UM ESTUDO ACERCA DAS ESTRATÉGIAS EDUCATIVAS USADAS PELA ESCOLA PROFESSOR LUIZ ALBERTO DE MELO PARA A VISIBILIZAÇÃO DA CULTURA AFRODESCENDENTE

  • Thaysa de Oliveira Silva Faculdade CESMAC do Agreste

Resumo

RESUMO: Este artigo analisa as estratégias educativas utilizadas pela escola Professor Luiz Alberto de Melo para visibilizar a cultura afrodescendente em seu meio pedagógico e comunitário de modo a reconhecer e a valorizar a presença e a contribuição do povo negro na construção do Brasil, com o objetivo de fortalecer a identidade afrodescendente, na qual cada indivíduo possa reconhecer-se como co-autor(a) na compreensão dos seus direitos e na significação do espaço territorial em que vive. Realiza, ainda, uma reflexão sobre o Projeto Construindo a Identidade Afrodescendente, numa visão contributiva, que poderá servir de base para outras comunidades remanescentes de quilombos de modo a subsidia-las na valorização e visibilização da negritude nos contextos político, social e econômico da sociedade brasileira.

PALAVRAS-CHAVE: Fortalecimento da identidade negra. Projeto Construindo a Identidade Afrodescendente. Lei 10.639/2003.

Este artigo analisa as estratégias educativas utilizadas pela escola Professor Luiz Alberto de Melo para visibilizar a cultura afrodescendente em seu meio pedagógico e comunitário de modo a reconhecer e a valorizar a presença e a contribuição do povo negro na construção do Brasil, com o objetivo de fortalecer a identidade afrodescendente, na qual cada indivíduo possa reconhecer-se como co-autor(a) na compreensão dos seus direitos e na significação do espaço territorial em que vive. Realiza, ainda, uma reflexão sobre o Projeto Construindo a Identidade Afrodescendente, numa visão contributiva, que poderá servir de base para outras comunidades remanescentes de quilombos de modo a subsidia-las na valorização e visibilização da negritude nos contextos político, social e econômico da sociedade brasileira.

Referências

AVELAR, Christiane Pinheiro dos Reis Calil; VALENTIM, Silvani dos Santos. Cultura afro-brasileira e educação: o processo de implementação da lei 10.639/2003 nas escolas públicas de Belo Horizonte. Disponível em: http://www.senept.cefetmg.br/galerias/Anais_2010/Artigos/GT9/CULTURA_AF RO-BRASILEIRA.pdf. Acesso em: 15 de Junho de 2016.

ALVES, Roberta de Souza. Ensino de história e cultura afro-brasileira e africana: da lei ao cotidiano escolar. Roberta de Souza Alves. Unesp-Bauru, 2007. 74p. Acesso em 8 de Junho de 2016.

BENCINI, Roberta. Educação não tem Cor. Revista Nova Escola. Editora: Abril. Nov. de 2004. Disponível em: https://novaescola.org.br/conteudo/410/educacao-nao-tem-cor . Acesso em: 8 de Junho de 2016.

BORGES, Elisabeth Maria de Fátima. A Inclusão da História e da Cultura Afro- brasileira e indígena nos Currículos da Educação Básica. Rio de Janeiro, 2010. Disponível em: http://www.revista.ueg.br/index.php/temporisacao/article/viewFile/21/28. Acesso em: 8 de Junho de 2016.

BRASIL, Lei 10.639, de 9 de Janeiro de 2003. Altera a Lei 9.394/96 (LDB), de 20 de Dezembro. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2003/L10.639.htm . Acesso em: 2 de Junho de 2016.

.Parâmetros Curriculares Nacionais de Educação para temas transversais: pluralidade cultural. Brasília (DF): MEC, 1997.

COSTA, Raphael Luiz Silva da; DUTRA, Diego França. A lei 10639/2003 e o ensino de Geografia: representação dos negros e África nos livros didáticos. 10º ENCONTRO. Disponível em: <http://www.agb.org.br/XENPEG/artigos/GT/GT3/tc3%20(12).pdf> . Acesso em: 3 de Junho de 2016.

ERIKSON, Erik H. Identidade, Juventude e Crise. Tradução Álvaro Cabral. 2º ed. Rio de Janeiro: Zahar Editores 1976.

LEMOS, Fábio Ricardo Mizuno. História e Cultura Afro-brasileira: alguns subsídios. Disponível em: http://www.efdeportes.com/efd119/historia-e-cultura-afro-brasileira-alguns-subsidios.htm. Acesso em: 19 de Junho de 2016.

MUNANGA, Kabengele. Negritude. Usos e sentidos. 2ª ed. São Paulo: Ática, 1996.

NASCIMENTO, Alexandre do. Negritude e cidadania: o movimento dos cursos pré-vestibulares populares. In: ROMÃO, Jeruse. Histórias da educação do negro e outras histórias. Brasília: Secad, 2005. p 139-156.

NASCIMENTO, Elisa Larkin. O Sortilégio da cor: identidade, raça e gênero no Brasil. São Paulo. Summus, 2003. Disponível em https://books.google.com.br/books/about/O_sortil%C3%A9gio_da_cor.html?id=-ZAW8BhVcTQC&hl=pt-BR. Acesso em: 14 de Junho de 2016.

_____________, Eliza Larking. Cultura em Movimento: Matrizes africanas e ativismo negro no Brasil. São Paulo: Selo Negro, 2008.

PEREIRA, Amauri M. História e cultura afro-brasileira: parâmetros e desafios. Revista Espaço Acadêmico, n. 36, maio, 2004.

PROJETO Construindo a Identidade Afrodescendente. Arapiraca-Alagoas, Vila Pau D’arco.

SOUZA, Eliane G. R. da Silva; FERRAZ, Michelle R.; CHAVES, Walmer M. História e Cultura Afrobrasileira (lei nº 10.639/2003): Um desafio para a educação física escolar. In: RIBEIRO, Tomas Leite (Org.). XI ENCONTRO FLUMINENSE DE EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR, Niterói, RJ, 2006. Anais...Niterói: Universidade Federal Fluminense, Departamento de Educação Física e Desportos, p. 435-443, 2007.

SOUZA, Manoel Messias de; JESUS, Maria de Fátima de; CRUZ, Tatiane dos Santos. História e cultura afro-brasileira na escola: Lei 10.639/03. Revista Eletrônica da Faculdade José Augusto Vieira, n. 07, Setembro, 2012.

Publicado
2018-02-15