SELAMENTO DE PERFURAÇÃO RADICULAR CERVICAL SEM RETRATAMENTO ENDODÔNTICO: RELATO DE CASO

  • Adriana Pacheco de Oliveira CESMAC

Resumo

As perfurações radiculares são canais artificiais causados por patologias (reabsorção ou cárie) ou iatrogenias durante o tratamento endodôntico, que geram comunicações endo-periodontais. Os fatores que afetam diretamente o prognóstico são: a localização, o tempo decorrido até o reparo e o tamanho da perfuração. Geralmente, as perfurações localizadas na região cervical estão relacionadas ao crescimento epitelial gerando, posteriormente, problemas periodontais, o que implica em necessidade de uma avaliação periodontal como um dos fatores para a decisão da terapia, que poderá ser cirúrgica ou não, ou mesmo a combinação de ambas. O objetivo desse trabalho foi relatar um caso clínico de selamento de perfuração radicular cervical com Agregado Trióxido Mineral de Incisivo Central Superior previamente tratado endodonticamente, apresentando guta-percha extravasada pelo defeito e lesão associada, com a realização de cirurgia periodontal e sem retratamento endodôntico. O tratamento consistiu na remoção do excesso de guta-percha e do tecido de granulação presentes, sendo a via de acesso utilizada a extracoronária, obtida através de cirurgia periodontal.  A seguir, o defeito foi corrigido com a aplicação de cimento à base de Agregado Trióxido Mineral e a obturação radicular permaneceu. Após oito meses de acompanhamento, observou-se o reparo da perfuração e a redução da lesão inicial. Concluiu-se que a avaliação multidisciplinar é de fundamental importância no planejamento de casos de perfuração radicular e que o caso relatado evoluiu bem, com a diminuição dos sintomas clínicos e do tamanho da lesão, no entanto deve ser proservado por um período maior, devido à amplitude da extensão do dano.
Publicado
Nov 12, 2015
##submission.howToCite##
PACHECO DE OLIVEIRA, Adriana. SELAMENTO DE PERFURAÇÃO RADICULAR CERVICAL SEM RETRATAMENTO ENDODÔNTICO: RELATO DE CASO. REVISTA INCELÊNCIAS, [S.l.], v. 5, n. 1, nov. 2015. ISSN 2178-0935. Disponível em: <http://revistas.cesmac.edu.br/index.php/incelencias/article/view/434>. Acesso em: 11 dez. 2018.