POSSIBILIDADES PARA SE ADMINISTRAR A FUNÇÃO EDUCACIONAL NOS MUSEUS E CENTROS DE CIÊNCIAS

  • Antonio José Ornellas Farias Universidade Federal de Alagoas
Palavras-chave: museus e centro de ciências, administração, função educacional.

Resumo

Na divulgação e popularização das ciências, os museus e centro de ciências promovem uma interface entre os meios de produção de ciência e tecnologia e a sociedade. Procurando utilizar uma linguagem científica acessível em suas mensagens para criar impactos a uma predisposição e atitudes favoráveis que despertem e estimulem a curiosidade em relação ao saber científico. Acredita que, por esse canal interativo, possa despertar para a aprendizagem, uma vez que educação possa se realizar por toda mensagem expressa de forma organizada e em linguagem adequada para produzir mudanças nas atitudes das pessoas. Mostraremos nesse artigo que, a complexidade em administrar esses espaços passa por série de objetivos apresentados na constituição destas instituições para colocar em pratica seu plano de ação. Diante de uma diversidade de características de suas funções, por meio de seu acervo colocado para pesquisa e visitação da exposição, esses espaços conseguem contribuir para a cultura e desenvolvimento da ciência e da educação científica na sociedade.

 

Referências

ABCMC: Guia de Centros e museus de ciência do Brasil (2009). -- Rio de Janeiro: Associação Brasileira de Centros e Museus de Ciência : UFRJ. FCC. Casa da Ciência : Fiocruz. Museu da Vida, 2009. CDD: 50740981. ABCMC – Associação Brasileira de Centros e Museus de Ciência [www.abcmc.org.br • secretaria@abcmc.org.br].

ALBAGLI, S.(1996) Divulgação Científica: informação científica para a cidadania? Ci. Inf., Brasília, v. 25, n. 3, p. 396-404, set./dez.

ALDEROQUI, S. (1996), Museos y Escuelas: socios para educar, Paidós, Buenos Aires.

ALLARD, M.; BOUCHER, S.; FOREST, L. (1994) The museum and the school. McGill Journal of Education, v. 29, n.2, p.197-212.

AUSUBEL, D. P.; NOVAK, J. D. & HANESIAN, H. (1980). Psicologia educacional. Rio de Janeiro: Interamericana. Tradução para o português do original Educational psychology: a cognitive view. 625 p.

BAUER, M., PETKOVA, K. AND BOYADJIEVA, P. (2000). Public knowledge of and attitudes to science: Alternative measures that may end the "science war." Science, Technology, and Human Values 25:30-51.

BOTELHO, M.G.B. (2001). Museu e escola: continuando o debate a partir da educação em química; Atas do EPECODIM – Rio de Janeiro, Brasil.

CARDOSO,J.C. (2001). Informação,ciência e cotidiano: a divulgação científica e os museus de ciência e tecnologia. Atas - Trabalhos apresentados EPECODIM; .Rio de Janeiro, Brasil.

CAZELLI, S. et. al.(1999). Tendências pedagógicas das exposições de um museu de ciência. In: Moreira, M.A.; Ostermann, F. (Orgs.). Atas do II Encontro Nacional de Pesquisa em Ensino de Ciências. São Paulo: SBF, 1999.(CD-Rom, arquivo: g48.pdf).

FRIEDMAN, A. J (2002-a). Planejamento de um Centro Acadêmico para Formação de Recursos Humanos; Anais Seminário Internacional de Implantação de Centros e Museus de Ciência. Universidade Federal do Rio do Janeiro .Rio de Janeiro, Brasil.

GASPAR, A.; HAMBURGUER, W. H. (1998). “ Museus e centros de ciências, conceituações e propostas de um referencial teórico”. In: NARDI, Roberto (org). Pesquisas e ensino de física. Educação para a Ciência.

LÓPEZ, A. B. (2004). RELACIONES ENTRE LA EDUCACIÓN CIENTÍFICA Y LA DIVULGACIÓN DE LA CIENCIA. Revista Eureka sobre Enseñanza y Divulgación de las Ciencias, Vol. 1, Nº 2, 2004, pp. 70-86 ISSN 1697-011X.

MATOS, A. C. de (2000). Os Agentes e os Meios de Divulgação Cientifica e Tecnológica emPortugal no Século XIX. Revista Electrónica de Geografía y Ciencias Sociales. Nº 69 (29) Universidad de Barcelona [ISSN 1138-9788].

MORA, M. C. S. Diversos enfoques sobre as visitas guiadas nos museus de ciência. In: Diálogos & ciência: mediação em museus e centros de Ciência. Orgs: MASSARANI, Luisa, MERZAGORA, Matteo, RODARI, Paola. Rio de Janeiro: Museu da Vida/Casa de Oswaldo Cruz/Fiocruz; (2007).

MOREIRA, I.C. A inclusão social e a popularização da ciência e tecnologia no Brasil.Inclusão Social, 1 (2), 11-16, 2006.

MURRIELLO, S.; CONTIER, D.; KNOBEL, M.; TAVES, S.J. (2006) O nascimento do Museu de Ciências da UNICAMP: um novo espaço para a cultura científica. In: VOGT, C. (Org.). Cultura científica: desafios. São Paulo: EDUSP, 2006. p.199-231.

ORNELLAS FARIAS, A. J. Aprendizaje Significativo del Concepto de Energía, a partir de una Acción Integrada Escuela-Museo. Una Experiencia para la Alfabetización Científica en la Escuela vía Interacción con la Exposición Experimental de la Usina Ciencia . España. 2012. Tesis Doctoral - Universidad de Burgos; (2012).

UFRJ (2002). Implantação de Cento e Museus de Ciências: Anais Seminário Internacional de Centros e Museus de Ciências. ISBN 85-89084-01-9; 336p.

UNESCO (2000). Science for the twenty-first century. Paris.

Publicado
2018-10-15