A CONTRATAÇÃO DE PESSOAS PORTADORAS DE NECESSIDADES ESPECIAIS DE FORMA INCLUSIVA

  • Eduardo Dias Leite Intituto Federal de Brasília
  • Carla Aparecida Sadi Intituto Federal de Brasília
  • Priscila Ramos de Moraes Rego Intituto Federal de Brasília
Palavras-chave: Inclusão, Recrutamento e seleção, Gestão de pessoas, Pessoas portadoras de necessidades especiais

Resumo

Este artigo procura investigar as formas e os benefícios para as empresas contratarem os portadores de necessidades específicas. Apesar de ter sido criada em 1991 a Lei de Cotas ainda sofre muita resistência para sua aplicação, o que ocorre, em grande parte, pela ação fiscalizadora do Ministério Público do Trabalho, que tem atuado em empresas de médio e grande porte, multando-as, quando necessário. A metodologia utilizada foi um estudo exploratório e qualitativo, através de uma entrevista semiestruturada dirigida ao setor de Recursos Humanos- RH da Empresa, Gestor, Chefes de equipes e Pessoas com Necessidades Específicas- PNEs.  Constatou-se que a empresa não tem um processo de inclusão definido e implantado. Entretanto, ficou claro que o principal motivo das contratações ainda é o cumprimento da Lei, apesar do discurso socialmente responsável. A pesquisa demonstra a fragilidade do processo de inclusão de PNEs nas organizações.

 

 

Referências

Antonak, R. F., & Livneh, H. (1988). The measurement of atitudes toward people with disabilities. Illinois: Charles C. Thomas.

Clemente, C. A. (2003). Trabalho e inclusão social de portadores de deficiência. 1. Ed. Osasco: Editora Peres.

Fávero, E. A. G. (2004). Direito das pessoas com deficiência: Garantia de igualdade na diversidade. Editora WVA, Rio de Janeiro.

Firjan (2003). Elimine o preconceito: contrate profissionais portadores de deficiência. Disponível em: www.firjan.org.br/dowloads/wise.pdf acesso em 19/07/2018

Fonseca, R. T. M. (2005). A sociedade inclusiva e a cidadania das pessoas com deficiência. Curitiba: Procuradoria Regional do Trabalho da 9ª Região, 2005. Disponível em: http://www.mi.gov.br/. acesso em 19/07/2017

Gil, M. (2002). O que as empresas podem fazer pela inclusão das pessoas com deficiência. São Paulo: Ethos.
Mader, G. (1997). Integração da pessoa portadora de deficiência: a vivência de um novo paradigma. In: MANTOAN, Maria Tereza Edlér. A integração de pessoas com deficiência. São Paulo: Memnon.

Marconi, M.A.; Lakatos, E. M. (2008). Técnicas de pesquisa. São Paulo: Atlas, 2008, 277p.

Milkoich. G. T.; Boudreu. J. W. (2000). Administração de recursos humanos. São Paulo: Atlas.

Omote, S. (1999). Normatização, integração, inclusão. Ponto de Vista, v.1, n.1, jul./dez.

Ribas, J. B. C. (2003). O que são deficientes. São Paulo: Brasiliense.

Santiago, A. L. (2005). Buscando explicações para as dificuldades de ensino e aprendizagem na alfabetização. Caderno do professor. Belo Horizonte, nº 12, dezembro.

Santos, W. G. (1998). A práxis liberal e a cidadania regulada”, in W. G. Santos. Décadas de espanto e uma apologia democrática, Rio de Janeiro, Rocco.

Sassaki, R. (2008). Inclusão: Construindo uma sociedade para todos. 8ª ed. Rio de Janeiro. WVA.

Severino, A. J. (2007). Metodologia do Trabalho Científico. São Paulo: Cortez.

Sposati, A. (1997). Mínimos sociais e seguridade social: uma revolução da consciência da cidadania. Serviço Social e Sociedade, 18(55), 9-39.

Tachizawa, T. (2002) Gestão ambiental e responsabilidade social corporativa: estratégias de negócios focadas na realidade brasileira. São Paulo: Atlas.

Vargas, M. R. M.,& Abbad, G.S. (2006). Bases conceituais em treinamento, desenvolvimento e educação – TD&E. In J. E. Borges- Andrada, G. S. Abbad, & L. Mourão (Orgs.). Treinamento, desenvolvimento e educação em organizações e trabalho: fundamentos para a gestão de pessoas. Porto Alegre, RS: Artmed.

Werneck, C. (1997). Ninguém mais vai ser bonzinho na sociedade inclusiva. Rio de Janeiro, WVA.
Publicado
2019-12-28