CÁRIE PRECOCE DA INFÂNCIA: REABILITAÇÃO DA ESTÉTICA COM PINO DE FIBRA DE VIDRO

  • Karlla Almeida Vieira Centro Universitário Cesmac

Resumo

A cárie precoce da infância é uma forma de cárie dentária que afeta bebês e crianças sendo classificada como a presença de um ou mais dentes decíduos cariados, perdidos ou restaurados antes dos 71 meses de idade. A destruição coronária de dentes decíduos anteriores é uma consequência comum decorrente desse tipo de patologia e muitas vezes, compromete a saúde pulpar desses elementos causando consequências para a criança. O restabelecimento da estética pode ser bastante complexo pois incisivos decíduos destruídos são difíceis de ser restaurados em razão do tamanho reduzido das coroas e da amplitude da câmara pulpar tendo como opção eficaz a utilização de reforço intra-radicular antes de se reconstruir a porção coronária para restabelecer a forma, função e estética. O caso clinico  descreve um protocolo para reconstrução dos incisivos superiores decíduos por meio de pinos intra-radiculares de fibra de vidro, associados a restaurações diretas em resina composta Paciente com quatro anos de idade, do sexo masculino compareceu a clínica de especialização em odontopediatria na cidade de Maceió, Brasil, para tratamento. Ao exame clínico apresentou comprometimento estético na região anterior superior revelando destruição coronária total e comprometimento pulpar dos elementos 62,61,51 e destruição parcial da coroa dental do elemento 62. Após exame radiográfico, foram indicados pulpectomias dos elementos 62,61,51 e a utilização de pinos de fibra de vidro para reforçar as restaurações de resina composta dos elementos 62 e 61.O protocolo estético aplicado é uma alternativa de fácil execução com bons resultados tanto para a criança quanto para os pais.
Publicado
Nov 18, 2015
##submission.howToCite##
VIEIRA, Karlla Almeida. CÁRIE PRECOCE DA INFÂNCIA: REABILITAÇÃO DA ESTÉTICA COM PINO DE FIBRA DE VIDRO. REVISTA INCELÊNCIAS, [S.l.], v. 5, n. 1, nov. 2015. ISSN 2178-0935. Disponível em: <http://revistas.cesmac.edu.br/index.php/incelencias/article/view/473>. Acesso em: 11 dez. 2018.