CLAREAMENTO DE DENTE DESVITALIZADO – RELATO DE CASO

  • Daniel Pinto de Oliveira CESMAC

Resumo

Paciente, JMS, procurou o serviço da Faculdade de Odontologia da Universidade Federal de Alagoas, queixando-se do escurecimento do elemento 21, tratado endodonticamente há 5 anos. O dente exibia coloração amarelo-acinzentado nos terços médio e incisal, enquanto o terço cervical exibia coloração marrom. O tratamento de escolha foi o clareamento interno utilizando-se a técnica mediata (walking-bleach) com o perborato de sódio como agente clareador. Radiograficamente, verificou-se que a qualidade do tratamento endodôntico e do periodonto apical era satisfatória, dispensando a necessidade de reintervenção. Prosseguiu-se, então, com a realização de um isolamento absoluto e retirada do material restaurador, porém não totalmente, deixando 2 a 3 mm de resina composta como tampão cervical. Posteriormente, foi feito condicionamento com ácido fosfórico a 37% por 30 segundos na dentina referente à parede vestibular da câmara pulpar, a fim de remover a SmearLayer. Por último, depositou-se o perborato de sódio em quantidade suficiente para preencher toda a câmara pulpar, colocou-se uma bolinha de algodão na câmara e a mesma foi selada com Coltosol. Foram necessárias 4 sessões (com um intervalo de 28 dias entre cada uma) para a conclusão do tratamento. Verificou-se que o dente ainda apresenta uma tonalidade mais escura que os adjacentes, porém esta tonalidade mostrou ser aceitável esteticamente ou ainda mostrou ser um substrato de melhor tonalidade para procedimentos restauradores.
Publicado
Nov 12, 2015
##submission.howToCite##
PINTO DE OLIVEIRA, Daniel. CLAREAMENTO DE DENTE DESVITALIZADO – RELATO DE CASO. REVISTA INCELÊNCIAS, [S.l.], v. 5, n. 1, nov. 2015. ISSN 2178-0935. Disponível em: <http://revistas.cesmac.edu.br/index.php/incelencias/article/view/432>. Acesso em: 11 dez. 2018.