MANEJO DO PACIENTE COM HIPOSSALIVAÇÃO/XEROSTOMIA DECORRENTE DO USO DE FÁRMACOS UTILIZADOS CRÔNICAMENTE

  • Fernanda Braga Peixoto CESMAC

Resumo

A saliva produzida de forma satisfatória mantém a saúde e a integridade da cavidade bucal, auxilia na formação e deglutição do bolo alimentar, umedece os tecidos da cavidade oral, facilita a fonética, protege os dentes e a mucosa bucal e desempenha atividade antibacteriana. É formada pelas glândulas salivares maiores e menores e composta basicamente por macromoléculas e fluidos. A redução do fluxo salivar causa desconforto, afeta a qualidade de vida, tem como sintomatologia a sensação de boca seca, conhecida como xerostomia. Esta condição decorre de distúrbios neurológicos, hormonais, doenças autoimunes e, principalmente, pelo uso crônico de medicamentos e isto despertou o interesse para a realização desta revisão de literatura. Portanto este trabalho teve como objetivo realizar uma revisão de literatura sobre os fármacos de uso crônicos mais comumente utilizados que podem induzir a hipossalivação/xerostomia e descrever o manejo adequado do portador desta condição. O levantamento bibliográfico foi feito em bases eletrônicas como SciELO, Bireme, MedLine e Lilacs. Para diminuir os efeitos da xerostomia e hipossalivação, tratamentos paliativos, que estimulam a produção de saliva e substitutos salivares são utilizados, sendo imprescindível que o cirurgião-dentista conheça o tema para o adequado manejo de seus pacientes.

Publicado
2015-11-12