A Utilização do Softaware Geogebra como um Método Avaliativo para Ensino da Função do 1o Grau

  • Lydjane Fernandes da Cruz Universidad Autónoma de Asunción - UAA
  • Clara Roseane da Silva Azevedo Mont’Alverne Secretaria Executiva de Educação do Estado do Pará - SEDUC
Palavras-chave: Avaliação, Função, Geogebra.

Resumo

O presente artigo tem como tema: A utilização do software Geogebra como um método avaliativo para o ensino da função do 1º grau. Será abordada as contribuições do uso do software Geogebra como um instrumento de avaliação nas aulas de Matemática sobre função do 1ª grau na Escola Estadual Senador João Bosco Ramos de Lima-AM. Essa investigação buscar oferecer contribuições para o processo avaliativo, no que se refere propor metodologias inovadoras e tecnológicas que possam ser inseridas em um novo formato de avaliar. Sendo assim, o objetivo geral da pesquisa é analisar as contribuições da utilização do software Geogebra para processo de avaliação do ensino-aprendizagem da função do 1º grau dos alunos da 1° série do Ensino Médio. A metodologia eleita para o desenvolvimento do trabalho é a pesquisa qualitativa que utiliza o método fenomenológico. Conclui-se que, as contribuições da utilização do software Geogebra como uma forma avaliativa, traz o estímulo ao protagonismo juvenil, contribuindo ainda, para que o processo de avaliação se torne mais dinâmico, atrativo, prático, autônomo e diversificado.

 

Biografia do Autor

Lydjane Fernandes da Cruz, Universidad Autónoma de Asunción - UAA

Graduado em Licenciatura Plena em Matemática (2006). Especialista em Metodologia do Ensino da Matemática (2016). Professora da disciplina de Matemática na rede estadual do Estado do Amazonas, no município Iranduba. Mestrando em Ciências da Educação pela Universidad Autónoma de Asunción-UAA, Paraguai- (PY). E-mail: lydmatematica@gmail.com

Clara Roseane da Silva Azevedo Mont’Alverne, Secretaria Executiva de Educação do Estado do Pará - SEDUC

Doutora em Ciência da Educação pela Universidad Autônoma de Asunción - UAA (2011). Mestre em Serviço Social pela Universidade Federal do Pará -UFPA (2006). Especialista em Educação na Perspectiva do Ensino Estruturado para Autistas (2015). Especialista em Administração Escolar - UCAM (2005). Especialista em Ensino Superior pela Universidade da Amazônia - UNAMA (2001). Graduada em Licenciatura Plena em Pedagogia pela Universidade da Amazônia - UNAMA -1989 -. Pedagoga da Secretaria Executiva de Educação do Estado do Pará-SEDUC (1993). Pedagoga da Coordenação da Educação Especial - COEES (2012). E-mail: clarazevedo@globo.com

Referências

Alarcão, I. (2014). Escola reflexiva e nova racionalidade. Artigo. Disponível em http://www.ia.ufrrj.br/ppgea/conteudo/conteudo.2/2SF/Lia/Escola%20Reflexiva%20e%20nova%20racionalidade.pdf Acesso em 14 de maio de 2019.

Borba, M. C. Scucuglia, R. R. S. Gadanidis, G. (2014). Fases das tecnologias digitais em Educação Matemática: sala de aula e internet em movimento. Belo Horizonte: Autêntica.

Brasil. (1996). Lei n° 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Brasília. Disponível em: . Acesso em: 20 de junho de 2019.

______. (2013). Diretrizes Curriculares Nacionais da Educação Básica. Brasília: MEC/SEF.

______. (2017). Base Nacional Comum Curricular educação infantil e ensino fundamental. Brasília: Ministério da Educação. Disponível em:. Acesso em: 25 de julho de 2019.

______. (2018). Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC. Disponível em:. Acesso em: 19 de ago de 2019.

Carneiro, M. A. (2018). LDB fácil: Leitura crítico-compreensiva, artigo a artigo. 24ª ed. Petrópolis, Rio de Janeiro, RJ: Vozes.

Carvalhães, M. S. (2015). Tecnologia educacional. São Paulo: Pioneira.

Demo Pedro. (2014). Educação e qualidade. 3ª ed. Campinas, Papirus.

Freitas, L. C. de (2013). Os reformuladores empresários da educação: desmoralização do Magistério à destruição do sistema público de educação. Educação e Sociedade. São Paulo: Campinas.

Neuenfeldt, D.J; Rataizk, C.R. (2017). Instrumentos e critérios de avaliação utilizados pelos professores de aducação física nos anos finais do ensino fundamental. Revista Kinesis, Santa Maria v.35 n.2, 2017, maio - ago. , p. 14– 22 Centro de Educação Física e Desporto – UFSM.

Nunes, R. (2015). Nova escola. São Paulo: McGraw-Hill. 2010.

Pontes, E. A. S. (2018). Modelo de ensino e aprendizagem de matemática baseado em resolução de problemas através de uma situação-problema. Revista Sítio Novo, 2(2), 44-56.

Saviani, D. (2014). Para além da curvatura da vara. In: Revista Ande. 3ª ed. São Paulo.

Silveira, Ê. (2018). Matemática: compreensão e prática: manual do professor. 5ª ed. São Paulo: Moderna
Publicado
2020-12-31