem alteração; 1- superfície cerâmica com porosidades superficiais; 2- superfície cerâmica com grandes porosidades. Foi realizada análise estatística utilizando os testes Kruskal-Wallis One-Way (p<0.05) e Dunn (10%). O teste estatístico demonstrou que o grupo G3 (média=2) e G5 (média=2) tiveram uma modificação superficial significantemente maior que os outros grupos. O G2 (média=1) e G4 (média=1) tiveram uma modificação superficial significantemente maior quando comparado ao G1 (média=0). A descrição qualitativa dos grupos em MEV mostrou evidencias da corrosão da superfície cerâmica em diferentes graus. Os resultados sugerem que as cerâmicas testadas são passíveis a alterações superficiais quando em contato ao agente clareador em estudo.
Publicado
Nov 12, 2015
##submission.howToCite##
BEDER RIBEIRO, Camila Maria. Influência dos agentes clareadores na modificação superficial das cerãmicas dentais: Estudo em microscopia eletrônica de varredura. REVISTA INCELÊNCIAS, [S.l.], v. 5, n. 1, nov. 2015. ISSN 2178-0935. Disponível em: <http://revistas.cesmac.edu.br/index.php/incelencias/article/view/388>. Acesso em: 16 dez. 2018.