ANÁLISE DA GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS NO TOCANTE AO DOMÍNIO DOS RECURSOS NATURAIS

  • Andressa Kelle Custódio Silva Faculdade Verde Norte – FAVERNORTE, MG
  • Fábio Cantuária Ribeiro Faculdade Verde Norte – FAVERNORTE, MG
  • Núbia Bruno da Silva Faculdade Verde Norte – FAVERNORTE, MG
  • Taise Daiana Lopes Lessa Vieira Faculdade Verde Norte – FAVERNORTE, MG
  • Jeisabelly Adrianne Lima Teixeira Faculdade Verde Norte – FAVERNORTE, MG
  • Cleiciane Faria Soares Faculdade Verde Norte – FAVERNORTE, MG
Palavras-chave: Gestão, Recursos hídricos, Direito fundamental

Resumo

O presente trabalho consiste em analisar se os recursos hídricos encontrados em propriedade privada é um recurso comum do povo e quem são os responsáveis por esta gestão, e quais seriam as implicações no registro de imóveis dos particulares com a entrada em vigor da Constituição Federal de 1988. Trata-se de um tema bem comentado que visa apresentar que a água é recurso limitado dotado de valor econômico, sendo necessário entender sobre a porção de água encontrada em determinada propriedade privada, a quem pertenceria e, se também essa porção de água é considerada bem de uso comum do povo e como deve ser sua gestão, se poderá ser mista ou totalmente privada, pois o poder público federal e estadual possui o domínio do recurso, e como funciona seu controle e outorga do direito deste uso. a consciência das pessoas sobre o meio ambiente em que vivem. O método jurídico utilizado no trabalho foi teórico com técnica de análise bibliográfica.

 

Referências

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. 17. ed. atual. ampl. São Paulo: Saraiva, 1997.

BRASIL. Lei nº 9.433 de 08 de janeiro de 1977. Institui a Política Nacional de Recursos Hídricos, cria o Sistema Nacional de Gerenciamento de Recursos Hídricos, regulamenta o inciso XIX do art. 21 da Constituição Federal.

CMMAD – Comissão Mundial sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento. Nosso futuro comum. 2ª Ed. Traduação de Our common future. 1ª Ed. 1998. Rio de Janeiro: Editora da Fundação Getúlio Vargas, 1991.

COMISSÃO MUNDIAL SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO. Nosso futuro comum. 2. ed. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1992.

DI PIETRO, Maria Sylvia Zanella. Direito Administrativo. 25ª edição. São Paulo: Editora Atlas, 2012. GASPARINI, Diógenes. Direito Administrativo. 17ª edição.

E SILVA, Marcela Vitorina. O Princípio da solidariedade intergeracional: um olhar do Direito para o futuro. Revista Veredas do Direito, Belo Horizonte, v. 08 n. 16, jul/dez de 2008.

FREITAS, Vladimir Passos de. Águas – Aspectos jurídicos e ambientais. 3. ed. Curitiba: Juruá, 2010.

GRANZIERA, Maria Luiza Machado. Direito de águas: disciplina jurídica das águas doces.3.ed. São Paulo: Atlas, 2006.
GERALDES, André Gustavo de Almeida. Tutela jurídica dos mananciais-São Paulo: Editora Juarez de oliveira, 2004

MACHADO, Paulo Affonso Leme. Direito ambiental brasileiro. 23. ed. São Paulo:Malheiros, 2015.

MILARÉ, Édis. Direito do ambiente: doutrina – prática – jurisprudência - glossário. 2. ed. rev. atua. amplia. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2001.

LANFREDI, Geraldo Ferreira. Política ambiental: busca da efetividade de seus instrumentos. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2002.

TRINDADE, Antonio Augusto Cançado. Direitos Humanos e meio ambiente: paralelos dos sistemas de proteção internacional. Porto Alegre: Fabris, 1993.
Publicado
2019-12-28