ACESSIBILIDADE E INCLUSÃO: A IMPORTÂNCIA DO CUIDADOR DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA FÍSICA NA ESCOLA

  • Kátia Maria de Aguiar Freire Universidad Tecnológica Intercontinental
  • Maria Durciane Oliveira Brito Universidad Tecnológica Intercontinental
  • Heber Ferreira da Silva Universidad Autónoma de Asunción
Palavras-chave: Inclusão, Deficiência física, Cuidador, Ensino, Aprendizagem

Resumo

O estudo discute a importância do trabalho realizado pelos cuidadores escolares que acompanham alunos com deficiência física no processo inclusivo nas escolar. A problemática do estudo buscou identificar qual o papel do cuidador frente o processo de ensino e aprendizagem de alunos com deficiência física? Os objetivos buscaram compreender o processo inclusivo historicamente; entender as limitações físicas dos alunos e a necessidade do cuidador; refletir sobre a importância do trabalho realizado pelo cuidador na escola e no acompanhamento de crianças com deficiência física. A metodologia utilizada foi a pesquisa bibliográfica, que através de livros e artigos sobre o assunto pôde-se responder as inquietações da investigação. Justifica-se, assim, por lançar um olhar descritivo da importância do trabalho do cuidador para a educação de crianças portadora de deficiência física. Os dados obtidos mostram que o trabalho realizado pelo cuidador, que presta também um serviço socioassistencial, possibilita o acesso das crianças a diferentes aprendizagens. O aluno deficiente físico precisa de cuidados diferentes dos demais, principalmente no tocante a locomoção do mesmo dentro da escola, ter alguém com quem pode contar em diferentes momentos, contribui para o desenvolvimento desse aluno.

 

 

Referências

BOFF, L. Saber cuidar: ética do humano – compaixão pela terra. Rio de Janeiro: Vozes, 1999.
BRASIL. LEI N.º 10.098 de 23 de março de 1994. Estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade das pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida, e dá outras providências. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/lei10098.pdf. Acesso em 28 jun. 2019.
BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constitui%C3%A7ao.htm. Acesso em: 28 jun. 2019.
BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/setec/arquivos/pdf1/proejalei9394.pdf. Acesso em: 28 jun. 2019.
BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constitui%C3%A7ao.htm. Acesso em: 28 Out. 2018.
CASTRO, E. K.; PICCININI, C. A experiência de maternidade de mães de crianças com e sem doença crônica no segundo ano de vida. Estudos de Psicologia (Natal), Natal, v. 9, n. 1, p. 89-99, jan./abr. 2004.
CESCHINI, M. Por que assistência domiciliar.In: DIAS, E. L. F.; WANDERLEY, J. S.; MENDES, R. T. (orgs.) Orientações para cuidadores informais na assistência domiciliar. Campinas: UNICAMP, 2005.
DEIMLING, Natália Neves Macedo; MOSCARDINI, Saulo Fantato. Inclusão escolar: política, marcos históricos, avanços e desafios. Disponível em: http://www.fclar.unesp.br/Home/Departamentos/CienciasdaEducacao/RevistaEletronica/inclusao-escolar-politicama-hist-ava-des-pag-3-a-21.pdf. Acesso em: 05/09/2018.
DOMINGOS, Marisa Aparecida. A escola como espaço de inclusão: sentidos e significados produzidos por alunos e professores no cotidiano de uma escola do sistema regular de ensino a partir da inclusão de alunos portadores de necessidades educacionais especiais – Belo Horizonte, 2005.
CUNHA, N. H. S; CASTRO, I. M. R. SIDEP: Sistema de estimulação pré-escolar. 2. ed. São Paulo: Cortez, 1981, P.10.
FREIRE, P. Pedagogia do Oprimido. 4 ed., Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1977.
FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 30. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1996.
GOMES, C.; REY, F. L. G. Inclusão escolar: representações compartilhadas de profissionais da educação acerca da inclusão escolar. Psicologia, Ciência e Profissão, Brasília, v. 27, n. 3, p. 406-417, set. 2007.
GIL, Antônio Carlos Araújo. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 1999.
HEIDEGGER, M. Ser e tempo. Petrópolis: Vozes, 1995.
HOUAISS, A.; VILLAR, M. S. Minidicionário Houaiss da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001.
JANNUZZI, G. M. A educação do Deficiente no Brasil: dos primórdios ao início do século XXI. 2. ed. Campinas, SP: Autores Associados, 2006. (Coleção Educação Contemporânea).
LIBÂNEO, J. C. Didática. 1. ed. São Paulo: Cortez, 1994. SAVIANI, D. Escola e Democracia. 36. ed. Campinas: Autores Associados, 2003.
LIBANEO, J. C. O dualismo perverso da escola pública brasileira: escola do conhecimento para os ricos, escola do acolhimento social para os pobres. Educ. Pesqui. [online]. 2012, vl.38, n.1, pp. 13-28.
MENDES, Enicéia Gonçalves; PICCOLO, Gustavo Martins. Nas pegadas da história: tracejando relações entre deficiência e sociedade. Revista Educação Especial. Vol 25, n° 42 p. 32. Jan/Abr 2012.
MENDES, R. T. (Orgs.). Orientações para cuidadores informais na assistência domiciliar. Campinas: UNICAMP, 2005.
ORRÚ, Sílvia Ester. Autismo, linguagem e educação: interação social no cotidiano escolar. 3 ed. Rio de Janeiro: Wak, 2012.
RAMOS, Rossana. Passos para a inclusão. 5 ed. revista e atualizada – São Paulo: Cortez, 2010.
ROGALSKI, Solange Menin. Histórico do surgimento da educação especial. Vol. 5 – Nº 12 - Julho - Quatro Irmãos – RS, Dezembro 2010.
SILVA, Maria Isabel da. Estudo comparado da Lei brasileira de inclusão da pessoa com deficiência. SP – SEDPcD, 2015.
Publicado
2019-08-09