Fisioterapia Respiratória como Atenuante para a Fadiga Muscular na Gestante em Trabalho de Parto

  • Luiza Maria Miranda Martins UNINASSAU - MA
Palavras-chave: Fadiga muscular. Parto, Fisioterapia respiratória.

Resumo

Assistênciar a parturição envolve atualização sobre as intervenções fisioterapêuticas obstétricas benéficas e necessárias para o nascimento seguro. Para tal, as posturas, a mobilidade e as técnicas respiratórias disponibilizadas á parturiente facilitar o trabalho de parto. Objetivou-se neste estudo identificar a fadiga muscular decorrente do esforço físico imposto pelo trabalho de parto e examinar o efeito da fisioterapia respiratória como atenuante para a fadiga muscular. Trata-se Revisão Sistemática de artigos científicos de caráter descritivo, publicados nos últimos 10 anos, em português e inglês. As bases de dados utilizadas foram as de maior relevância e impacto na comunidade cientifica, a Scientific Eletronic Library Online (Scielo),Sistema de Bibliotecas da Unicamp UBS, Biblioteca Digital da USP,  Biblioteca Virtual de Saúde e Lilacs, Physiotherapy Evidence Database Pedro. No decorrer da parturição, as alterações fisiológicas interferem na funcionalidade hemodinâmica da parturiente, influenciando no desenvolvimento da fadiga durante o trabalho de parto. Conclui-se que a orientações fisioterapêuticas respiratórios sugere atenuar a fadiga, melhorar o padrão respiratório, a condição hemodinâmica materna e minimizar a ansiedade.

 

Biografia do Autor

Luiza Maria Miranda Martins , UNINASSAU - MA

Graduação em fisioterapia pela Universidade São marcos (2003), Doutorado e Ciencias da Educação pela Faculdad Interamericana Ciencias Sociales (2019), Mestre em Saúde Pública pela Universidade Três fronteiras (2016).Equoterapeuta, especialista em Fisioterapia Neonatologia e Pediatria, Fisioterapia Cardiovascular e Pneumofuncional, Fisioterapia Intensiva, fisioterapia Pélvica em andamento. Atualmente é docente do curso de fisioterapia na UNINASSAU-MA ,Supervisora multidisciplinar e fisioterapeuta na sala de parto da Maternidade Benedito Leite-MA, Tem experiência na área de Hospitalar e ambulatorial.

Referências

ADAMS, E. D.; BIANCHI, A. L. A practical approach to labor support. Journal ofObstetric, Gynecologic, & Neonatal Nursing, 37, 1, 106-115, 2008.

BAVARESCO, Gabriela Zanella et al. O fisioterapeuta como profissional de suporte à parturiente. Ciência & Saúde Coletiva, v. 16, p. 3259-3266, 2011.

BEZERRA, M.A.B.; NUNES, P.C.; LEMOS, A. Força muscular respiratória: c omparação entre nuligestas e primigestas. Fisioter Pesq. v. 18, n. 3, p. 235-240, jul./set. 2011.

BIO, Eliane R.; Intervenção Fisioterapêutica na Assistência ao Trabalho de Parto. São Paulo: Faculdade de Medicina da Faculdade de São Paulo (Mestrado em Fisioterapia). Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, 2007.

BURTI, Juliana Schulze et al. Assistência ao puerpério imediato: o papel da fisioterapia. Revista da Faculdade de Ciências Médicas de Sorocaba, v. 18, n. 4, p. 193-198, 2016.

CALIL, André et al. Escalas de Borg e OMNI na prescrição de exercício em cicloergômetro. Rev Bras Cineantropom Desempenho Hum, v. 13, n. 2, p. 117-123, 2011.

CAMPANHA, Marielle Medeiros. VILAGRA, José Mohamud. Acompanhamento do fisioterapeuta em gestantes na sala de parto. Fiep bulletin, Special Edition, v.82, 2012.

7.CANESIN, Kariny F.; AMARAL, Waldemar N. do; A atuação fisioterapêutica para diminuição do tempo do trabalho de parto: revisão de literatura; femina | agosto 2010 |volume 38 | n° 8.

COIMBRA, Fabiola Rodrigues; DE SOUZA, Bruna Caroline; DELFINO, Marta Maria. Fisioterapia no suporte a parturientes. Revista Científica da FEPI-Revista Científica Universitas, 2016.

CORTEZ, P.J et al. Correlação entre a dor lombar e as alterações posturais em gestantes. Arq Bras Ciênc Saúde. v. 37, n. 1, p. 30-35, jan./abr. 2012.

DAL-FARRA, Rossano André; LOPES, Paulo Tadeu Campos. Métodos mistos de pesquisa em educação: pressupostos teóricos. Nuances: estudos sobre Educação, v. 24, n. 3, p. 67-80, 2013.

DELGADO, Alexandre,SILVA ,Diana Ferreira, PEREIRA , José Igor da Silva, ARRUDA, Iza Paula de Deus Mello Albuquerque. Avaliação do nível de fadiga materna durante o primeiro período do trabalho de parto: um estudo de corte transversal, Vittalle v. 31, n. 2 (2019) 47-52.

EBRAHIMZADEH, S, Golmakani N, Kabirian M, Shakeri M T, Study of correlation between maternal fatigue and uterine contraction pattern in the active phase of labour. J ClinNurs2012; 21(11-12):1563-9.

EKERHOLT, K.; BERGLAND, A. Breathing: A sign of life and a unique area for reflection and action. Physical therapy, 88, 7, 832-840, 2008.

ELKUS R, Popovich J. Respiratory physiology in pregnancy. Clin Chest Med 1992; 13(4): 555-65

FERREIRA, Marcela Flávia de Souza. Parto normal: ações de enfermagem para uma assistência humanizada. Monografia. Vitória: 2016, 115f. Disponível em: < http://www.ucv.edu.br/fotos/files/TCC-2016-1_Marcela.pdf> Acesso em: 22.04.2019.

FERREIRA, Cristine H.; Fisioterapia: Teoria e Pratica Clinica – Fisioterapia na saúde da Mulher: Teoria e Pratica Clinica; editora Guanabara Koogan LTDA, São Paulo, 2011, paginas 291-291.

GALLO, Rubneide Barreto Silva et al. Recursos não-farmacológicos no trabalho de parto: protocolo assistencial. Femina, v. 39, n. 1, p. 41-48, 2011.

GOMES, Isabelle Sena; DE OLIVEIRA CAMINHA, Iraquitan. Guia para estudos de revisão sistemática: uma opção metodológica para as Ciências do Movimento Humano. Movimento (ESEFID/UFRGS), v. 20, n. 1, p. 395-411, 2014.

MARQUES, Andrea de A.; SILVA, Marcela P. P. e; AMARAL, Maria T. P. do.; Tratado de Fisioterapia em Saúde da Mulher; Editora Roca LTDA, São Paulo, 2011.

MAZZALI, Luciana; GONÇALVES, Ronaldo N.; Analise do Tratamento Fisioterapêutico na Diminuição da Dor Durante o Trabalho de Parto Normal; Ensaios e Ciência: C. Biológicas, Agrárias e da Saúde, vol. XII, no 1, 2008.

MELO, Jayane Kelly Gomes et al. Cuidados e métodos não-farmacológicos de alívio da dor nas gestantes em trabalho de parto. Id online Revista Multidisciplinar e de Psicologia, v. 13, n. 44, p. 73-86, 2019.

MINETTO, Ariete Ines et al. Atuação fisioterapêutica para redução do quadro álgico no trabalho de parto ativo. Inova Saúde, v. 6, n. 2, p. 20-34, 2018.

NASCIMENTO, Raquel Ramos Pinto et al. Escolha do tipo de parto: fatores relatados por puérperas. Revista Gaúcha de Enfermagem, v. 36, p. 119-126, 2015.

NEME, Bussamara; ZUGAIB, Marcelo. Assistência Pré-Natal. In.: NEME, Bussamara. Obstetrícia Básica. 3. ed. São Paulo: Sarrer, 2005, p. 104-118.

NILSEN, Evenise C. G.; Dor e Comportamento de Mulheres Durante o Trabalho deParto e Parto; Campinas 2009.

NORONHA, Daline Emanuella Freire dos Santos. Benefícios da Fisioterapia na gestação: Uma revisão integrativa. 2016. 23p.

PINTO, A.V.A. et al. Avaliação da mecânica respiratória em gestantes. Fisioterapia e Pesq. v. 22, n. 4, p. 348-354. 2015.

RAMOS, Altina; FARIA, Paulo M.; FARIA, Ádila. Revisão sistemática de literatura: contributo para a inovação na investigação em Ciências da Educação. Revista Diálogo Educacional, v. 14, n. 41, p. 17-36, 2014.

SANTOS, Emanuele; HERRERA, José Blanco. FISIOLOGIA DA FADIGA MUSCULAR: QUEBRANDO PARADIGMAS. Educação Física em Revista, v. 3, n. 3, 2009.

SANTOS, Caroline Mombaque dos, et al. A utilização da escala de Borg em atividade física com gestantes. ConScientiae Saúde, v. 13, n. 2, 2014.

SANTOS, M.D. et al. A dimensão da diástase abdominal tem influência sobre a dor lombar durante a gestação? Rev Dor. v. 17, n. 1, p. 43-46, jan./mar. 2016.

SANTOS, Eduarda Soares; SILVA, Maria Jéssica Lins da. Pressões respiratórias máximas de puérperas submetidas a parto vaginal ou cesáreo. 2017. Disponível em: ttp://ri.ufs.br/jspui/handle/riufs/8185 acesso em: 05.06.2019.

SOUZA, Talia G. de. Trabalho de parto e parto. In: BALASKAS, Janet. Parto Ativo: guia prático para o parto natural (a história e a fisiologia de uma revolução). 3 ed. rev., atual. e aum. São Paulo: Ground, 2015.

STHEPERSON, Rebecca G, O’CONNOR, Linda J. , Fisioterapia Aplicada a Ginecologia e Obstetrícia, Editora Manole, 2º Edição, Pág. 389 a 462, Barueri – SP, 2004.

TZENG, Y. L.; CHAO, Y. M. Y.; KUO, S. Y.; TENG, Y. K. Childbirth‐related fatigue
trajectories during labour. Journal of advanced nursing, 63, 3, 240-249, 2008.

VALENCIANO, Cintia Maria Vieira da Silva. RODRIGUES, Maraisa de Fátima. A importância da intervenção fisioterapêutica na assistência do trabalho de parto. Monografia. São Paulo: 2015. 76p.

WAGNER, Caroline Schwingel et al. Análise comparativa da força muscular respiratória de primigestas no puerpério imediato de parto normal e de nuligestas. Saúde e Pesquisa, v. 10, n. 2, p. 325-330, 2017.
Publicado
2021-04-01