INCLUSÃO DE SURDOS EM UMA DETERMINADA EMPRESA NA CIDADE DE PARNAÍBA-PI: ESTUDO DE CASO

  • Airton Pacheco de Brito Junior
  • Maria Durciane Oliveira Brito
  • Kátia Maria de Aguiar Freire
  • Heber Ferreira da Silva
  • Sheila dos Santos Brazil
Palavras-chave: Inclusão, Surdez, LIBRAS, Mercado de Trabalho

Resumo

Este artigo tem por objetivo averiguar como está sendo o processo de inclusão das pessoas com surdez dentro de uma empresa em Parnaíba-PI. Para uma melhor compreensão da temática definimos os seguintes objetivos específicos: analisar o processo histórico da pessoa com surdez no mercado de trabalho o ontem e o hoje; conhecer as leis que asseguram a inclusão dos surdos no mercado de trabalho; observar as formas de comunicação entre os surdos e os demais funcionários e se os mesmos utilizam a Língua Brasileira de Sinais- LIBRAS como forma de comunicação; relatar os principais desafios e dificuldades enfrentados no mercado de trabalho pelos colaboradores com surdez. A metodologia qualitativa aplicada muniu-se de uma pesquisa bibliográfica, como também, uma pesquisa de campo através de entrevistas. Ficou constatado que existem inúmeros desafios para que seja efetivado o processo inclusão no mercado de trabalho, entre eles o mais agravante é a falta do intérprete de LIBRAS e a falta de interação entre o surdo e os ouvintes, e uma possível saída para o problema seria a oferta cursos de capacitação para os colaboradores.

 

 

Biografia do Autor

Airton Pacheco de Brito Junior

Bacharel em Administração da Universidade Federal do Piauí/Universidade Aberta do Piauí – UFPI 

Maria Durciane Oliveira Brito

Mestranda em Ciências da Educação pela UTIC- PY, Especialista em Língua Brasileira de Sinais INTA- PI; Especialista em Língua Brasileira de Sinais pela UFPI - PI; Especialista em Educação Infantil pela ISEPRO- PI; Especialista em Psicopedagogia pela FIAR; Graduada em Pedagoga pela UFPI- PI; Graduanda em Letras Libras pela UNIASSELVI - PI.

Kátia Maria de Aguiar Freire

Mestranda em Ciências da Educação pela UTIC- PY; Graduada em pedagogia com habilitação em Biologia pela UVA- CE, especialista em Psicopedagogia clínica e Institucional/ Gestão e Supervisão Escolar pelo INTA- CE .

Heber Ferreira da Silva

Mestrando em Ciências da Educação – UAA - PY; Graduado em História – FID.

Sheila dos Santos Brazil

Mestranda em Ciências da educação pela UTIC – PY ; Pós-graduada em Auditoria, Controladoria e Finanças - DEXTER. Graduada em Ciências Contábeis – FAP. 

Referências

ABNT. NBR 10520 -Informação e documentação – Citações em documentos – Apresentação. Agosto, 2002.

ABNT. NBR 6023 - Informação e documentação - Referências – Elaboração. Setembro, 2002.

Barbosa Adriana, Surdez, Disponível em: http://www.lite.fe.unicamp.br/papet/2004/ep127/Surdez_a.htm. Acessado em 18 de novembro de 2018.

BRASIL. Lei nº. 7.853, de 24 de outubro de 1989, dispõe o apoio da Pessoa com Deficiência sobre sua integração social. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LeIs/L7853.htm Acesso em: 18 julho 2018.

BRASIL, Lei n. 12.319, de 01 de setembro de 2010. Disponível em: <>. Acesso em 26.10.2012, http://www.planalto.gov.br/ccivil.

BRASIL. Lei da Acessibilidade nº 10.098 de 19 dezembro de 2000. Estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade das pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida, e dá outras providências. Disponível em:< http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L10098.HTM.> acesso em: 30 setem. 2018.

__________. Lei nº 10.436 de 24 de Abril de 2002. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - LIBRAS e dá outras providências. Disponível em: Acesso em: 30 setem.2018.

__________. Decreto nº 5.626 de 26 de setembro de 2005. Regulamenta a Lei no 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - LIBRAS, e o art. 18 da Lei no 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2005/decreto/d5626.htm > Acesso em: 30 setem. 2018.

CHIAVENATO, Idalberto.Gestão de Pessoas: o novo papel dos recursos humanos nas organizações, 6ª tiragem, Editora Campus S.A, Rio de Janeiro 1999.

CHIAVENATO, I. Recursos Humanos: O Capital Humano das Organizações. 8. ed. São Paulo: Atlas, 2004.

GIL, Antônio Carlos.Como elaborar projetos de pesquisa/Antônio Carlos Gil. -4.ed.SãoPaulo: Atlas, 2002.

GONSALVES, Elisa Pereira. Conversas sobre iniciação à pesquisa cientifica. 4 ed. Campinas, SP: Alinea, 2007.

GUARINELLO, Ana Cristina. O papel do outro na escrita dos sujeitos surdos. São Paulo: Plexus, 2007.

LODI, Ana Claudia. Plurilinguismo e surdez: uma leitura bakhtiniana da história da educação dos surdos. Revistas educação e pesquisa. São Paulo, V. 31. N°3, 2005. p. 409- 424.

Silva, Luzia Felix Da. A inclusão da pessoa com deficiência no mercado de trabalho: desafios e superações no ambiente de trabalho. Disponivel em https://www.monografias.com/pt/trabalhos3/inclusao-pessoa-deficiencia-mercado-trabalho/inclusao-pessoa-deficiencia-mercado-trabalho2.shtml. Acessado em 18 de novembro de 2018.

OLIVEIRA, M.C.; REIS, L.M. Inclusão profissional de pessoas com deficiência: o caso do Instituto Ester Assumpção. In: Seminário INTERNACIONAL SOCIEDADE INCLUSIVA: Ações INCLUSIVAS DE Sucesso, 3, 2007, Belo Horizonte. Anais. Minas Gerais: Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, 2007.

PASTORE, J. Oportunidades de trabalho para portadores de deficiência. São Paulo: LTr, 2000.

PERLIN, G. Strobel L. K. Fundamentos da Educação dos Surdos. Material didático desenvolvido para o curso Letras LIBRAS Ead. Florianópolis: UFSC, 2006.

QUADROS, R. M. O tradutor e intérprete de língua brasileira de sinais e língua portuguesa. Secretaria de Educação Especial; Brasília: MEC; SEESP, 2007.

______. R. M. O Tradutor e intérprete de Língua Brasileira de Sinais e língua Portuguesa. Brasil: MEC/ SEESP, 2004.

RIBEIRO, M.A.; CARNEIRO, R. A inclusão indesejada: as empresas brasileiras face à lei de cotas para pessoas com deficiência no mercado de trabalho. Organizações & Sociedade, Salvador, v.16, n.50, p.545-564, jul./set. 2009.

SÁ, W. R. L. Educação de Surdos: a caminho do bilinguismo. Niterói: Eduff, 1999.
STROBEL, Karin Lilian. História da educação de surdos. Florianópolis: UFSC, 2009. (Material da disciplina Letras/LIBRAS).

WILDELL, Joanna. As fases históricas da cultura surda. Revista GELES. Grupo de estudos sobre linguagem, educação e surdez, nº 6 ano JUFSC Rio de Janeiro: Babel, 1992.

UNESCO.Coordenadoria Nacional Para Integração da Pessoa Portadora de Deficiência. Declaração de Salamanca e linha de ação sobre necessidades educativas especiais. Brasília: UNESCO, 1994. Disponível em: http://unesdoc.unesco.org/images/0013/001393/139394por.pdf Acesso em: 30 setem.2018.
Publicado
2019-12-29