Psicoterapias fenomenológico-existenciais e doença de Alzheimer: reflexões e possibilidades no tratamento da família e dos cuidadores da pessoa portadora de Alzheimer

  • luiz geraldo rodrigues gusmão Faculdade CESMAC do Agreste
  • yuri gabriel rodrigues gusmão Centro Universitário CESMAC - Psicologia

Resumo

O presente artigo pretende, através de pesquisa bibliográfica e de estudo de caso, provocar reflexões, a partir de produções da ciência psicológica com bases fenomenológico-existenciais, sobre o tratamento das pessoas envolvidas com a doença de Alzheimer. Sabe-se que a Psicologia Humanista e a Gestalt-terapia, apesar de apresentarem bases epistemológicas relativamente similares à proposta da psicoterapia fenomenológico-existencial, têm suas divergências relacionadas ao método de abordagem de seus psicoterapeutas. Sendo a doença de Alzheimer uma demência cada vez mais recorrente no mundo entre os idosos, a maior parte das abordagens psicológicas tenta se adaptar às novas demandas de seus clientes de acordo com seus arcabouços teóricos. Conclui-se que as abordagens apresentam similaridades no que tange ao tratamento dos familiares e cuidadores do doente. Ou seja, as abordagens focam-se muito na saúde psíquica das pessoas em volta do cliente, considerando a importância desses familiares e/ou cuidadores e que serão eles os responsáveis por possibilitar uma boa qualidade de vida ao portador de Alzheimer. Estudos sobre o tratamento do Alzheimer e a melhora do quadro clínico, nessas abordagens, são incipientes e reduzidos.

Biografia do Autor

luiz geraldo rodrigues gusmão, Faculdade CESMAC do Agreste
Graduado em Psicologia, Mestrado em Gestão Pública, Departamento de Direito na área de Psicologia Jurídica.
yuri gabriel rodrigues gusmão, Centro Universitário CESMAC - Psicologia
Graduando do curso de Psicologia do Centro Universitário CESMAC

Referências

BEZERRA, Márcia Elena Soares; BEZERRA, Edson do Nascimento. Aspectos humanistas, existenciais e fenomenológicos presentes na abordagem centrada na pessoa. NUFEN. v.4, n.2, jul. – dez., 21-36, 2012.

BRASIL, Mariana Costa; ANDRADE, Celana Cardoso.Reconfiguração de campo do familiar cuidador do portador de Alzheimer. Psicologia em Estudo, Maringá, v. 18, n. 4, p. 713-723, out./dez. 2013.

BRITO E SILVA, Rafaella; BOAVENTURA, Carolina Brum Faria. Psico-oncologia e gestalt-terapia: uma comunicação possível e necessária. Revista da Abordagem Gestáltica. XVII(1): 37-46, jan. – jun., 2011.

FONSECA, Afonso Henrique Lisboa da. O que chamamos de grupo? In: Grupo - fugacidade, ritmo e forma: processo de grupo e facilitação na psicologia humanista. São Paulo: Ágora, 1988.

FONSECA, Afonso Henrique Lisboa da. Experimentação fenomenológico existencial em Gestalt Terapia. Inédito. Maceió, 2010.

FONSECA, Afonso Henrique Lisboa da. A experiência e a metodologia gestalticas. Compreensão, implicação, gestaltificação, dialógica e grupos. Inédito. Maceió 2014.

FREITAS, Joanneliese de Lucas; STROIEK, Nutty Nadir; BOTIN,Débora. Gestalt-terapia e o diálogo psicológico no hospital: uma reflexão. Revista da Abordagem Gestáltica. XVI(2): 141-147, jul. – dez., 2010.

HOLANDA, Adriano Furtado de. Gestalt-terapia e abordagem gestáltica no Brasil: análise de mestrados e doutorados (1982 – 2008). Estudos e pesquisas em psicologia, UERJ, RJ, n. 1, ano 9, p. 98 – 123, 2009.

LIMA, Juliane Silveira. Envelhecimento, demência e doença de Alzheimer: o que a psicologia tem a ver com isso?Revista de Ciências Humanas, Florianópolis, EDUFSC, n. 40, p. 469-489, 2006.

MOREIRA, Virgínia. A Gestalt-terapia e a abordagem centrada na pessoa são enfoques fenomenológicos?Revista da Abordagem Gestáltica. XV(1): 3-12, jan. –jun., 2009.

NITRINI, Ricardo et al. Diagnóstico de doença de Alzheimer no Brasil. Arquivo Neuropsiquiatra, 63(3-A):720-727, 2005.

OLIVEIRA, Maria de Fátima et al. Doença de Alzheimer: perfil neuropsicológico e tratamento. Universidade Lusíada do Porto - Departamento de Psicologia, 2005.

SOARES, Flávio. Módulo II (demências). Maceió, AL: Instituto de Pesquisa em Saúde Mental, 2015.

VENTURA, Magda Maria. O estudo de caso como modalidade de pesquisa. SOCERJ;20(5):383-386, set./out. 2007.

Publicado
2017-07-30