Experimentação Virtual no Ensino de Física: Revisão Sistemática de Literatura

  • Sidney Jorge do Nascimento da Silva Sistema Organizacional de Ensino Modular - AP
Palavras-chave: Física. Ensino Médio. Escola do campo. Entraves. Aprendizagem.

Resumo

A física constitui um dos componentes curriculares que compõem o ensino médio, explorando conteúdos que envolvem interpretações e cálculos matemáticos, estabelecendo às vezes determinados entraves na relação do processo ensino-aprendizagem. Diante desses aspectos, buscou-se nesse artigo analisar os fatores que interferem no processo ensino-aprendizagem dos conteúdos de física e a experimentação virtual como recurso pedagógico que pode tornar o ensino dessa disciplina mais interativo e próximo da realidade dos alunos. Através da intenção de construir uma revisão sistemática, realizou-se a seleção de artigos em bases de dados de revistas indexadas, os quais foram inclusos por terem sido publicados em língua portuguesa, lançados no sistema entre 2000 a 2010 e por terem relações com as palavras chave referidas. Foram excluídos os que não tivessem relação com a temática, e que estivessem em língua estrangeira. Os resultados abordam as novas tecnologias logo se pensa em computadores, vídeo, softwares e Internet. Todos esses equipamentos são meios demonstrativos da atual tecnologia, entretanto em se tratando de educação, o termo é amplo e inclui em seu contexto a forma com que os professores organizam o processo de ensino, ou seja, como organiza a sala de aula, como os alunos são dispostos em grupos, os planejamentos, enfim, todas essas práticas também são consideradas tecnologias. Portanto, chegou-se a conclusão de que é preciso que o professor crie um ambiente propicio para a aprendizagem, estabelecendo novas metodologias, não atuando somente com as tradicionais, para que não aconteça a queda nas práticas das atividades, complementando o processo natural de desinteresse que acontece com a entrada na adolescência e na vida adulta pelas práticas já costumeiras na escola tradicional.

 

Biografia do Autor

Sidney Jorge do Nascimento da Silva, Sistema Organizacional de Ensino Modular - AP

Mestre em Ciências da Educação, Especialista em Matemática Superior, Graduado em Ciências com habilitação em Física, Professor da Rede Pública, trabalhando no Sistema Organizacional de Ensino Modular. 

Referências

ALVARENGA, Estelbina Miranda de. Metodologia da investigação quantitativa e qualitativa. Trad. Cesar Aramarilhas. Assunção, Paraguai: UNA, 2014, p. 3.
AMARATUNGA, Dilanthi et al. Quantitative and qualitative research in the built environment: Application of 'mixed' research approach. Work Study, v. 51, n. 1, p. 17-31, 2002.
ANDRÉ, M. E. D. A. Etnografia da prática escolar. Campinas: Papirus, 1995.
ANVISA. Anvisa promove discussão sobre descarte de resíduos de medicamentos, 28 de março de 2011. Disponível em: . Acessado em: 27 mai. 2012.
ARAÚJO Cristiane F. de; SANTOS Roseli A. dos. A educação profissional de nível médio e os fatores internos/ externos às instituições que causam a evasão escolar. The 4th International, Taubaté, dez., 2012.
ASSUNÇÃO, E. E.; COELHO, J. M. T. Problemas de Aprendizagem. 3. ed. São Paulo: Ática, 1996.
BABBIE, Earl. Métodos de pesquisa de survey. Belo Horizonte: UFMG, 2005.
BAFFI, Maria Adelia Teixeira. O planejamento em educação: revisando conceitos para mudar concepções e práticas. Petrópolis: PUC-RJ, 2002.
BAMBERGER, R. Como incentivar o hábito de leitura. São Paulo: Ática, 2004.
BARATA, R.B. (org.). Condições de vida e situação de saúde. Rio de Janeiro: ABRASCO, 1997.
BARBOSA, José Juvêncio. Alfabetização e Leitura. São Paulo: Cortez, 1994.
BORGES. R. M. R. & LIMA. V. M. R.Tendências contemporâneas do ensino de Biologia no Brasil. Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias.Vol. 6 Nº 1 (2007).
BOYD, H. W. et al. Marketing research – text and cases. Homewood: R. D. Irwin, 1989.
BRASIL. Guia para o controle da hanseníase. : Ministério da Saúde. (Série A. Normas e Manuais Técnicos, 111). Brasília, 2002.
BRASIL. Ministério da Educação. PCN+Ensino Médio: Orientações Educacionais complementares aos Parâmetros Curriculares Nacionais. Ciências da natureza, matemática e suas tecnologias./ Secretaria de Educação Média e Tecnológica. Brasília: MEC: SEMTEC. (2002).
BRASIL. Parâmetros curriculares nacionais: língua portuguesa. Brasília: Secretaria de Educação Fundamental, 1998.
CABRAL, Gabriela. Discalculia. Brasil Escola. Disponível em . Acesso: em 10 ago. 2011.
CAGLIARI, L. Alfabetização e Lingüística. São Paulo: Scipione, 1996.
CANDAU, Vera Maria. Rumo a uma nova didática. 16. ed. Petrópolis, RJ: Editora Vozes, 2005.
CAPOVILLA, A. G. S. Problemas de Leitura e escrita: como identificar, prevenir e remediar numa abordagem fônica. São Paulo: Memnon, 2000.
CARVALHO, Maria Cristina. Lugares da leitura e da escrita numa escola de formação. In: REUNIÃO ANUAL DA ANPED, 23, 2000.
CENED - Centro de Educação a Distância. Alfabetização: um processo em construção. Brasília: CENED, 2003.
CINEL, Nora C. B. Disgrafia: Prováveis causas dos distúrbios e estratégias para a correção da escrita. Revista do Professor, São Paulo: ANER, n. 74, ano XIX, abr./jun. 2003.
COLLIS, J.; HUSSEY, R. Pesquisa em Administração: um guia prático para alunos de graduação e pós-graduação. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, 2005.
CONDERMARIN, M.; CHADWICCK, M. A escrita crítica e formal. Porto Alegre: Artes Médicas, 1986.
D’ÁVILA, Cristina. A mediação didática na história das pedagogias brasileiras. Revista da FAEEBA, v. 14, n. 24. 2005.
DORE, Rosemary; LÜSCHER, Ana Zuleima. Permanência e evasão na educação técnica de nível médio em Minas Gerais. Cadernos de pesquisa, v.41 n.144 set./dez. 2011.
EIDT, L.M. Breve história da Hanseníase: sua expansão do mundo para as Américas, o Brasil e o Rio Grande do Sul e sua trajetória na Saúde pública brasileira. Rev. Saúde e Sociedade, v.13, 2004, p76-88.
ENADE. Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes. Curso Pedagogia. Brasília: MEC/INEP/SINAES, 2011. (Prova aplicada no dia 13 nov. 2011).
FARIA, J. L. et al. Patologia geral. 4º ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2003.
FERREIRO, Emília. Alfabetização e cultura escrita. Revista do Professor. São Paulo: maio de 2003.
FERREIRO, Emilia. Psicogênese da Língua Escrita. Porto Alegre: Artes Médicas, 1999.
FERREIRO, Emilia. Reflexões sobre alfabetização. Tradução Horacio Gonzalez et.al. São Paulo: Cortez; Campinas: Autores Associados, 1985.
FREIRE, P. Pedagogia da Autonomia. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1996.
FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. 7 ed. São Paulo: Paz e Terra, 1982.
FRIEDMANN, Adriana. A Arte de Brincar. São Paulo: Vozes, 2004.
GANDIN, Danilo. A prática do planejamento participativo. 2ª ed. Petrópolis: Vozes, 1994.
GARCIA. J. R. L. Considerações Psicossociais sobre a pessoa portadora de Hanseníase. 2003
GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 5.ª ed. São Paulo: Atlas, 2008.
GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 5.ª ed. São Paulo: Atlas, 2008.
GOLDENBERG, M. A arte de pesquisar: como fazer pesquisa qualitativa em Ciências Sociais. 4. ed. Rio de Janeiro: Editora Record, 2000.
GONZALEZ, Jimenez E. J. Um estudo comparativo entre o nível de leitura dos processos fonéticos subjacentes e as dificuldades de leitura em uma ortografia transparente. Leitura e Escrita, Rio de Janeiro, V. 9, n. 1, p. 23-40, 1997.
GOULART, I.M.B. et al. Efeitos adversos da poliquimioterapia em pacientes com hanseníase: um levantamento de cinco anos em um Centro de Saúde da Universidade Federal de Uberlândia. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical. 2002.
GRAMSCI, Antônio. Concepção dialética da história. 6. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1986.
GREIS, Luciano Kercher; REATEGUI, Eliseo. Um simulador educacional para disciplina de física em mundos virtuais. CINTED-UFRGS Novas Tecnologias na Educação, V. 8 Nº 2, julho, 2010.
IBGE. SIS 2010: Mulheres mais escolarizadas são mães mais tarde e têm menos filhos. Disponível em: . Acesso em 14 nov. 2011.
JOPLING, W. H. & McDOUGALL, A. C. Manual de hanseníase. 4a. ed. Rio de Janeiro: Livraria Atheneu Editora, 1991.
JOSÉ, E. A.; COELHO, M. T. Problemas de aprendizagem. São Paulo: Ática, 2002.
KAMINSKI, Sergio K. Análise Econômica de Sistemas de Informações. Disponível em: < https://sites.google.com/site/sergiokkaminski/>. Acesso em 15 mai. 2012.
LABURÚ, Carlos Eduardo. Seleção de experimentos de física no ensino médio: uma investigação a partir da fala de professores. Investigações em Ensino de Ciências, v. 10, n. 2, pp. 161-178, 2005.
LAKATOS, E. Maria; MARCONI, M. de Andrade. Fundamentos de metodologia científica: Técnicas de pesquisa. 7 ed. – São Paulo: Atlas, 2010.
LEMOS, S.S.L; et al. Protocolo de enfermagem para assistência ao paciente com hanseníase, 2010.
LOMBARDI, C. et al. Hansenologia: epidemiologia e controle. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 1990.
MACHADO MFAS et al. Integralidade, formação de saúde, educação em saúde e as propostas do SUS: uma revisão conceitual. Ciênc. saúde coletiva, 2007, vol.12, n.2, pp. 335-342.
MAFRA, Andréa. Dificuldade de Aprendizagem. Disponível em . Acesso em: 10 ago. 2011.
MARCELO Humberto França; SOUSA Paula F. F. de. Subjetividade dos saberes de um professor de Matemática: elementos para uma percepção com respeito ao ensino da Física. Anais XI ENPEC Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 3 a 6 de julho de 2017.
MARTELLI, C.M. et al. Endemias e epidemias brasileiras, desafios e perspectivas de investigação científica:hanseníase. Rev. Bras. Epidemiol., v.5, n.3, 2002.
MARTINI, J. P. Hanseníase estigmas e preconceitos: uma temática para ser abordada nas escolas de ensino fundamental e médio. Monografia – Faculdade de Ciências, Universidade Estadual Paulista, Bauru, 1999.
MASINI, E. F. S. Aprendizagem totalizante Informativo ABD, São Paulo: Associação Brasileira de Dislexia, ano 2, n. 9, 1984.
MATTOS, M. G.; NEIRA, M. G. Educação Física na adolescência: construindo o conhecimento na escola. São Paulo: Phorte, 2000.
MEKSENAS, Paulo. Sociologia da Educação: uma introdução ao estudo da escola no processo de transformação social. São Paulo: Cortez, 1992.
MELLO, G. N. Cidadania e competitividade: desafios educacionais do terceiro milênio. São Paulo: Cortez, 1993, p. 88.
MINAYO, M. C. O desafio do conhecimento. Rio de Janeiro: HUCITEC-ABRASCO, 1994.
MONDIN, Battista. Curso de Filosofia, vol. 1. São Paulo: Paulinas, 2008.
MORAES, Júlia de Oliveira de; THEÓPHILO, Carlos R.. Evasão no ensino superior: estudo dos fatores causadores da evasão no Curso de Ciências Contábeis da Universidade Estadual de Montes Claros – UNIMONTES. Disponível em: . Acesso em: 20 de janeiro de 2019.
MORAIS, M. P. Distúrbios da aprendizagem: uma abordagem pedagógica. 5. ed. São Paulo: Edicon, 1997.
NAKAE, M. F. Nada Será Como Antes – O Discurso do Sujeito Coletivo Hanseniano. Psic: Rev. Da Vetor Editora, v. 3, nº. 2. São Paulo: Dez. 2002. 24 páginas.
OLIVEIRA, S. S. et al. Educação para a saúde: A doença como conteúdo nas aulas de ciências. Rio de Janeiro, 2007.
PAIVA, Maria Nilma. Alfabetização: a construção da leitura e da escrita. 2006. Monografia (Licenciatura em Normal Superior, com habilitação para as séries iniciais). Faculdades Integradas IESGO, Minas Gerais, 2006.
PEREIRA e COLS. Avaliação por Imagem do Comprometimento Osteoarticular e de Nervos Periféricos na Hanseníase. Rev Bras Reumatol, v. 46, supl.1, 2006, p. 30-35.
PEREIRA, R. S. MOREIRA, E. C. A Participação dos Alunos do Ensino Médio em Aulas de Educação Física: Algumas Considerações. R. da Educação Física/UEM Maringá, v. 16, n. 2, p. 121-127, 2. sem. 2005.
PIAGET, Jean. A Evolução Intelectual da adolescência à vida Adulta. Trad. Fernando Becker e Tania B.I. Marques. Porto Alegre: Faculdade de Educação, 1993.
PINHEIRO, Charles Adriano Pereira. Perfil Epidemiológico de pacientes internados com pneumonia em um Hospital Público de São Luís-MA. 2010. Monografia (Especialização em Saúde da Família). Maranhã: Instituto Superior de Educação Continuada/Faculdade de Tecnologia da Amazônia, 2010. Disponível em: . Acesso em 5 jun. 2012.
PONTES, Edel Alexandre Silva et al. Abordagens Imprescindíveis no Ensino Contextualizado de Matemática nas Séries Iniciais da Educação Básica. RACE-Revista de Administração do Cesmac, v. 1, p. 3-15, 2018.
REALE, Giovanni e ANTISERI, Dante. História da Filosofia, vol. I. São Paulo: Paulus, 2004.
RIZZO, Gilda. Alfabetização Natural. 3. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2005.
ROCHA, H. H. P. Educação escolar e higienização da infância. 2003.
ROSA, Cleci Werner da; ROSA, Álvaro Becker da. Ensino de Física: objetivos e imposições no ensino médio. Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias Vol. 4 Nº 1 (2005).
RUMBLE, G. The management of distance learning systems. Paris: UNESCO:International Institute for Educational Planning. 1992.
SALDANHA, M. A. e SILVA, S. M. Materiais pedagógicos alternativos: necessidade ou criatividade? Movimentum - Revista Digital de Educação Física. Ipatinga: Unileste-MG - V.1 - Ago./dez. 2006.
SAMPIERI, R. H. et al. Metodologia de pesquisa. 3.ª ed. São Paulo: McGraw-Hill Interamericana do Brasil Ltda., 2006.
SANTOS, A. R. Metodologia científica: a construção do conhecimento. Rio de Janeiro: DP&A, 1999.
SANTOS, Cibele Mendes, SANSON. Josiane Maria. Descobertas & Relações – Alfabetização. 2. ed. São Paulo: Editora do Brasil, 2005.
SAVIANI, D. O trabalho como princípio educativo frente às novas tecnologias. In: FERRETTI, C. J. et al. Novas tecnologias, trabalho e educação: um debate multidisciplinar. Petrópolis: Vozes, 1994, p. 151-168.
SBPT. Quem somos - a SBPT. Sbpt.com, 20/3/2011. Disponível em: < http://www.sbpt.org.br/?op=paginas&tipo=secao&secao=16&pagina=14 >. Acesso em: 20 mai. 2012.
SCHALL, Virgínia T. STRUCHINER, Miriam. Educação em saúde: novas perspectivas. Cad. Saúde Pública, 2011.
SEVERINO, Antônio Joaquim. Metodologia do trabalho científico. 23. ed. rev. e atual. São Paulo: Cortez, 2007.
SILVA João Batista da; SALES Gilvandenys Leite. Um panorama da pesquisa nacional sobre gamificação no ensino de Física. Tecnia, v. 2, n. 1, p. 105–121, 2017.
SILVA, Heitor Felipe da, CARVALHO, Ana Beatriz Gomes Pimenta de. Letramento científico nas aulas de física: um desafio para o ensino médio. Revista Redin, v. 6, n. 1, 2017.
SILVA, Laura Andréa de Souza Prado. O pedagogo em espaços não escolares. Universidade Camilo Castelo Branco, São Paulo – SP, 2007, p. 10.
SILVAI, Monica Ribeiro da et al. Juventude, escola e trabalho: permanência e abandono na educação profissional técnica de nível médio. Educ. Pesqui., São Paulo, v. 39, n. 2, p. 403-417, abr./jun. 2013.
SOARES, C. L. Educação Física Escolar: Conhecimento e Especificidade. Rev. paul. Educ. Fís., São Paulo, supl.2, p.6-12, 1996.
SOARES, M. Letramento: um tema em três gêneros. Belo Horizonte: Autêntica, 2004.
SOUZA, R.F. Ciência e moral na escola primária: um projeto a favor da ordem e da construção da reação brasileira. Araraquara: FCL/UNESP, 1998.
SPICER, W. John. Bacteriologia, Micologia e Parasitologia Clínicas. Rio de Janeito: Guanabara Koogan, 2002.
TEMPORINI, E. R. Ação preventiva em problemas visuais de escolares. Revista Saúde Pública, 1984.
TRABULSI, L. R. et al. Microbiologia. 3º ed. São Paulo: Atheneu, 2000.
VEIT, E. A.; TEODORO, V. D. Modelagem no Ensino/Aprendizagem de Física e os Novos Parâmetros Curriculares Nacionais para o Ensino Médio. Revista Brasileira de Ensino de Física, v. 24, n. 2, 2002.
VERONESI, R. Tratado de infectologia. 3ª Ed. São Paulo: Atheneu, 2005.
VILLANI Carlos Eduardo Porto; NASCIMENTO Silvania Sousa do. A argumentação e o ensino de ciências: uma atividade experimental no laboratório didático de física do ensino médio. Investigações em Ensino de Ciências – V8(3), pp. 187-209, 2003
VYGOTSKY, L. S. Pensamento e linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 1991.
WEISZ, Telma. O dialogo entre o ensino e a aprendizagem. 2. ed. São Paulo: Ática, 2002.
YIN, Robert K. Estudo de caso: planejamento e métodos. Porto Alegre: Bookman, 2001.
ZOTTI, Solange Aparecida. Sociedade, Educação e Currículo no Brasil: dos Jesuítas aos anos de 1980. Brasília: Plano, 2004.
Publicado
2020-11-18