A CONSTRUÇÃO DO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DA EQUIPE GESTORA ESCOLAR DEMOCRÁTICA

  • Edna Maria Palmerin Ferreira
Palavras-chave: Avaliação, Educação emancipatória, Equipe gestora escolar

Resumo

Essa produçao científica, se apresenta com o titulo “A Construção do processo de avaliação da equipe gestora escolar democratica a qual se realizou com o objetivo de analisar o desempenho do trabalho da equipe gestora em escola estadual   no Município de Macapá, no Estado do Amapá. Os caminhos definidos para a realização da investigação têm o enfoque qualitativo, desenho não experimental, acervos bibliográficos, revisão da literatura como teses e outros trabalhos inerentes. Diante do apanhado geral da pesquisa pode-se afirmar que embora haja  elementos suficientes para sistematizar uma avaliação institucional de desempenho da equipe gestora escolar democrática ainda ocorre um distanciamento entre a compreensão da importância de avaliar  a gestão  escolar, como ponto de partida para uma postura reflexiva, emancipatória e melhoria da educação ofertada pela unidade escolar, fato que influência  na consolidação de uma comunidade escolar passiva e alienada quanto ao direito à educação de qualidade, O trabalho foi divido em: educação escolar e avaliação;gestão escolare qualidade na educação; gestão escolar e avaliação da educação; a equipe gestora e a avaliação institucional; finalizando as considerações finais trtazendo com a seguinte problematica: Como o processo de avaliação da equipe gestora escolar democrática poderá fortalecer a qualidade da educação.

 

 

Referências

ALONSO, M. (2002) A supervisão e o desenvolvimento profissional do professor. In: FERREIRA, N.S.C. (Org.). Supervisão Educacional para uma escola de qualidade. São Paulo. Cortez.
ALMEIDA, J A. M. (2006). Os Conselhos Escolares e o Processo de Democratização:História, Avanços e Limites. (Dissertação de Mestrado) Universidade Federal do Paraná- Curitiba.

ALVARENGA, E. M. de. (2014). Metodología de La investigación cuantitativa y cualitativa – Normas técnicas de presentación de trabajos científicos. Edición gráfica: A4 Diseños, 2ª Edición, Asunción, Paraguay.

AMAPÁ, Lei 1503/2010 Assembleia Legislativa Sancionada em 09 de julho de 2010,publicado no Diário Oficial do Estado nº 4777.

_______. Constituição Federal do Brasil. Brasília. GAB/CN, 2012. Disponível em: . Acesso em 21.05.2017.

ANTUNES, A. (2002). Aceita um conselho? Como organizar o colegiado escolar. Gua da escola cidadã – Instituto Paulo Freire. São Paulo. Cortez.
ARROYO , M. (1983). A Administração Escolar e um Problema Politico RBPAE, Porto Alegre V.1, n1, jan. junho.

BORDGMO, G; .GRACINDO R. V. (2001). Gestão da Educação: O Município e a Escola. In Aguiar, M. A. S. Ferreira. NSC (org) Gestão da Educação: impasses, Perspectivas, e Compromissos Sãp Paulo Cortez.

BRASIL. (1996). Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional nº 9.394/96. Congresso Nacional. Brasília. São Paulo: Loyola.
CHIAVENATO, I. (1999). Teoria da Administração , volume 1/ Idalberto Chiavenato - 6ª edição – Rio de Janeiro: Campos.
_________, (2010). Gestão de Pessoa: o novo papel dos recursos humanos nas organizações / idalberto Chiavenato- 3ª ed- Rio de Janeiro.
CORAZZA, S. M. (2007). O que Deleuze quer da Educação.In: Revista Educação. v.06, SP. p.16-27.

CURY,C R J. (2002). Legislação Educacional Brasileira. Rio de Janeiro DA&A.

DANIEL, C. (1994). Gestão local e participação da sociedade. In: VILLAS-BOAS, R. (Org.). Participação popular nos governos locais. PÓLIS, São Paulo, n.14, P. 21-41.
DEMO, P. (1988). Participação é conquista: noções de política social participativa. São Paulo: Cortez: Autores Associados.
______. (1998). Professor & Teleducação. Tecnologia Educacional. v.26, n.143, p.52-63.

DOURADO, L. F. (2012). A Escolha de Dirigente Escolar, Politicas e Gestão da Educação no Brasi. IN. Ferreira Neusa S C (Org) Gestão Democrática: Atuais Tendencias, Novos Desafios. 4 ed. São Paulo. Cortez

_______, (2001). Progestão; Como promover e envolver a ação das pessoas no processo de gestão escolar? módulo II / Luiz Fernandes Dourado , Marisa Ribeiro Teixeira Duart; coordenação geral Maria Àglae de Medeiros Machado Brasilia- CONSED – Conselho B+Nacional de secretários de educação.

FANTI, L. H. (2010). Gestão Escolar e Organização do Trabalho Peadógico na Educação Básica: Maringa: Centro Universitário de Maringa.
FANTIN, M. Mídia-e (2006). Educação: conceitos, experiências e diálogos. Florianópolis: Cidade Futura.
FERREIRA, N. S. C. (2000). Gestão Democrática da Educação: Atuais Tendências Novos Desafios. 6ª ed. São Paulo. Cortez.
_______; AGUIAR, M. A. da S. (orgs.).(2001). Gestão da Educação - Impasses, perspectivas, compromissos. São Paulo. Cortez, pp. 149-176.
__________. (2000), Gestão Democrática da Educação: Atuais tendências, novos desafios. São Paulo. Cortez.

FERNANDES, M. E. A. (2001). Progestão: Como desenvolver a avaliação institucional na escola. IX, Brasília CONSED.

FONSECA, J. S. da. (2002). Metodologia da pesquisa científica. Universidade Estadual do Ceará. Fortaleza: CE.
FREIRE, P. Pedagógia da Esperança: um reencontro com a Pedagogia do Oprimido, São Paulo: Paz e Terra, 1992.
________. (1999). Educação como prática da liberdade. 23 ed., Rio de Janeiro: Paz e Terra.
________. (1982). Pedagogia do Oprimido, 11ª ed Rio de Janeiro Pas e Terra.
________ . (1987). Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra.
_______. P; SHOR, I. (1992). Medo e ousadia – o cotidiano do professor.
4ed., Rio de Janeiro: Paz e Terra.
_______. (2001). Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra.
________. (1992). Pedagogia da Esperança: um reencontro com a pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

FREITAS, D. N. T. (2007). Avaliação educacional no Brasil. Campinas: Autores Associados.
FREITAS, H.C.L. (2003). Certificação docente e formação do educador: regulação e desprofissionalização. Educação & Sociedade, Campinas, v.24, n. 85, p. 1095-1124, dez.
FREITAS, M. E. de. (1991). Cultura Organizacional: formação, tipologias e impactos. São Paulo: Makron; McGraw-Hill.
FREITAS, K. S. (2009). Progestão: como articular a gestão pedagógica da escola; com as políticas públicas da educação para a melhoria do desempenho escolar? Módulo X / José Vieira de Souza; Katia Siqueira de Freitas. Coordenação geral; Lilian Barbosa de Sena; Brasília - CONSED- Conselho Nacional de Secretários de Educação.
_______. (1996). Educação e a crise do Capitalismo real. São Paulo: Cortez.
FONSECA, J. P. da; et al. (1995). Planejamento Educacional Participativo. In: Revista da Faculdade de Educação. São Paulo, v. 21, nº 1, pp. 79-112, jan/jun.
GADOTTI, M. (2001). Concepção dialética da educação: um estudo introdutório. São Paulo: Cortez.
_______, (1993). M. Escola Cidadã. São Paulo: Cortez.
GADOTTI, M: ROMÃO, J. E. (Orgs). (2000). Guia escola Cidadão v.1. São Paulo: Cortez: Instituto Paulo Freire.
GIL, A. C. (2008). Métodos e técnicas de pesquisa social. 6ª edição. São Paulo: Editora Atlas S.A.
HORA, D. L. de. (1994). Gestão democrática na escola. São Paulo: Papirus.

LAKATOS, E. M. MARCONI, L. R. (2003) Metodologia do trabalho científico. 3. Ed. São Paulo: Atlas.

LIBÂNEO, J C. (2001). Organização e Gestão da Escola: Teoria e Prática, Goiania : Alternativa.

_______, J C. (2004). Organização e Gestão da Escola , Teoria e Práticas. Ed. Alternativas.

LUCK, H. (2012). Lideranças em Gestão Escolar. Petropolis, Vozes.

______. (2009). Dimensões da Gestão Escolar e Suas Competencia. PR Ed. Positivo.

______. (2000). (Org) Gestão Escolar e Formação de Gestores V. 17, n 72, Fev. Junho.

______. (2005). Et.al a Escola Participativa: O Trabalho do Gestor Escolar. Rio de Janeiro, Vozes.

______. (2005). A Gestão Participativa na Escola, 9ª ed. Petropolis, Vozes.
______. (2010). Concepções e Processos Democráticos de Gestão Educacional. 5 ed. Petropolis RJ.
LUCKESI, C. C. (1995). Avaliação da aprendizagem escolar: estudos e proposições. São Paulo: Corte.
_______. (2000). Avaliação da Aprendizagem Escolar. São Paulo.

MARCONI, M D A; LAKATOS E. M. (1996). Técnicas de Pesquisa Planejamento e Execução de Pesquisas Amostragens e Técnicas Interpretação de Dados . 3ª ed. São Paulo, Atlas.
MORAN, J. M. L. (1998)). Internet no ensino universitário: pesquisa e comunicação na sala de aula. [online]. Interface - Comunicação,Saúde, Educação, n.3,ago. Disponível em: http://www.interface.org.br/revista3/debates3.pdf. Acesso: agosto/2010.
______.(2001). Novas tecnologias e mediação pedagógica. Campinas, São Paulo: Papirus.

MAXIMIANO.(1995). Além da Hierarquia: Como Implantar estratégeas participativas a Empresa enxuta. São Paulo ,Atlas.
NAVARRO, I. P. (2004). Programa de Fortalecimento do Conselho Escolar, Distrito Federal.

PARO, V. H. (2001.). Gestão Democratica na Escola Pública. São Paulo, Ática
_____. (2006). Gestão democrática da escola pública. 3 ed. São Paulo:
_____. (2007). Gestão Escolar, Democrácia e Qualidade do Ensino. São Paulo Ática.
RIOS,T. (2001). Compreender e Ensinar, 2ª ed São Paulo, cortez, 2001.

SAMPIERI, R. H. (org.). COLLADO, C. F.; LUCIO, P. B. (2006). Metodologia de la investigación. 5ª Ed. México: McGraw-Hill/Interamericana Editores.

SANTIAGO, K. (2011). Manual para la elaboración de trabajos académicos. 1ª ed. Buenos Aires: Temas Grupo Editorial.

SANTOS, Giselli Alves Xavier dos. (2014). A importancia do Gestor Escolar na Qualidade do Ensino ofertado – Universidade de Brasilia.

SAUL, ANA MARIA A. (2001). Avaliação emancipatória, desafio á teoria e a prática de avaliação e reformulação de currículo. São Paulo: Cortez/Autores.
VEIGA, I. P. A.(1998). Escola: Espaço do Projeto Político Pedagógico, Campinas Papirus.
______, (Org.) Projeto Político Pedagógico – Uma Construção Possível.
VILLAS B; Benigna M. de F. (1993). As práticas avaliativas e a organização do trabalho pedagógico. FE/Unicamp, tese de doutorado em Educação, Disponível em: https://www.webartigos.com/artigos/a-gestao-escolar-na-perspectiva-emancipatoria/62806#ixzz56khbu5cA. Acesso em 23 de março de 2017.
Publicado
2019-08-08