FARMACOECONOMIA: UMA ESTRATÉGIA PARA A GESTÃO DOS GASTOS COM MEDICAMENTOS NO ÂMBITO HOSPITALAR

  • Rafaella Rodrigues Santos das Neves Centro Universitário - CESMAC
  • Inêz Carneiro Barbosa Centro Universitário - CESMAC
Palavras-chave: Custos em saúde, Otimização de gastos, Análise Farmacoeconômica

Resumo

Em gestão da saúde, uma das questões mais importantes é saber como oferecer medicamentos a toda à população de maneira racional. O aumento dos custos em saúde resultou em uma necessidade de compreender como recursos limitados podem ser utilizados de maneira mais eficiente e efetiva. Esse trabalho teve como objetivo compreender o conceito de Farmacoeconomia e sua aplicabilidade em âmbito hospitalar. Para tal, foi realizada pesquisa de natureza exploratória, através de periódicos científicos em base de dados e acesso a endereços eletrônicos governamentais. Os medicamentos podem representar parcelas significativas dos custos de um tratamento. Assim, a aplicabilidade social dos estudos Farmacoeconômicos tornou-se uma estratégia importante frente à dificuldade de custear atendimento completo do paciente. Farmacoeconomia pode ser definida como um conjunto de atividades de aplicação restrita às análises econômicas no campo dos medicamentos, não podendo ser confundida com a elaboração de cálculos de consumo, físico e/ou financeiro, de medicamentos, uma vez que tais estudos só se tornam farmacoeconômicos quando se pode demonstrar, de maneira matemática e inequívoca, o tipo e a magnitude do impacto causado nos resultados sanitários. A prática da Farmacoeconomia resulta na garantia de suprimento de medicamentos ao paciente, implicando na manutenção de uma cadeia logística de estoques bem elaborada e operacional. Em suma, o conhecimento da ciência de estudo do impacto econômico causado pelos medicamentos é uma saída para a sábia administração dos recursos hospitalares e apesar da Farmacoeconomia ainda ser uma área recente no Brasil, sem popularidade entre os gestores em saúde, seus benefícios no âmbito hospitalar são inquestionáveis.

 

Biografia do Autor

Rafaella Rodrigues Santos das Neves, Centro Universitário - CESMAC

Graduada em Farmácia – UFAL, pós-graduanda em Gestão da Saúde e Administração Hospitalar – Centro Universitário CESMAC e graduanda em Gestão Hospitalar – UNCISAL

Inêz Carneiro Barbosa, Centro Universitário - CESMAC

Mestre em Gestão e Economia da Saúde – UFPE, Professora do Departamento de Administração – Centro Universitário CESMAC.

Referências

ANDRADE, M. M. Como preparar trabalhos para cursos de pós-graduação. 5 ed. São Paulo: Atlas, 2002.

BADIA, X.; ROVIRA, J. Evaluación económica de medicamentos. España: Dupont Pharma, 1994.

BRASIL. Lei 9.787, de 10 de fevereiro de 1999. Altera a Lei no 6.360, de 23 de setembro de 1976, que dispõe sobre a vigilância sanitária, estabelece o medicamento genérico, dispõe sobre a utilização de nomes genéricos em produtos farmacêuticos e dá outras providências. Brasília, 1999.Disponível em: Acesso em: 18 mai. 2019.

BRASIL. Portaria 3.916, de 30 de outubro de 1998. Política Nacional de Medicamentos. Brasília, 1998. Disponível em: Acesso em: 18 mai. 2019.
DEL NERO, C. R. O que é economia da saúde. In: Piola SF, Vianna SM orgs. Economia da saúde: Conceito e contribuição para a gestão da saúde.3 ed., Brasília: IPEA, 2002:5-21.

DRUMMOND, M. F.; O’BRIEN, B. J; STUDART, G. L; TORRANCE, G. W. Métodos para laevaluación econômica de los programas de asistencia sanitária. 2ed., Madrid: Diaz de Santos, 2001: 239p.

FARIA, A. C. M. etal. EstudosFarmacoeconômicos no Brasil: onde estamos?Rev. Bras. Farm. Hosp. Serv. Saúde São Paulo v.5 n.4 13-18 out./dez. 2014.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4 ed. São Paulo: Atlas, 2002.

GOMES, M. J. V. de M. & REIS, A. M. M. Ciências farmacêuticas: uma abordagem em farmácia hospitalar. – São Paulo: Atheneu, 2011.

HENRY, D. Economicanalysis as na aidtosubsidisationdecisions: The developmentofAustralianguideline for pharmaceuticals.Pharmacoeconomics 1(1): 54-67, 1992.

MAIA NETO, J. F. Farmácia Hospitalar e suas interfaces com a saúde. – São Paulo: RX, 2005.

MATTAR, J. Metodologia científica na era da informática. 3 ed. São Paulo: Saraiva, 2008.

MILLS, A.; DRUMMOND, M. F. Economicevaluationofhealthprogrammes: glossaryofterms. WldHlthStat 1985; 38(34):432-4.

MOTA, D. M. et al.Farmacoeconomia: um Instrumento de Eficiência
para a Política de Medicamentos do Brasil. Acta Farm. Bonaerense 22(2): 177-86, 2003.

ORGANIZACIÓN MUNDIAL DE LA SALUD. Economia Aplicada a La sanidad. Ginebra, 1976: 53p. (Oms-Cuadernos de Salud Publica, 64).

ORTÚN, RUBIO V. La economía em sanidad y medicina: instrumentos y limitaciones. Barcelona: Euge, 1992: 191p.

PACKEISER, P. B.; RESTA, D. G. Farmacoeconomia: uma ferramenta para a gestão dos gastos com medicamentos em hospitais públicos. Infarma Ciências Farmacêuticas 10.14450/2318-9312, 2014.
PEREIRA, J. Glossário de Economia da Saúde em “Economia da Saúde: Conceito e Contribuição para a Gestão da Saúde”. IPEA, Brasília, págs. 271-93, 1995.

PINTO-PRADES, J. L. Métodos de evaluación econômica em salud publica. In: Navarro, FM et al. (eds.). Salud pública. Madrid: McGraw-Hill, 1998:303-16.

ROUQUAYROL, M. Z.; ALMEIDA FILHO, N.Epidemiologia & Saúde.6 ed. Rio de Janeiro: MEDSI, 2003.

RUBIO-CEBRIAN, S. Glosario de Planificación y EconomíaSanitaria. Diaz de Santos, Madrid, 2. ed, págs. 3-485, 2000.

SECOLI, S. R. et al. Farmacoeconomia: perspectiva emergente no processo de tomada de decisão. Ciência & Saúde Coletiva, 10(sup):287-296, 2005.

TEICH, V. Farmacoeconomia: uso de avaliações econômicas para decisão sobre a incorporação de novas tecnologias ao Sistema de Saúde Brasileiro. Astra Zeneca, 2011.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. The rational use ofdrugs: reportoftheconferenceof experts.Nairobi 1985 Jul 25-29. Geneva: WHO; 1987.
Publicado
2019-12-29