A LEITURA DA CHARGE E A CONSTRUÇÃO DE SIGNIFICADO A PARTIR DOS ELEMENTOS LINGUÍSTICOS E EXTRALINGUÍSTICOS:

uma proposta de intervenção na produção textual dos alunos do 7º ano do Ensino Fundamental

  • Ana Christina de Sousa Damasceno Universidad Tecnológica Intercontinental
  • Christiana de Sousa Oliveira Universidad Tecnológica Intercontinental
Palavras-chave: Gêneros Textuais, Leitura e Produção Textual, Construção de Significados

Resumo

Os gêneros textuais convivem diariamente com os usuários da Língua Portuguesa, de forma intrínseca ao seu cotidiano, que em muitas vezes eles utilizam para se divertir, refletir e expor a sociedade em que vivem e partindo desses gêneros construírem significados sociais. Dessa maneira este trabalho foi elaborado para auxiliar o pensamento e a construção de significados por parte dos alunos, partindo do gênero textual charge, o qual suas representações apresentam a sociedade e seus fatos com bastante humor, mas que não deixam de expressar a ideia do autor ao representar fatos que os intrigam ou interferem no cenário cultural em que vive. O gênero escolhido utiliza de forma equilibrada os elementos linguísticos e extralinguísticos na aquisição de sentidos e na construção destes, analisaremos a charge e seu uso no processo de leitura e produção textual em sala de aula. A intervenção foi realizada numa sala de 7º ano do Ensino Fundamental, onde os alunos puderam refletir sobre a importância desses gêneros bem como identificá-lo em seus usos em seu cotidiano, viabilizamos também a  discussão e a análise do processo interpretativo do gênero charge, considerando o seu papel no contexto ensino-aprendizagem intervindo diretamente na produção textual dos alunos. Por tanto, a discussão é pautada na abordagem sociointeracionista da linguagem, para a qual o texto deve ser visto como uma atividade interacional, criativa e social.

PALAVRAS-CHAVE: .. .

Referências

ANTUNES, Irandé. Análise de textos: fundamentos e práticas. São Paulo: Parábola, 2010.
______. Língua, texto e ensino: outra escola possível. São Paulo: Parábola, 2009.
BAKHTIN, Mikhail. A estética da criação verbal. Trad. Paulo Bezerra. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2003.
BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: terceiro e quarto ciclos de ensino fundamental: língua portuguesa. Brasília: MEC/SEF, 1998.
MARCUSCHI, Luiz Antônio: Gêneros textuais: definição e funcionalidade in DIONISIO, Angela Paiva (org.). Gêneros textuais e ensino. São Paulo: Parábola, 2010.
ELIAS, Vanda Maria e KOCH, Ingedore Villaça. Ler e compreender: os sentidos do texto. São Paulo: Contexto, 2012.
KLEIMAN, Angela. Oficina de leitura: teoria & prática. 7. ed. São Paulo: Pontes, 2000.
______. Leitura ensino e pesquisa. 2. ed. São Paulo: Pontes, 2001.
KOCH, Ingedore Grunfeld Villaça e TRAVAGLIA, Luiz Carlos. A coerência textual. 8. ed. São Paulo: Contexto, 1998.
KOCH, Ingedore Grunfeld Villaça. O texto: construção de sentidos. Organon, Porto Alegre, v. 9, n. 23, p. 19-25,1995.
______. A inter-ação pela linguagem.8. ed. São Paulo: Contexto, 2003.
ORLANDI, Eni Puccinelli. Interpretação: autoria, leitura e efeitos do trabalho simbólico. 2.ed. Rio de Janeiro: Vozes, 1996.
PILLA, Armando e CYNTHIA, Boos de Quadros. Charges: uma leitura orientada pela Análise do Discurso de linha francesa. XXXII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação – Curitiba, 2009.
ROJO, Roxane. Letramento e capacidades de leitura para a cidadania. Texto inédito. LAEL/PUC-SP (SEE-SP, SME-SP/CENPEC), 2002.
Publicado
2019-10-20