A ASCENSÃO DA MULHER: da submissão e violência em busca de igualdade de gênero, respeito e reconhecimento

  • Thânia Kadma Souza de Araújo Uiversidade Chilena Saint Alcuin of York Anglican COLLEGE
  • Osmair Oliveira dos Santos Universidade Federal de Rondônia
  • Patrícia Neves e Souza Monteiro Universidad Tecnológica Intercontinental - UTIC
  • Aluízio Antônio Fortunato Universidad Tecnológica Intercontinental - UTIC
Palavras-chave: Mulher. Violência. Cultura. Sociedade.

Resumo

Há muito tempo a mulher luta contra a submissão e a violência. É uma prática que atinge um número considerável de mulheres, de diferentes culturas e posições sociais que perdura ao longo de sua existência, desde os tempos mais remotos, quando em comunidades primitivas, o seu papel era de total inferioridade junto ao homem, exclusivamente de submissão ao pai, marido, irmão ou outro membro familiar masculino. Partindo desta argumentação, este artigo objetiva realizar um breve histórico da ascensão da mulher, destacando os avanços e discutindo a necessidade de que as políticas públicas voltadas a essa temática se traduzam em questões práticas. A pesquisa possui abordagem qualitativa constituída de natureza básica com objetivos exploratórios onde os procedimentos adotados para a coleta de dados foi o estudo bibliográfico. Verificou-se que os tempos se passaram, e mesmo depois de inúmeras conquistas, a mulher continua sendo vítima dos mais variados tipos de violência, no entanto, percebe-se também uma nova concepção de pensamento e protagonismo da sociedade em relação a mudança deste triste cenário.

 

 

Biografia do Autor

Thânia Kadma Souza de Araújo , Uiversidade Chilena Saint Alcuin of York Anglican COLLEGE

Mestranda em Ciências da Educação (Uiversidade Chilena Saint Alcuin of York Anglican COLLEGE), Pos-Graduação em Gestão de Pessoas (FGV), Pós-Graduação em Gestão Escolar (FACISA/SC). Graduação em Pedagogia (UNIPEC). 

Osmair Oliveira dos Santos, Universidade Federal de Rondônia

Mestrado em Geografia (Universidade Federal de Rondônia – UNIR). Pós-Graduação em História Geografia e Meio Ambiente (Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas – FACISA/SC. Licenciatura em Geografia (Universidade Federal de Rondônia – UNIR). 

Patrícia Neves e Souza Monteiro , Universidad Tecnológica Intercontinental - UTIC

Mestranda em Ciências da Educação (UTIC), Pós-Graduação em Linguistica (UNIR), Graduação em Letras Português (UNIR), Graduação em Serviço Social (UNOPAR). 

Aluízio Antônio Fortunato, Universidad Tecnológica Intercontinental - UTIC

Mestrando em Ciências da Educação (UTIC), Licenciatura e Bacharelado em Geogrfia (UNIR), Bacharel em Direito (FARO), Pós-Graduação em Direito Processual Civil  (FARO). 

 

Referências

ASSIS, Maria Elisabete Arruda de; Santos, Taís Valente dos (Org.) Memória feminina: mulheres na história, história de mulheres. Recife: Fundação Joaquim Nabuco, Editora Massangana, 2016.

BRASIL. Tribunal Superior Eleitoral. Mulheres representam 52% do eleitorado brasileiro. Disponível em: . Acesso em: 18/06/2019.

______ Ministério da Mulher, Família e dos Direitos Humanos. Conselho Nacional dos Direitos da Mulher – CNDM. Disponível em: https://www.mdh.gov.br/informacao-ao-cidadao/participacao-social/conselho-nacional-dos-direitos-da-mulher-cndm. Acesso em: 18/06/2019.

______ Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF: Presidência da República, 2016. Disponível em: . Acesso em: 16/06//2017.

______ Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006. Dispõe sobre mecanismos para coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher. – Brasília: Câmara dos Deputados, Edições Câmara, 2010.

______ Lei 13.104, de 9 de março de 2015. Altera o art. 121 do Decreto-Lei 2.848, de 7 de dezembro de 1940 – Código Penal, para prever o feminicídio como circunstância qualificadora do crime de homicídio, e o art. 1º da Lei 8.072, de 25 de julho de 1990, para incluir o feminicídio no rol dos crimes hediondos. Disponível em: . Acesso em: 26/06/2017.

______ Lei nº 13.827, de 13 de maio de 2019. Altera a Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006 (Lei Maria da Penha), para autorizar, nas hipóteses que especifica, a aplicação de medida protetiva de urgência, pela autoridade judicial ou policial, à mulher em situação de violência doméstica e familiar, ou a seus dependentes, e para determinar o registro da medida protetiva de urgência em banco de dados mantido pelo Conselho Nacional de Justiça. Disponível em: . Acesso em: 20/09/2019.

CAMPOS, Amini Haddad; CORRÊA, Lindinalva Rodrigues. Direitos Humanos das mulheres. Curitiba: Juruá, 2011.

CANTERA, Leonor. M. Casais e violência: um enfoque além do gênero. Porto Alegre. Dom Quixote. 2007.

CASCAES, Julio César Silveira. Fonógrafos e Gramofones: mediações técnicas em Porto Alegre (1892 – 1927). Porto Alegre: PUC/RS, 2016 (Dissertação de Mestrado).

COSTA, Ana Alice Alcantara. O Movimento Feminista no Brasil: dinâmicas de uma intervenção política. Gênero, Niterói, v.5, n.2, p.9-35, 2005. Disponível em: . Acesso em: 11 jan. 2016.

DUARTE, Constância Lima. Nísia Floresta: a primeira feminista do Brasil. Florianópolis: Mulheres, 2005.

FONSECA, J. J. S. Metodologia da pesquisa científica. Fortaleza: UEC, 2002.

GIL, Antônio Carlos. Como Elaborar Projetos de Pesquisa. 4. Ed. - São Paulo: Atlas, 2005.

IBGE. Estatísticas de gênero: uma análise dos resultados do censo demográfico 2010. Rio de Janeiro: IBGE, 2016. 162 p. (Estudos e pesquisas. Informação demográfica e socioeconômica, n. 33). Disponível em: . Acesso em: 28/06/ 2019.

RIBEIRO, Darci. O Povo Brasileiro: Formação e o sentido do Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

WESTIN, Ricardo. Primeira senadora tomou posse há 40 anos e foi recebida com flor e poesia. Brasília: Agência Senado, 2019. Disponível em: . Acesso em: 23/09/2019.
SANTOS, Cecília MacDowell Cecilia. Da delegacia da mulher à Lei Maria da Penha: Absorção/tradução de demandas feministas pelo Estado. Revista Crítica de Ciências Sociais, 89, Junho 2010: 153-170. Disponível em: . Acesso em 18/06/2019.
STAMATTO, M. Inês S. Um olhar na historia: a mulher na escola (Brasil: 1549 – 1910). Programa de Pós-Graduação em Educação – UFRN. Natal: UFRN, 1998. Disponível em: . Acesso em: 23/09/2019.

THOMAS, EDUARDO. IMPORTÂNCIA DA MULHER NO CENÁRIO POLÍTICO DO BRASIL. DISPONÍVEL EM: HTTP://WWW.EDUARDOTHOMAS.COM.BR/2015/10/IMPORTANCIA-DA-MULHER-NO-CENARIO-POLITICO-DO-BRASIL/. ACESSO EM 12/07/2019.
Publicado
2020-10-18