Contribuição do Serviço de Orientação Escolar na Análise de Problemas que Influencia o Estudante na Aprendizagem

  • Osmair Oliveira dos Santos
  • Patrícia Neves e Souza Monteiro
  • Aluízio Antônio Fortunato
Palavras-chave: Orientação Escolar, Escola, Estudante, Gestão

Resumo

Este artigo trata da discussão sobre a importância do Serviço de Orientação Escolar, sua atuação e solução de problemas relacionado à formação cidadã do estudante, assim como no contexto da gestão escolar, com perspectivas ao planejamento, desenvolvimento e acompanhamento dos programas e ações dos demais segmentos da escola. O objetivo é analisar a contribuição desse serviço na análise de problemas que influência na aprendizagem do estudante, os desafios e complexidades dessa atividade com perspectivas ao desenvolvimento do ensino com qualidade e gestão de uma escola cidadã, que evidencia os anseios da sociedade A pesquisa de caráter qualitativa, foi realizada com dados bibliográficos disponíveis em livros, revistas e artigos científicos. Os resultados evidenciam o alicerce do serviço de Orientação Escolar, sua importância na mediação e participação das ações. Mostra também um cenário de mudanças de pensamento e de postura dos agentes políticos na forma de tratamento com os profissionais desse segmento e do seu trabalho, que muito contribui na formação de novos cidadãos.

 

 

Biografia do Autor

Osmair Oliveira dos Santos

Mestrado e Licenciatura Plena em Geografia pela Universidade Federal de Rondônia – UNIR; Pós-graduado em História, Geografia e Meio Ambiente pela Faculdade de Ciências Sociais Aplicada – FACISA/SC. 

Patrícia Neves e Souza Monteiro

Graduada em Assistência Social pela Universidade Norte do Paraná – UNOPAR e Pedagogia pela Universidade Federal de Rondônia – UNIR. 

Aluízio Antônio Fortunato

Mestrando em Ciência da Educação - Universidade Tecnológica Intercontinental/UTIC; Pós Graduado em Direito Urbanístico e Ambiental – Universidade Anhanguera/UNIDERP; Pós Graduado em Metodologia do Ensino Superior – Universidade Cândido Mendes/RJ; Licenciatura e Bacharelado em Geografia – Universidade Federal de Rondônia/UNIR. 

Referências

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Portaria Ministerial nº 452 de 23 de julho de 1946. Aprova a sugestão da comissão especializada e baixa instruções reguladoras da orientação educacional no Colégio Pedro II.
______. Lei nº 5.692. Fixa diretrizes e bases para o ensino de lº e 2º graus e dá outras providências. Brasília, 1971. Disponível em http://www.pedagogiaemfoco.pro.br/l5692_71.htm. Acesso em 03/07/2012.
______. Ministério da Educação e Cultura. Plano Setorial de Educação e Cultura. Brasília, 1972. Disponível em http://www.pedagogiaemfoco.pro.br/l5692_71.htm. Acesso em 03/07/2012.
CARVALHO, Maria de Lourdes Ramo da Silva. A função do orientador educacional. São Paulo: Cortez & Moraes, 1979.
GRINSPUN, Mirian P. S. Zippin. A Orientação Educacional: conflito de paradigmas e alternativas para a escola. São Paulo: Cortez, 2002.
GRINSPUN, Mirian P. S. Zippin. A Orientação Educacional: conflito de paradigmas e alternativas para a escola. 3º Ed. Ampl. São Paulo: Cortez, 2008.
LAKATOS, Eva Maria; MARCONI, Marina de Andrade. Fundamentos de metodologia científica. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2010
LUCK, Heloisa. Planejamento em orientação educacional. Petrópolis: Vozes, 1991.
LUCKESI, Cipriano C. Planejamento e Avaliação escolar: articulação e necessária determinação ideológica. IN: O diretor articulador do projeto da escola. Borges, Silva Abel. São Paulo, 1992. FDE. Diretoria Técnica. Série Ideias nº 15.
MARTINS, José do Prado. Princípios e Métodos da Orientação Educacional. 2ª Ed. São Paulo: Editora Cortez, 1990.
MINAYO, M. C. S. (Org.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis: Vozes, 2001.
PONTES, Edel Alexandre Silva. Os Quatro Pilares Educacionais no Processo de Ensino e Aprendizagem de Matemática. Revista Iberoamericana de Tecnología en Educación y Educación en Tecnología, n. 24, p. e02-e02, 2019.
SAALFELD, LAURENCE. Prefácio. In: Benko, Antonius. Orientação educacional e aconselhamento. Rio de Janeiro, Agir, 1962.
VOLPI, Mario. O adolescente e o ato infracional. 4. ed. São Paulo: Educ, 2002.
Publicado
2020-10-12