A Importância do Papel da Contabilidade Ambiental: Caso CEMIG

  • Eduardo Dias Leite
  • Debora Nunes Gravina
  • Sergio Reis Ferreira dos Santos
Palavras-chave: Contabilidade ambiental, Impacto Ambiental, Sustentabilidade

Resumo

A preocupação com a sustentabilidade no desenvolvimento industrial é algo extrema Importância na atualidade. Pensar que recursos podem ser tornar escassos ou até mesmo extintos, vem impulsionando vários debates de como utilizar melhor os recursos ambientais. Em resposta a essa preocupação, foi criada a contabilidade ambiental. Suas ferramentas fornecem as informações necessárias para subsidiar tomadas de decisões do controle patrimônio ambiental. Dada a tamanha responsabilidade de preservar recursos que são finitos. Esta pesquisa busca evidenciar a relevância da contabilidade ambiental, como instrumento essencial para estruturar as tomadas de decisões no controle, mensuração e transparência das informações. O objeto deste estudo é a Companhia Energética Minas Gerais S/A-CEMIG. A metodologia quanto ao objetivo da pesquisa será uma pesquisa exploratório-descritiva, possibilitando familiarização com tema contabilidade ambiental e seus efeitos dentro de uma organização. A abordagem conforme ao procedimento será um estudo de caso sobre a utilização da contabilidade ambiental em uma empresa, resultados no controle e preservação eficaz de recursos ambientais.

Palavra-chave: , , .

Referências

Auler, J. R. (2002). Importância e aplicabilidade da contabilidade ambiental em empresas do Estado: caso PW Brasil Export S.A. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharel em Ciências Contábeis.)- UNESC, Centro Universitário do Espírito Santo , Colatina.

Bachmanna, R. K. B; Carneiroa, L. M.; Espejoa, M. M. S. B. (2013). Evidenciação de informações ambientais: proposta de um indicador a partir da percepção de especialistas, Revista de Contabilidade e Organizações, Paraná, p.1-12, Jan.Barbosa, V. (2018). As 100empresas mais sustentáveis do mundo em 2018.

BRASIL. Lei Federal Nº 9.985, de 18 de julho de 2000. Regulamenta o art. 225,§ 1o, incisos I, II, III e VII da Constituição Federal, institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza e dá outras providências.

Casarin, H. C. S, Casarin, S, J. (2012). Pesquisa científica: da teoria à prática. Curitiba: InterSaberes.

Cemig (2018). Valores de tarifa e serviços.

Cemig (2018). Compensação financeira pela utilização de recursos hídricos.

Chiavenato, I. (2014). Administração: teoria, processo e pratica - 5. ed. -- Barueri, SP: Manole.

Costa, C. A. (2012). Contabilidade Ambiental: mensuração, evidenciação e transparência. São Paulo: Altas.

Dourado, J.; Belizário, F. (2012). Reflexão e práticas em educação ambiental: discutindo o consumo e a geração de resíduos. São Paulo: Oficina de textos.

Fabricio, A. C. B. (2015). Turismo, meio ambiente e sustentabilidade. 1. ed . Curitiba: InterSaberes.

Gomes, S. M. S.; Garcia, C. O. (2013). Controladoria Ambiental. São Paulo: Atlas.

Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada - Ipea (2010). Sustentabilidade ambiental no Brasil: biodiversidade, economia e bem- estar humano. – Brasília.

Knechtel, M. R. (2014). Metodologia da pesquisa em educação: uma abordagem teórica-prática dialogada. Curitiba: InterSaberes.

Kohn, R. (2018). Ambiente e sustentabilidade: metodologias para gestão. 1. ed. Rio de Janeiro: LTC.

Lima, K. P; Cunha, D; Moreira, F. G; Porte, M. (2012). Contabilidade ambiental: Estudo sobre a evidenciação das informações ambientais nas demonstrações contábeis das grandes empresas brasileiras. Revista Eletrônica de Administração (Online), v. 11, n.1, edição 20, jan-jun 2012.

Lins, L. S. (2015). Introdução à gestão ambiental empresarial: abordando economia, direito, contabilidade e auditoria. São Paulo: Atlas.

Paiva, P. R. (2006). Contabilidade Ambiental: Evidenciação dos gastos ambientais com a transparência e focada na preservação - 1. ed - São Paulo: Altas.

Philippi Júnior, A.; Andreoli, C. V.; Bruna, G. C.; Fernandes, V. (2014). Histórico e evolução do sistema de gestão ambiental no Brasil. In: Curso de gestão ambiental[S.l: s.n.].

Reichardt, K. (2016). Água e sustentabilidade no sistema solo-planta- atmosfera - Barueri, SP: Manole.

Relatório anual de sustentabilidade Cemig (2018).

Ribeiro, M. S. (2005). Contabilidade Ambiental. São Paulo: Saraiva, 2005.

Silva, C; Przybysz, L, C, B. (2014). Sistema de gestão ambiental. Curitiba: Intersabares.

Silveira, C. E, Sobrinho, S. F. (2017) Direito, risco e sustentabilidade: abordagens interdisciplinares. Caxias do Sul, RS: Educs.

Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia, 11., 2014, Rio de Janeiro.

Sippert, E. L.; Treter, J. (2013). Contribuições da contabilidade ambiental à sustentabilidade como garantia constitucional. 3º Fórum de sustentabilidade corede alto jacuí, realizado em Brasília, 17 pg. 2013.

Tatiane, A. (2014). Contabilidade Ambiental. 1ª Edição.Curitiba. Intersabares.

Tinoco, J. E. P;e Kraemer, M. E. P. (2011). Contabilidade e gestão ambiental. São Paulo: Atlas.

XXIII Congresso Brasileiro de Custos. 23., 2016. Porto de Galinhas. Passivo Ambiental: Uma Reflexão para a Contabilidade. Pernambuco. 2016. 16 p.

Yamaguchi, C. K. (2011). Contabilidade ambiental nas organizações como instrumento de criação do conhecimento. 2011, 264 f. Tese (Doutorado em Gestão do conhecimento) - Programa de Pós-Graduação em Engenharia e Gestão de Conhecimento, UFSC, Florianópolis, 2011.
Publicado
2021-01-23