ANÁLISE DA RADIOPACIDADE DE DIFERENTES TIPOS DE IONÔMEROS RESTAURADORES

  • Clóvis Stephano Pereira Bueno CESMAC

Resumo

O tratamento de canal é constituído por várias etapas, sendo a desinfecção uma das mais importantes deste processo.  Entretanto, o complexo sistema de canais dificulta a desinfecção somente de forma mecânica, necessitando do auxílio da medicação intracanal em determinados casos. Em casos de tratamento em sessões múltiplas, faz-se necessário o uso de um material restaurador provisório que possibilite um bom selamento, impedindo a contaminação do canal entre as sessões. Entre esses materiais, podemos citar a resina, o óxido de zinco e eugenol e o ionômero de vidro. Dentre esses, o ionômero de vidro representa uma boa escolha por possuir adesividade (como a resina) e menor dureza (como o óxido de zinco e eugenol). Porém, este material apresenta uma baixa radiopacidade, o que dificulta a verificação do selamento através da análise radiográfica. Dessa forma, o objetivo do trabalho foi à análise da radiopacidade dos ionômeros de vidro: Maxxion R (FGM), Vitro Fil R (DFL) e Vidrion R (SS WHITE). Foram utilizadas 10 cartelas, cada uma com 6 cavidades padronizadas. Totalizou-se 3 grupos de pesquisa, cada um com 20 amostras. O ionômero foi manipulado segundo as normas do fabricante e inserido nos recipientes com uma seringa Centrix. Foram mantidos em temperatura e umidade simulando a cavidade bucal. As radiografias digitais das amostras foram feitas e obtidos os valores em pixels de cada uma. Esses valores foram transferidos para valores numéricos, de 0 a 100 (sendo 0 considerado mais radiopaco e 100 menos radiopaco) e colocados em uma tabela. Realizou-se a análise estatística de Anova e Tukey, onde o ionômero Vitro Fil R apresentou resultados superiores (mais radiopaco) aos ionômeros Maxxion R e Vidrion R.
Publicado
Nov 12, 2015
##submission.howToCite##
PEREIRA BUENO, Clóvis Stephano. ANÁLISE DA RADIOPACIDADE DE DIFERENTES TIPOS DE IONÔMEROS RESTAURADORES. REVISTA INCELÊNCIAS, [S.l.], v. 5, n. 1, nov. 2015. ISSN 2178-0935. Disponível em: <http://revistas.cesmac.edu.br/index.php/incelencias/article/view/425>. Acesso em: 11 dez. 2018.