OS DONOS DO RIO: Do processo de exploração à emancipação do rio Jutaí (1940 a 1970)

  • Jucimar Ribeiro Santa Luzia Universidad Autónoma de Asunción
  • Esdras Carlos de Lima Oliveira Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas
Palavras-chave: Ocupação territorial, seringais, Rio Jutai

Resumo

Esse artigo tem como intenção, abordar o processo de exploração da calha do Rio Jutaí, a partir do monopólio da borracha, no período que vai da década de 1940 a 1970. Salientamos que esse contexto é distinto daquele do final do século XIX, quando se iniciou a produção do látex em terras da Amazônia. O artigo está dividido em temas que falam do procedimento dessa dinâmica de exploração comercial dessa matéria prima pelo governo brasileiro na região Amazônica. Trata também da situação dos trabalhadores desses seringais, sobretudo dos nordestinos. Mostra o ressurgimento do mercado da borracha e o primeiro declínio desse comércio; a constituição dos seringais nos rios prósperos, pelo governo, em parceria com os coronéis de barranco. E finalmente, a difícil abertura dos portões invisíveis do rio e a criação da sede do município de Jutaí, em 1955. No ensejo mencionaremos um evento ocorrido na “Localidade” do Japó, conhecido como “a revolta dos rendeiros” contra os cobradores de impostos dos seringalistas.  

 

Referências

ALBERTI, V. História oral: a experiência do CPDOC. Rio de Janeiro: Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil, 1989. 202 p.
BELTRÃO, Otto e Francisco Beltrão. Enciclopédia da Amazônia Brasileira: Realidade do Amazonas. Manaus: Atlas, 1995.

BENCHIMOL, Samuel. Amazônia. Formação Social e Cultural. Manaus: Valer/editora da Universidade do Amazonas, 1999.

_____________. Romanceiro da batalha da borracha. Manaus: Impressa Oficial, 1992.

DIAS, Edinea Mascarenhas. A ilusão do Fausto: Manaus – 1890-1920. Manaus: Valer, 1999.

GONÇALVES, Márcio Alexandre. As disputas políticas que ocasionaram a criação e as transferências de sede do município de Jutaí (1955- 1970). Tefé, 2010.

PORRO, Antonio. O povo das Águas: ensaios de etno-história amazônica. São Paulo: Vozes. Eusp, 1996.
SANTOS, Francisco Jorge dos. Além da conquista: guerras e rebeliões indígenas na Amazônia pombalina. 2.ed. Manaus: Editora da Universidade do Amazonas, 2002.

SANTOS, Milton. As cidadanias mutiladas. In: Preconceito. São Paulo: Secretaria da Justiça e da Defesa da Cidadania do Estado de São Paulo, 1997.

SANTOS, Roberto. História econômica da Amazônia (1800-1920). São Paulo: T. A. Queiroz, 1980.

SOUSA, Augusto Cabrolié Gonçalves de. História de Tefé. Manaus: Imprensa Universitária UFJF-MG/SEDUC-AM.,1989.

VALÉRIA, Martins Lippi e Célia Siebert. Amazonas: História. São Paulo: FTD, 2001. Pp 89, 105.

VARALDA, Paulo Jasiel Castigio. Relatório diagnóstico Socioeconômico: Levantamento de dados socioeconômicos. Jutaí: RDS – CUJUBIM, julho, 2005.

WEINSTEIN, Barbara. A Borracha na Amazônia: expansão e decadência, 1850-1920. Tradução Lólio Lourenço de Oliveira. São Paulo: Huctec: Editora da Universidade de São Paulo, 1993.
Publicado
2019-08-19