Vídeo Aulas de Química Expositivas: Um Levantamento Bibliográfico e Perspectivas Futuras para o Ensino de Alunos Surdos

  • Leonardo Santos Miranda Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Piauí
  • Maria Durciane Oliveira Brito Universidad Tecnológica Intercontinental - UTIC
  • Juliana Sousa da Costa Uninassau
  • Meiriany Gomes Serejo Instituto Federal de Educação, Ciencia e Tecnologia do Piauí
  • Hérica Tanhara Souza Da Costa Instituto Federal de Educação, Ciencia e Tecnologia do Piauí
  • Maria Clara de Assis Carvalho Instituto Federal de Educação, Ciencia e Tecnologia do Piauí
Palavras-chave: Integração, vídeo aulas, aprendizagem, Química.

Resumo

Este artigo trata de um levantamento bibliográfico feito a partir do estudo de algumas pesquisas científicas na área da educação inclusiva nos últimos cinco anos (2016-2020). Visando que diante das dificuldades encontradas pela comunidade surda de nosso país e por milhões de professores em seu dia-a-dia e na prática docente, alguns autores e estudos acadêmicos discutem sobre o processo de avaliação e aprendizagem desses alunos surdos. Pensando-se nisso e na grande dificuldade desses alunos, fez-se um estudo de literatura e escrita do seguinte artigo com o tema: Vídeo aulas de Química expositivas: um levantamento bibliográfico e perspectivas futuras para o ensino de alunos surdos, que tem por objetivo analisar e verificar a possibilidade de integrar o aluno surdo no mundo acadêmico de uma maneira igualitária, fazendo com que os mesmos aprendam os conteúdos da disciplina por onde estiverem, sendo em casa, bibliotecas ou mesmo na própria escola, através de um computador, tablete ou do próprio celular. Além do mais, o estudo visa à possibilidade de montagem de vídeo aulas ministrada por um acadêmico do curso de licenciatura em Química acompanhado de uma intérprete, para que o aluno que vá assistir à aula aprenda o conteúdo de maneira abrangente e produtiva. Com isso, o espectador terá acesso a conteúdos de Química através de aulas encontradas na internet e poderá fixar os conteúdos vistos em sala de aula. Assim, o ensino de Química pode tornar-se mais amplo e enquadrado nas tecnologias do mundo atual.

 

Biografia do Autor

Leonardo Santos Miranda, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Piauí

Graduando em Química pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e tecnologia do Piauí – Campus Parnaíba. Técnico em Edificações pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Piauí – Campus Parnaíba. 

Maria Durciane Oliveira Brito, Universidad Tecnológica Intercontinental - UTIC

Mestranda em Ciências da Educação – UTIC- PY; Graduanda em Letras Libras – UNIASSELVI; Graduada em Pedagogia – UFPI; Especialista em LIBRAS – INTA – UFPI, Especialista em Educação em Infantil – ISEPRO; Especialista em Psicopedagogia – (FIAR). 

Juliana Sousa da Costa, Uninassau

Bacharel em Psicologia- Pela faculdade Uninassau; Pós-graduanda em Saúde mental e atenção psicossocial, pelo Instituto Dexter. 

Meiriany Gomes Serejo, Instituto Federal de Educação, Ciencia e Tecnologia do Piauí

Graduada             em           Pedagogia-          UFPI;     Pós         graduanda           em           Neuropsicopedagogia-     ISEPRO.

Hérica Tanhara Souza Da Costa, Instituto Federal de Educação, Ciencia e Tecnologia do Piauí

Graduanda em Licenciatura em Ciências Biológicas- UFPI 

Maria Clara de Assis Carvalho, Instituto Federal de Educação, Ciencia e Tecnologia do Piauí

Graduanda do curso Licenciatura em Química – Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Piauí IFPI 

Referências

CYSNEYROS, Paulo Gileno-Novas tecnologias na sala de aula: melhoria do ensino ou inovação conservadora? Uniandes, Lidico vol.12,2012.

LEITE, B. S.; LEÃO, M.B.C. Contribuição da web 2.0 como ferramenta de aprendizagem: um estudo de caso. Revista brasileira de ensino de Ciência e tecnologia, v.8, n.4, p.288-315, 2015.

LUZ, R.E. O ensino de Química pra surdos: uma análise a partir da triangulação de dados. Anápolis: IFG, 2016.

MIRANDA, T.G. A Integração de alunos especiais no ensino regular: um desafio pedagógico. Revista da FACED. Salvador: nº3. p.131-159.

NUNES, S.C. O uso autogerenciado de vídeoaulas de química na preparação dos estudantes para exames de ingresso no ensino superior. Rio Grande do Sul, 02 de Dezembro de 2018.

OLIVEIRA, Fabiana B. Desafios na inclusão dos surdos e o intérprete de Libras. Diálogos e saberes. Mandaguari. V.8, n. 2012.

OLIVEIRA, Maria Marly de: como fazer pesquisa qualitativa. 2 ed. Petrópolis, RJ: vozes, 2008.

PEREIRA, R.S.G. A vídeo aula enquanto recurso audiovisual na educação: a construção de uma proposta a partir de avaliações diagnósticas. Revista tecnologias na educação, n.14, p. 1- 14, 2016.

PONTES, Edel Alexandre Silva. A Capacidade de Gerar Soluções Eficientes e Adequadas no Processo Ensino e Aprendizagem de Matemática. Revista Psicologia & Saberes, v. 8, n. 10, p. 193-205, 2019.

SANTOS, Márcia Rejane Oliveira; Miguel, Joelson Rodrigues. A importância do tradutor e intérprete de LIBRAS: Desafios e inovações. Id online Ver.mult.Psic., 2019, vol.13, n.46, p. 150-171.ISSN: 11981-1179.

SILVA, N. P, A inclusão do aluno surdo no ensino de Química na escola regular. XIII Jornada de ensino, pesquisa e extensão – JEPEX, RECIFE, 09 a 3 de Dezembro.

SKLIAR, Carlos. A surdez: um olhar sobre as diferenças. 8ª ed. Porto Alegre. Mediação 2016.
Publicado
2020-06-02