O Uso da Tecnologia no Processo Avaliativo do Ensino da Função do 1o Grau

  • Lydjane Fernandes da Cruz Universidad Autónoma de Asunción - UAA
  • Clara Roseane da Silva Azevedo Mont’Alverne Secretaria Executiva de Educação do Estado do Pará-SEDUC
Palavras-chave: Avaliação tecnológica, softwares educacionais, Função do 1º grau.

Resumo

No presente artigo será abordada as contribuições do uso da tecnologia no processo avaliativo do ensino da função do 1º grau. Ressaltando as diversas vertentes dos diversos métodos de avaliação e intensificando as vantagens do uso da tecnologia como umas das formas de avaliação. Cabe ressaltar que existe uma ideia equivocada de que avaliações estão literalmente fechadas às realizações de provas escritas ou objetivas, e que o professor detém todo o poder de decisão e escolhas das formas e métodos avaliativos, pelo contrário, a prova não é única forma de avaliar, e sim, uma delas. Portanto, as avaliações com o uso da tecnologia garantem um desenvolvimento pleno dos estudantes, tornando esse processo mais dinâmico, complementar e atrativo.

 

Biografia do Autor

Lydjane Fernandes da Cruz, Universidad Autónoma de Asunción - UAA

Graduada em Licenciatura Plena em Matemática (2006). Especialista em Metodologia do Ensino da Matemática (2016). Professora da disciplina de Matemática na rede estadual do Estado do Amazonas, no município Iranduba. Mestrando em Ciências da Educação pela Universidad Autónoma de Asunción-UAA, Paraguai- (PY). 

Clara Roseane da Silva Azevedo Mont’Alverne, Secretaria Executiva de Educação do Estado do Pará-SEDUC

Doutora em Ciência da Educação pela Universidad Autônoma de Asunción - UAA (2011). Mestre em Serviço Social pela Universidade Federal do Pará -UFPA (2006). Especialista em Educação na Perspectiva do Ensino Estruturado para Autistas (2015). Especialista em Administração Escolar - UCAM (2005). Especialista em Ensino Superior pela Universidade da Amazônia - UNAMA (2001). Graduada em Licenciatura Plena em Pedagogia pela Universidade da Amazônia - UNAMA -1989 -. Pedagoga da Secretaria Executiva de Educação do Estado do Pará-SEDUC (1993). Pedagoga da Coordenação da Educação Especial - COEES (2012). 

Referências

Brasil. (1999). Parâmetros curriculares Nacionais de Matemática: Ensino Fundamental e médio. Brasília: MEC-SEF.

_____. (2000). Ministério da Educação. Parecer nº: CEB 11/2000. Brasília: MEC. Disponível em:. Acesso em: 24 de fevereiro 2020.

_____. (2013). Diretrizes Curriculares Nacionais da Educação Básica. Brasília: MEC/SEF.

_____. (2017). Base Nacional Comum Curricular educação infantil e ensino fundamental. Brasília: Ministério da Educação.

Dante, L. R. (2018). Didática da Resolução de Problemas da Matemática. São Paulo: Ática, 1996. Comunicação Científica.

de Oliveira Santos, A. P., das Graças Alves, I., & da Silva, A. C. M. (2020). A Educação como Agente e Produto da Sociedade da Comunicação e Informação. RACE-Revista de Administração do Cesmac, 6, 14-23.

Dias, J. C. S.; Rodrigues, M. A. R. (2014). O Uso de Tecnologias no Ensino da Função Afim. Matemática, Mídia Digitais e Didáticas. Porto Alegre, p. 1-20. 22 jul.

Freire, P. (1999). Pedagogia do oprimido. Petrópolis-Rj: Vozes.

Moreno, P. P. (2018). Matemática essencial. 6ª ed. v. 2. São Paulo: Ática.

Pontes, E. A. S., Pontes, E. G. S., da Silva, R. C. G., & da Silva, L. M. (2018). Abordagens Imprescindíveis no Ensino Contextualizado de Matemática nas Séries Iniciais da Educação Básica. RACE-Revista de Administração do Cesmac, 1, 3-15.

Pontes, E. A. S. (2019). O professor ensina e o aluno aprende: questões teóricas no processo de ensino e aprendizagem de Matemática. RACE-Revista de Administração do Cesmac, 4, 111-124.
Publicado
2021-02-17