IDOSO NO TRABALHO

A REPRESENTAÇÃO SOCIAL DE PROFISSIONAIS DE RECURSOS HUMANOS

  • Lorena Pam Linhares Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública
  • Carolina Villa Nova Aguiar Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública
Palavras-chave: mercado de trabalho, idosos, representação social, profissionais de RH, inclusão

Resumo

O número de idosos tem apresentado um crescimento significativo no Brasil nos últimos anos. Esse fenômeno se tornou um desafio para as organizações no que se refere a práticas de inclusão desse grupo ao mercado de trabalho. Considerando que os profissionais de Recursos Humanos (RH) são, muitas vezes, corresponsáveis pela inclusão (ou exclusão) de trabalhadores, acredita-se que conhecer as suas concepções sobre o idoso no trabalho pode contribuir para um maior entendimento acerca dos entraves para uma inclusão mais efetiva. Nesse sentido, o estudo tem como objetivo primário identificar a representação social (RS) dos profissionais de RH sobre o idoso no mercado de trabalho, e como objetivo secundário levantar os desafios apontados por profissionais de RH para contratação de idosos. Trata-se de um estudo empírico de caráter qualitativo, descritivo e de corte transversal. A amostra foi composta por 29 profissionais de RH. O instrumento utilizado foi um questionário contendo uma questão de evocação livre de palavras e uma questão aberta. Os dados coletados foram submetidos às análises lexicográfica e de conteúdo temática. Os resultados apresentados evidenciaram que a RS dos profissionais de RH é composta por características que valorizam a experiência dos mais velhos, mas também é permeada por preconceitos.

Biografia do Autor

Carolina Villa Nova Aguiar, Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública

Doutora em Psicologia pela Universidade Federal da Bahia, na linha de pesquisa Indivíduo e Trabalho: processos microorganizacionais (2016). Mestre em Psicologia pela Universidade Federal da Bahia (2012). Graduada em Psicologia pela Universidade Federal da Bahia (2009) e em Administração de Empresas pela Faculdade Ruy Barbosa - Devry (2015). Líder do Núcleo de Estudos em Processos Psicossociais e Trabalho (NEPPT/EBMSP) e Pesquisadora nos grupos de pesquisa Indivíduo, Organização e Trabalho (UFBA) e Pró-Ensino na Saúde (EBMSP). Professora Adjunta no curso de psicologia da Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública (EBMSP) e professora nível Doutor II no curso de administração da Faculdade Ruy Barbosa - Wyden. Áreas de interesse de pesquisa: Interfaces entre o trabalho e a família; Vínculos organizacionais; Cultura organizacional; Estratégias de enfrentamento; Indicadores de saúde mental e adoecimento do trabalhador. 

Referências

Camargo, B. V., Contarello, A., Wachelke, J. F. R., Morais, D. X. & Piccolo, C. (2014). Representações Sociais do Envelhecimento entre Diferentes Gerações no Brasil e na Itália. Psicologia em Pesquisa-UFJF, 8(2), 179-188. doi: 10.5327/Z1982-1247201400020007
Couto, M. C. P. P., Koller, S. H., Novo, R., & Soares, P. S. (2009). Avaliação de discriminação contra idosos em contexto brasileiro - ageismo. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 25(4), 509-518. doi: 10.1590/S0102-37722009000400006
Debert, G. (2004). A reinvenção da velhice: Socialização e Processos de Reprivatização do Envelhecimento. São Paulo: Editora as Universidade de São Paulo: Fapesp.
Jodelet, D. (1989). Representações sociais: um domínio em expansão. Paris: PUF, 31-61. Tradução: Tarso Bonilha Mazzotti. Revisão Técnica: Alda Judith Alves- Mazzotti. UFRJ- Faculdade de Educação, dez. 1993.
Ferreira, A. B. H. (1999). Novo Aurélio Século XXI: o dicionário da língua portuguesa. 3ª ed. totalmente rev. e ampl. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.
Ferreira, O., Maciel, S., Silva, A., Sá, R., & Moreira, M. (2010). Significados atribuídos ao envelhecimento: idoso, velho e idoso ativo. Psico-USF, 15(3),357-364.doi: 10.1590/S1413-82712010000300009
França, L. H. F. P., Siqueira-Brito, A. R., Valentini, F., Vasques-Menezes, I., &Torres, C. V. (2017). Ageismo no contexto organizacional: a percepção de trabalhadores brasileiros. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, 20(6), 762-772.doi: 10.1590/1981-22562017020.170052
Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2018). Projeções e estimativas da população do Brasil e das Unidades da Federação. Recuperado de https://www.ibge.gov.br/apps/populacao/projecao. Acesso em: 18 de setembro de 2018.
Lei n. 10.741, de 01 de outubro de 2003 (2003). Dispõe sobre o Estatuto do Idoso e dá outras providências. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2003/l10.741.htm. Acesso em: 20 de agosto de 2018.
Machado, L. B., & Aniceto, R. A. (2010) Núcleo central e periferia das representações sociais de ciclos de aprendizagem entre professores. Ensaio: aval. pol. públ. Educ., Rio de Janeiro, 18(67),345-364.
Magalhães, M.(2008). A discriminação do trabalhador idoso - responsabilidade social das empresas e do estado. Rev. Trib. Reg. Trab. 3ª Reg., Belo Horizonte, 48(78),31-43.
Melo, E. A. de A., Paz, M. G. T., & Almeida, A. M. O. (2015). Representação social de vínculo do trabalhador com organização. In: Taveira, I. M. R., Limongi-França, A. C., &Ferreira, M. C. (Orgs.). Qualidade de vida no trabalho: estudos e metodologias brasileiras. Curitiba, PR: CRV.
Organização Mundial de Saúde (2005). Envelhecimento ativo: uma política de saúde. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde. Recuperado em de bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/envelhecimento_ativo.pdf. Acesso em: 23 de agosto de 2018.
Paolini, K. (2016). Desafios da inclusão do idoso no mercado de trabalho. Revista Brasileira de Medicina do Trabalho, 14(2), 177-182. doi: 10.5327/Z1679-443520162915.
Paula, M. F. (2016). Os idosos do nosso tempo e a impossibilidade da sabedoria no capitalismo atual. Serviço Social & Sociedade,126, 262-280. doi: 10.1590/0101-6628.068.
Sá, C. (1996). Núcleo central das representações sociais. Petrópolis, RJ: Vozes.
Saraiva, L. A. S., Pinto, E. R. O., & Eluar, J. (2015). Representações sociais do trabalho de voluntários de minas gerais. In: Taveira, I. M. R., Limongi-França, A. C., & Ferreira, M. C. (Orgs.). Qualidade de vida no trabalho: estudos e metodologias brasileiras. Curitiba, PR: CRV.
Schneider, R.,& Irigaray, T. (2008). O envelhecimento na atualidade: aspectos cronológicos, biológicos, psicológicos e sociais. Estudos de Psicologia (Campinas), 25(4), 585-593. doi: 10.1590/S0103-166X2008000400013
Silva, L. (2008). Da velhice à terceira idade: o percurso histórico das identidades atreladas ao processo de envelhecimento. História, Ciências, Saúde-Manguinhos, 15(1),155-168. doi: 10.1590/S0104-59702008000100009
Silva, T., Veloso, A., & Silva, I. (2017). Idade, emprego e gestão de recursos humanos: um estudo em PME portuguesa. Revista Psicologia Organizações e Trabalho,17(4), 218-225. doi: 10.17652/rpot/2017.4.13894
Siqueira-Brito, A. R., França, L. H. F. P., & Valentini, F. (2016). Análise fatorial confirmatória da Escala de Ageismo no Contexto Organizacional. Avaliação Psicológica, 15(3), 337-345. doi: 10.15689/ap.2016.1503.06
Veloz, M., Nascimento-Schulze, C., & Camargo, B. (1999). Representações sociais do envelhecimento. Psicologia: Reflexão e Crítica, 12(2), 479-501. doi: 10.1590/S0102-79721999000200015.
Publicado
2019-12-28