O Aproveitamento do Resíduo do Coco Verde para a Produção de Subprodutos em Aracajú

  • José Gicelmo Melo de Albuquerque Universidad Tecnológica Intercontinental - UTIC
  • Beroaldo Rodrigues dos Santos Universidad Tecnológica Intercontinental - UTIC
  • Wilma Karlla Paixão Silvestre Universidad Tecnológica Intercontinental - UTIC
  • Gilvana Costa Rocha Paula Universidad Tecnológica Intercontinental - UTIC
  • Maria do Socorro Andrade Alves Universidad Tecnológica Intercontinental - UTIC
  • Nadja Lucia Melo de Albuquerque Oliveira Universidad Tecnológica Intercontinental - UTIC
Palavras-chave: Aracaju, Coco, Subprodutos

Resumo

As sociedades modernas geram cada vez mais resíduos pela elevação de uso dos recursos naturais e o consumo de produtos da natureza, o que tem aumentado muito os níveis de poluição, o que leva à necessidade de adotar ações para a mitigação dos efeitos decorrentes. Sendo que as empresas são as principais atuantes nesse cenário, é delas a maior parte da responsabilidade pela procura de soluções para o aproveitamento dos resíduos, que devem passar a ser vistos como matéria-prima para outros produtos que podem também gerar lucro, ao invés de serem vistos como lixo ou despesa, conseguindo assim um desenvolvimento econômico que não é prejudicial ao meio ambiente e não compromete o futuro. O caminho para incentivar o desenvolvimento sustentável das empresas passa pelos benefícios econômicos, que podem ser percebidos por intermédio da redução dos gastos com matéria-prima, energia, disposição de resíduos, e a busca pelo uso de resíduos derivados do processo produtivo como matéria-prima para seu produto. Este trabalho tem o objetivo de abordar a importância da atividade de produção de subprodutos do coco no município de Aracaju.

Palavras-chave: . . .

Biografia do Autor

José Gicelmo Melo de Albuquerque, Universidad Tecnológica Intercontinental - UTIC

Licenciado em Estudos Sociais (Faculdade de Formação de Professores de Penedo/Alagoas (FFPP), Pós-graduação em História Contemporânea (Faculdade de Filosofia e Letras de Maceió/Alagoas), Mestre em Ciências da Educação (Universidade Interamericana/ PY); atualmente doutorando em Ciências da Educação pela Universidad Tecnológica Interamericana (UTIC) Assunção/PY.

Beroaldo Rodrigues dos Santos, Universidad Tecnológica Intercontinental - UTIC

Graduado em Engenharia mecânica (Universidade Federal da Paraíba (UFPB), Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho (Universidade Federal da Paraíba (UFPB), Mestre em Engenharia de Produção (Universidade Federal de Pernambuco/ UFPE); atualmente doutorando em Ciências da Educação pela Universidad Tecnológica Interamericana (UTIC) Assunção/PY; docente do Instituto Federal de Alagoas (IFAL).

Wilma Karlla Paixão Silvestre, Universidad Tecnológica Intercontinental - UTIC

Graduada em Engenharia Civil (Centro Universitário Maceió/Alagoas (CESMAC), Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho (Faculdade de Tecnologia de Alagoas (FAT), Mestranda em Ergonomia (Universidade Federal de Pernambuco/ UFPE); docente do Instituto Federal de Alagoas (IFAL).

Gilvana Costa Rocha Paula, Universidad Tecnológica Intercontinental - UTIC

Graduada em Letras – Língua Portuguesa/ Literatura Brasileira pela Universidade Estadual do Maranhão – UEMA; Especialista em Ciências Criminais (FAI); Pós-graduação em língua Portuguesa pela universidade Salgado Filho – RJ; Mestre em Ciências da Educação pela Universidad San Lorenzo (UNISAL); Doutoranda em Ciências da Educação pela Universidad Tecnológica Intercontinental (UTIC).

Maria do Socorro Andrade Alves, Universidad Tecnológica Intercontinental - UTIC

Graduada em pedagogia - Universidade Estadual do Vale do Acaraú- CE; Pós-graduada em psicopedagogia pela faculdade integrada de patos PB, Mestra em ciências da Educação pela Universidad Tecnológica Intercontinental PY, atualmente doutoranda em Ciências da Educação pela Universidad Tecnológica Intercontinental/PY.

Nadja Lucia Melo de Albuquerque Oliveira, Universidad Tecnológica Intercontinental - UTIC

graduada em Pedagogia (Universidade Vale do Acaraú Fortaleza/Ceará, Mestre em Ciências da Educação (Universidade Interamericana/ PY); Graduada em Fisioterapia pela Faculdade Estácio de Sá Aracaju/Sergipe. Atualmente especializando em Osteopatia Clínica Internacional pela Faculdade Inspirar Curitiba/Paraná. Doutoranda em Ciências da Educação pela Universidad Tecnológica Intercontinental (UTIC).

Referências

AIYER AKVGN. 1956. The Antiquity of Some Field and Forest Flora of India. The Bangalore Printing & Publishing Co. Ltd., Bangalore, India. 74 pp.

ARACAJU. Site oficial da Prefeitura Municipal. Prefeitura discute implementação de projeto destinado à reciclagem de coco verde em Aracaju. Disponível em https://www.aracaju.se.gov.br/index.php?act=leitura&codigo=8050. Acesso em 15/07/2019.

BARBOSA, V. Até quando Brasil vai enterrar seu lixo em buracos ilegais? Revista Exame. São Paulo, agosto 2014.

BENASSI, A. C. Caracterização biométrica, química e sensorial de frutos de coqueiro variedade anã verde. 2006. 98f. Tese (Doutorado em Produção Vegetal) – Universidade Estadual Paulista, Jaboticabal, 2006.

CAPLINS SM; STEWARD FC. 1948. Efeitos do leite de coco no crescimento de explantes de raiz de cenoura. Science 108(2815):655–657.

CARRIJO, O. A.; LIZ, R. S.; MAKISHIMA, N. Fibra da casca de coco verde como substrato agrícola. Hortic. Bras. V. 20, n.4, 533-535. 2002.

CINTRA, F. L. D.; FONTES, H. R.; PASSOS, E. E. M. et al. (Ed.). Fundamentos tecnológicos para a revitalização das áreas cultivadas com coqueiro gigante no nordeste do Brasil. Aracaju: Embrapa Tabuleiros Costeiros, 2009. 232 p. p. 37-60

FLORES, S. M. P.; Alumina para utilização cerâmica, obtida a partir do rejeito de beneficiamento de caulim. In: 41º Congresso Brasileiro de Cerâmica, 1997, São Paulo. Cerâmica, 1997. v. 43.

IBGE (2016). Produção Agrícola Municipal. Disponível em: . Acesso em: 12/07/2019.

MARTINS, C. R.; JESUS Jr. L. A. Evolução da produção de coco no Brasil e o comércio internacional. Documentos 164. Embrapa Tabuleiros Costeiros, Aracaju. 2011.

MATHAI. P. M. Bast and other plant fibers. The Textile Institute. Cambridge: Woodhead Publishing Limited, 2005. p. 275-313.

NUNES, Maria Urbana Correa. Fibra da casca de coco: produto de grande importância para a indústria e para a agricultura. In. ARAGÃO, Wilson Menezes. Coco: pós-colheita. Brasília: Embrapa, 2002.

NUNES, Maria Urbana Correa: SANTOS, Júlio Renovato dos; SANTOS, Thiago Claiton dos. Tecnologia para biodegradação da casca de coco sem gerar outros resíduos. Aracaju: Embrapa Tabuleiros Costeiros, 2007.

PEARSALL J. (Ed.) 1999. Concise Oxford Dictionary. Tenth Edition. Clarendon Press, Oxford, UK. 1666 pp.

PRAKASH TN. 2000. Compost from coir pith and bonus of weed control. Honey Bee 11(2):10.

SCHWARTZ FILHO, Arliss José, 1971- S399l, Localização de indústrias de reciclagem na cadeia logística reversa do coco verde / Arliss José Schwartz Filho. – 2006.

ROSA, M. F.; BEZERRA, F. C.; CORREIA, D. et al. Utilização da casca de coco como substrato agrícola. EMBRAPA, Série Documentos 52. Fortaleza, 2002.

VAN DAM, J.E.G.; VAN DEN OEVER, M.J.A.; KEIJSERS, E.R.P. Production process for high density high performance binderless boards from whole coconut husk. Industrial crops and products.v.20, p.97-101, 2004.

WATT G. 1889. Um dicionário de produtos econômicos da Índia. Vol. I. Second Reprint. Cosmo Publishers, New Delhi, India. 559 pp.
Publicado
2021-04-02