Materiais Concretos: um caminho atrativo para o ensino dos sólidos de Platão na educação de jovens e adultos (EJA)

  • João Lúcio Campos da Silva Universidad Autónoma de Asunción - UAA
  • Clara Roseane da Silva Azevedo Mont’Alverne Secretaria Executiva de Educação do Estado do Pará - SEDUC
Palavras-chave: Currículo na Educação de Jovens e Adultos, Materiais concretos, sólidos Platônicos.

Resumo

Este artigo trata de parte de uma pesquisa sobre a utilização de materiais concretos no processo de ensino-aprendizagem dos sólidos de Platão para alunos da EJA, visando analisar as principais contribuições da utilização de materiais concretos como recurso metodológico para o ensino-aprendizagem de Geometria Platônica. Para realização deste trabalho adotou-se a pesquisa qualitativa, com método fenomenológico. O professor deve dar aos seus estudantes, a autonomia que é necessária para não comprometer o processo de ensino e fortalecer a relação com as aulas teóricas e as informações do livro didático, por outro lado, garantir que o trabalho dos alunos vá fluindo e seja significativo do ponto de vista da qualidade do conhecimento adquirido nas aulas com materiais concretos, tornando as aulas bem mais atrativas. Conclui-se que é fundamental refletir sobre o que será ensinado aos discentes da disciplina no nível elementar, isto é, entender e considerar importante as características de cada aluno e os saberem matemáticos que possuem, levando em consideração que o tempo de afastamento dos alunos das aulas de Matemática.

 

Biografia do Autor

João Lúcio Campos da Silva, Universidad Autónoma de Asunción - UAA

Graduado em Licenciatura Plena em Matemática (2010). Especialista em Metodologia do Ensino da Matemática (2014). Professor de Matemática na rede estadual do Estado do Amazonas, no município Manaus. Mestrando em Ciências da Educação pela Universidad Autónoma de Asunción-UAA, Paraguai- (PY). 

Clara Roseane da Silva Azevedo Mont’Alverne, Secretaria Executiva de Educação do Estado do Pará - SEDUC

Doutora em Ciência da Educação pela Universidad Autônoma de Asunción - UAA (2011). Mestre em Serviço Social pela Universidade Federal do Pará -UFPA (2006). Especialista em Educação na Perspectiva do Ensino Estruturado para Autistas (2015). Especialista em Administração Escolar - UCAM (2005). Especialista em Ensino Superior pela Universidade da Amazônia - UNAMA (2001). Graduada em Licenciatura Plena em Pedagogia pela Universidade da Amazônia - UNAMA -1989 -. Pedagoga da Secretaria Executiva de Educação do Estado do Pará-SEDUC (1993). Pedagoga da Coordenação da Educação Especial - COEES (2012)

Referências

Brasil. (1998). Ministério da Educação. Parâmetros curriculares nacionais: matemática. Brasília: SEF, 114P.

______. (2014). Base Nacional Comum Curricular educação infantil e ensino fundamental. Brasília: Ministério da Educação.

______. (2017). Base Nacional Comum Curricular educação infantil e ensino fundamental. Brasília: Ministério da Educação.
Lima, G.L., Silva, M. J. F (2015). Conhecimentos docentes para o ensino de geometria em curso de Licenciatura. VIDYA, v.35, n.2, jul./dez. Santa Maria.

Machado, N. J. (2014). Matemática e realidade: análise dos pressupostos filosóficos que fundamentam o ensino de Matemática. São Paulo: Cortez.

Pontes, E. A. S. (2019). O PROFESSOR ENSINA E O ALUNO APRENDE: QUESTÕES TEÓRICAS NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA. RACE-Revista de Administração do Cesmac, 4, 111-124.

Santos, A.M.A dos. (2015). A utilização de materiais concretos para o ensino da Geometria Plana e Espacial: um estudo de caso – Dissertação de Mestrado – PROFMAT – Universidade Federal do Vale do São Francisco, Campus Juazeiro – Bahia.
Publicado
2020-12-31