MOTIVAÇÃO: confluências e divergências nas abordagens teóricas

  • Everaldo Lauritzen Lucena Filho Faculdade Pitágoras
Palavras-chave: Motivação, Comportamento, Necessidades

Resumo

O fenômeno da Motivação tem sido reconhecido e problematizado por distintos pesquisadores nas mais diversas áreas de conhecimento. Mediante a complexidade do objeto em questão, debruçar-se sobre a temática revela que, apesar dos grandes esforços dos estudiosos que desse tema se ocuparam, a motivação não cansa de não se inscrever, ganhando sempre novas discussões. É nesse contexto que presente artigo busca promover um apanhado geral sobre principais teorias a respeito da motivação, descrevendo o processo histórico dos estudos sobre ela e apontando os pontos de convergência e divergências dos autores. Foi utilizada a revisão bibliográfica para a coleta de dados e pode-se perceber que independente do posicionamento epistemológico da teoria a motivação é classificada como a força que impulsiona os indivíduos a agir de determinada maneira ou o que os predispõe a um comportamento específico, tal impulso pode ser provocado por um estímulo externo (provindo do ambiente) ou mesmo ser engendrado internamente nos processos mentais do indivíduo.

 

Referências

Archer ER. O mito da motivação. In: Bergamini CW, Coda R, organizadores. Psicodinâmica da vida organizacional: motivação e liderança. São Paulo (SP): Pioneira 1990. p. 3-24.

Bandura, A. (1997). Self-efficacy: the exercise of control. New York: Freeman

Bergamini CW. Motivação nas organizações. 4a. ed. São Paulo: Atlas; 1997.

Borges, L.O. & Alves Filho, A. A mensuração da motivação e do significado do trabalho. In. Estudos de Psicologia 2001, 6 (2), 177-194.

Bowditch, James; Buono, Anthony. (1992). Elementos de comportamento organizacional. São Paulo: Pioneira.

Boruchovitch, E. (1995). A identificação e o estudo das variáveis associadas ao fracasso escolar brasileiro. Projeto de pesquisa (CNPq - processo No. 300162/95-2). Faculdade de Educação, Departamento de Psicologia Educacional, Universidade Estadual de Campinas. Campinas (SP).

Bzuneck, J. A. (2004). A motivação do aluno orientado a metas de realização. In: Boruchovitch, E. & Bzuneck, J. A. (org.) A motivação do aluno: contribuições da psicologia contemporânea. Petrópolis (RJ): Vozes.

Chiavenato, I. Gestão de pessoas: o novo papel dos recursos humanos nas organizações. Rio de Janeiro: Campus, 1999.

Chiavenato, Idalberto. (2001). Teoria Geral da Administração. vol I. 6ª ed. Ver. e atualizada. 4ª Reimpressão. Rio de Janeiro: Elsevier.

Cunha M.; Rego A.; Cunha R.; Cardoso C. (2004). Manual de comportamento organizacional e gestão. 3ª ed. Lisboa: Editora R H, 103-119.

Guimarães, S. E. R (2004). Motivação intrínseca, extrínseca e o uso de recompensas em sala de aula. In: Boruchovitch, E., & Bzuneck, J. A. (Orgs), Motivação do Aluno: Contribuições da Psicologia Contemporânea. Petrópolis (RJ): Vozes.

Gottfried, A. E. (1985). Academic intrinsic motivation in elementary and junior high school students. Journal of Educational Psychology, 77(6), 631-645.

Hersey, P.; Blanchard, K. H. (1986). Psicologia para administradores: as teorias e as técnicas de liderança situacional. São Paulo: EPU.

Marras, Jean Pierre. (2000). Administração de Recursos Humanos: do Operacional ao estratégico. São Paulo: Futura.

Maslow AH. Introdução à Psicologia do Ser. Rio de Janeiro: Eldora do Tijuca, 1968.

Maslow, Abraham H. (1974). Eupsychian management: a journal.17 ed. Illinois-EUA: Richard Irwin.

McClelland, D. C. (1953). The achievement motive. New York: Appleton Century Crofts.

McClelland, David. (1967). Personality. New York: Holt, Rhinehart and Winston.

McClelland, David. (1973). Testing for competence rather than for “intelligence”. American Psycologist, p. 1-14, jan.

Murray EJ. Motivação e Emoção. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 1986.

Neves, Edna Rosa Correia. (2002). As orientações motivacionais e a crenças sobre inteligência, esforço e sorte de alunos do ensino fundamental. Dissertação (mestrado) Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Educação Campinas (SP).

Perez-Ramos, J. Work motivation: theoretical approaches . Psicologia USP, São Paulo, 1(2): 127 – 140, 1990.

Pontes, E. A. S. (2018). A Teoria dos Jogos: Conflito e Colaboração. RACE-Revista da Administração, 1, 46-53.

Ryan, R. M. & Deci, E. L. (2000). Self-determination theory and the facilitation of intrinsic motivation, social development, and well-being. American Psychologist, 55(1), 68-78.

Sampaio, J.R. O Maslow desconhecido: uma revisão de seus principais trabalhos sobre motivaçãoIn: R.Adm., São Paulo, v.44, n.1, p.5-16, jan./fev./mar. 2009.

Tandin et al. O Conceito de motivação humana na teoria das relações humanas In: Maringa Management:Revista de Ciências Empresariais, v. 2, n.1, p. 40-47, jan./jun. 2005.

Vergara, S. C. (2004). Projetos e Relatórios de pesquisa em Administração. 5ª ed. São Paulo: Atlas: 2004 ISBN – 85-224-3658-4.

Weiner, B. (1985). An attributional theory of achievement motivation and emotion. Psychological Review, 92(4), 548-573.

Publicado
2019-11-02