LIBERDADE, DIREITO E MORALIDADE EM KANT

  • Hilda Maria Couto Monte

Resumo

Este artigo tem por finalidade discutir acerca da Moralidade e sua estreita relação com a Liberdade, o Direito e a Coerção, sob a visão do filósofo alemão Immanuel Kant, traçando diálogos com diversos pensadores do Direito e por fim, confrontando as noções de moralidade e lei do kantismo com o Neoconstitucionalismo, mostrando influências no Consequencialismo Jurídico e na obra de Hans Kelsen.

Referências

ALEXY, Robert. Direitos Fundamentais no Estado Constitucional Democrático: para a relação entre direitos do Homem. Revista de Direito Administrativo, Rio de Janeiro, v.217, p.55-66, jul./set,1999.

ALMEIDA, Gabriel Bertin de. Os princípios de justiça de John Rawls: o que nos faria segui-los? In: Cadernos de ética e filosofia política. nº 8, jan., 2006.

____________. Justiça como eqüidade: uma concepção política, não metafísica. Lua Nova [online]. 1992, n.25, pp. 25-59. ISSN 0102-6445.

BOBBIO, Norberto. Direito e Estado no pensamento de Emmanuel Kant. Brasília: UNB, 1984.

BRAHAMI, Frédéric. A Ciência da Natureza Humana: Consciência, razão, afeto na Idade Clássica In: PRADEAU, Jean François (Org.). História da Filosofia, Tradução de James Bastos Arêas, 2ª. Edição, Petrópolis: Editora VOZES, Rio de Janeiro: PUC-RIO, 2012.

BRITO, José Henrique Silveira de. Introdução à Fundamentação da Metafísica dos Costumes de I. Kant, Porto: Contraponto, 1994.

CATÃO, Adrualdo de Lima. Filosofia do Direito: para Concursos, Paulo Nicholas Nunes (Coord.), Rio de Janeiro: Forense, São Paulo: Método, 2014.

CATÃO, Adrualdo de Lima. BARROS, Caroline Maria Costa. ALMEIDA, Lívia Lemos Falcão de. Projeto PIBIC 2010/2011, Interpretação e Aplicação dos Direitos Fundamentais: Uma Abordagem Pragmática Comparativa entre o TJ/AL e o STF.

FERRAJOLI, Luigi. Constitucionalismo Garantista e Neoconstitucionalismo, Tradução de André Karam Trindade, In: Anais do IX Simpósio Nacional de Direito Constitucional.

GOMES, Alexandre Travessoni. O Fundamento de Validade do Direito – Kant e Kelsen, Belo Horizonte: Mandamentos, 2000.

HABERMAS, J. Direito e Democracia: entre facticidade e validade. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1997.

HEGEL, Georg Wilhelm Friedrich. Princípios da Filosofia do Direito. Trad. de Orlando Vitorino. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

____________. Filosofia da História, 2ª. Edição, Tradução Maria Rodrigues, Brasília: UNB, 1999.

HOLMES JR., Oliver Wendell. The Essential Holmes. Chicago: Chicago University Press, 1992.

KANT, Immanuel. Fundamentação da Metafísica dos Costumes. Tradução de Paulo Quintela. Lisboa: Edições 70, 1995.

____________. Crítica da Razão Prática, 3ª. Edição, Tradução Rodolfo Schaefer, São Paulo: Martin Claret (Coleção Obra Prima de cada autor), 2011.

_____________. A Religião nos Limites da Simples Razão, Lisboa, Edições 70, 1992.

KELSEN, Hans. A Teoria Pura do Direito. 4ª ed. São Paulo: Martins Fontes, 1995.

LACROIX, Jean. Kant e o Kantismo, Porto: Rés editor, 1989.

LEITE, Flamarion Tavares. 10 Lições sobre Kant, 8ª. Edição, Petrópolis-RJ: Vozes, 2014.

LEONI, Bruno. A Liberdade e a Lei: Os Limites entre a Representação e o Poder. 2ª. Edição, Tradução de Rosélis Maria Pereira e Diana Nogueira, São Paulo: Instituto Ludwig von Mises Brasil, 2010.

MARTINS, Nuno Orleans. A Ética Kantiana e o Espírito do Cristianismo, (Colecção: Artigos LUSOSOFIA), Porto-Portugal: LusoSofia Press - Universidade da Beira Interior- Covilhã, 2011.

MENEZES, Edmilson. História e Esperança em Kant, São Cristóvão-SE: Editora UFS, Fundação Oviêdo Teixeira, 2000.

NOVELLI, Pedro Aparecido. A crítica de Hegel ao conceito de lei em Kant. In: Revista Eletrônica Estudos Hegelianos. Ano 5, nº 9, Dezembro-2008: 101-116. Disponível em: < http://www.hegelbrasil.org/reh9/novelli.pdf>. Acesso em 25-06-2015.

PEGORARO, Olinto A. Ética e Justiça. 7.ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2002.

RADBRUCH, Gustav. Filosofia do Direito. Tradução de Marlene Holzhausen, (Coleção justiça e direito)

São Paulo: Martins Fontes, 2004.

RAWLS, John. Uma concepção kantiana de Igualdade. In: Veritas. V. 52, nº1, Porto Alegre, mar., 2007.

____________. Uma Teoria da Justiça. Trad. de Carlos Pinto Correia. Lisboa: Editorial Presença, 1993.

ROCHA, Rogério. Uma apreciação crítica a respeito dos princípios da Liberdade e da Diferença na obra “Uma Teoria da Justiça” de John Rawls, Disponível em:< http://jus.com.br/artigos/31069/uma-apreciacao-critica-a-respeito-dos-principios-da-liberdade-e-da-diferenca-na-obra-uma-teoria-da-justica-de-john-rawls >. Acesso em17-06-2015.

RUSS, Jacqueline. Pensamento ético contemporâneo. São Paulo: Paulus, 2006.

SALGADO, Joaquim Carlos. A Ideia de Justiça em Kant – Seu fundamento na liberdade e na igualdade. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 1986.

SALGADO, Ricardo Henrique Carvalho. Kant e Kelsen, In: Revista Brasileira de Estudos Políticos, Disponível em: <http://www.pos.direito.ufmg.br/rbepdocs/096343358.pdf>. Acesso em: 30-06-2015.

SARMENTO, Daniel. Por um Constitucionalismo Inclusivo: História Constitucional Brasileira, Teoria da Constituição e Direitos Fundamentais. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2010.

SCHNEIDER, Ana Paula. O conceito de liberdade na Teoria Política de Kant, Disponível em:< http://www.jurisway.org.br/v2/dhall.asp?id_dh=7614>. Acesso em 17-06-2015.

SILVA, José Afonso da Silva. Curso de direito constitucional positivo. 10. ed. revista. São Paulo: Malheiros Editores, 1995.

SIQUEIRA, Flávia Pollyana Dias. O princípio supremo da moralidade no pensamento de Immanuel Kant, Disponível em: <http://jus.com.br/artigos/29995/o-principio-supremo-da-moralidade-no-pensamento-de-immanuel-kant>. Acesso em 16-06-2015.

STRECK, Lênio Luiz. O que é isto – decido conforme minha consciência? 2ª. Edição, Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2010

VANCOURT, Raymond. Kant. Lisboa: Edições 70.

Publicado
2017-07-30