LUTO ANTECIPATÓRIO À LUZ DA GESTALT-TERAPIA

  • Amanda Maciel do Nascimento Barroca
  • Nayara Gomes de Melo Lima
  • Roberto Lopes Sales

Resumo

O luto pode ser definido como um conjunto de reações diante da perda de algo ou de alguém. O luto antecipatório é a ciência que trata do comportamento de indivíduos que estão sofrendo com a perda de um ente moribundo ou do próprio enfermo. Nesse sentido, o presente trabalho tem como objetivo propor uma reflexão no processo de luto antecipatório sob a perspectiva da Gestalt-Terapia, buscando apontar questões fundamentais referentes as suas fases e características, a fim de demonstrar e entender a relevância tanto dos profissionais de psicologia e áreas correlatas quanto das pessoas que vivenciam ou presenciam o processo antecipado da morte. Para isso, foi realizado um estudo exploratório em livros, artigos e pesquisas acadêmicas, onde observou-se que a Gestalt-Terapia auxilia o psicólogo no manejo das questões trazidas pelos clientes acerca do luto pré-morte e como abordagem essencial no trabalho de aceitação e ressignificação em torno da temática junto ao cliente e a família.

 

Referências

ANDRADE, C. A vivência do cliente no processo psicoterapêutico: Um estudo fenomenológico na Gestalt-Terapia. 2007. Dissertação (Mestrado em Psicologia) – Universidade Católica de Goiás, Goiânia – GO.
BARBOZA, K. C. Diante a terminalidade: reflexões da ACP (Abordagem centrada na pessoa). 2017. 30. Trabalho de Conclusão de Curso de Psicologia – Anhanguera Educacional, Leme, 2017.
BROMBERG, M. H. P. F. et al. Vida e morte: laços da existência. São Paulo: Casa do Psicólogo, 1996.
CARDOSO, E. A. O.; SANTOS, M. A. Luto antecipatório em pacientes com indicação para o Transplante de Células-Tronco Hematopoéticas. Rev. Ciência & Saúde Coletiva, São Paulo, v. 18, n.9, 2013. pp. 2567-2575
D’ACRI, G.; LIMA, P.; ORGLER, S. Dicionário de Gestalt-Terapia: “Gestaltês”. 2ª Ed. Summus Editorial, 2012.
FRANCO, M. H. P. Luto antecipatório em cuidados paliativos. In: Franco, M. H. P., & Polido, K. K. Atendimento psicoterapêutico no luto, São Paulo, 2014, pp. 27-35.
FRANCO, M. H. P. Luto em cuidados paliativos. In Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (org.), Cuidados Paliativos, Cadernos Cremesp, São Paulo, 2009. pp. 559-570.
GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4ª Ed. São Paulo: Atlas S/A, 2002.
GINGER, S. Gestalt uma terapia de contato. 4ª Ed. Summus Editorial, 1995.
GUEDES, I. A. A. A espiritualidade frente ao processo final de vida de um ente querido: reflexões sobre os significados atribuídos pelo familiar. Dissertação de Mestrado – PUC-SP, São Paulo, 2018.
HEERDT, M. L.; LEONEL, V. Metodologia científica e da pesquisa. (5ª ed). Palhoça: UnisulVirtual, 2007.
KÓVACS, M. J. Morte e desenvolvimento humano. 3ªed. São Paulo: Casa do Psicólogo. 1992.
KREUZ, G.; TINOCO, V. O luto antecipatório do idoso acerca de si mesmo. Revista Kairós Gerontologia. São Paulo (SP), Brasil, v. 19 (Nº especial 22, “Envelhecimento e Velhice”), 2016. P. 109-133.
KÜBLER-ROSS, E. Sobre a morte e o morrer. 9ª Ed. São Paulo: Martins Fontes. 2009.
LIMA, P. A criatividade na Gestalt-terapia. Rev. Estud. pesqui. psicol. v.9 n.1 Rio de Janeiro, 2009.
MARTINS, M.; LIMA, P. V. de A. Contribuições da Gestalt-Terapia para os enfrentamentos das perdas e da morte. Revista IGT na Rede, v.11, nº 20, 2014, p. 3 - 39.
MESQUITA, A.A. B., MARANGÃO, V.P. A equipe multiprofissional diante do processo de morte e morrer dacriança hospitalizada [monografia]. Campos Gerais: Faculdade de Ciências da Saúde de Campos Gerais; 2008.
NETO, J.; LISBOA, C. Doenças associadas ao luto antecipatório. Rev. Psicologia, Saúde & Doenças, 18(2), 308-321, 2017
OLIVEIRA, J.; R. LOPES. O processo de luto no idoso pela morte de cônjuge e filho. Psicologia em Estudo, Maringá, v. 13, n. 2, p. 217-221, abr./jun. 2008.
PERLS, Fritz. A Abordagem Gestáltica e Testemunho Ocular Da Terapia. 2ª edição. Rio de Janeiro, Editora Zahar, 1981.
RANDO, T. A. Dimensões clínicas do luto antecipatório - teoria e práticas em trabalhar com a morte de seus entes queridos e seus cuidadores. Illinois: Research Press. 2000.
RIBEIRO, J. Gestalt-Terapia: Refazendo um Caminho. São Paulo: Summus Editorial. 1985
RIBEIRO, J. Vade-mécum de Gestalt-Terapia. São Paulo: Summus, 2006.
RODRIGUEZ, M. I. F. Um olhar para a despedida: um estudo do luto antecipatório e sua implicação no luto pós-morte. 2014. Dissertação de Mestrado – PUC-SP, São Paulo, 2014.
SANTOS, R.; YAMAMOTO, Y.; CUSTÓDIO, L. “Aspectos Teóricos sobre o processo de luto e a vivência do luto antecipatório”. Disponível em: Acesso em: 31/03/2019.
SANCHEZ, A.P.; MACHADO, F.C. A neurose à luz da Gestalt-Terapia: uma reflexão sobre o ajustamento (dis) funcional do homem. Revista UNINGÁ Review, Maringá – Paraná, vol.29, n.2, pp. 87 - 92 (Jan – Mar 2017)
SILVEIRA, T. M. Caminhando na corda bamba: a gestalt-terapia de casal e de família. IGT na rede, Rio de Janeiro, Vol. 2, No.3. 2005. Disponível em: http://www.igt.psc.br/ojs/viewarticle.php?id=48&layout=html. Acesso em: 14 out 2018.
TENÓRIO, C. O Conceito de Neurose em Gestalt-terapia. Universitas Ciências da Saúde vol. 1 n. 2, p. 239-251, 2003. Disponível em . Acesso em 19 abr 19.
WORDEN, J.W. Terapia do luto: Um manual para o profissional da saúde mental. Porto Alegre: Artes Médicas, 1998.
Publicado
2019-08-19