REVENDO A EDUCAÇÃO DE ADULTOS

  • Ijanira Nazaré de Souza
  • Irene da Silva Benathar
Palavras-chave: educação de adulto, analfabetismo, cognição, Andragogia

Resumo

O estudo aqui proposto observa a condição da educação de adultos, nota-se que há inúmeros entraves que passam os indivíduos para o acesso e a manutenção na escola. Em suma, aborda-se o índice do analfabetismo que apresenta porcentagem alta no Brasil, quanto a questão do cognitivo do adulto há situações em que as atividades mentais ( atenção, raciocínio, memória) do aluno  apresentam dificuldade. A pesquisa trata da Andragogia que se diferencia da Pedagogia por ter o adulto como foco. A investigação pautou-se nas concepções construtivistas onde as ideias de Jean Piaget e Paulo Freire  manifestam-se e  foi realizada a pesquisa bibliográfica para encontrar  as respostas, as  fontes da pesquisa baseiam-se Moacir Gadotti, Eglê Franchi, Rodolfo Augusto  Schmit. O resultado encontrado foi que  a educação de adultos apresenta dificuldades na erradicação do analfabetismo, na cognição do aluno e o pouco espaço da Andragogia.

 

Referências

Apostolico, C. (2014). Andragogia: Um Olhar Para O Aluno Adulto. Caleidoscópio, 1(3), 44-54.

Chakur, C. R. D. S. L. (2015). A desconstrução do construtivismo na educação: Crenças e equívocos de professores, autores e críticos.

Coelho, M. J. (2016). Princípios da andragogia como ferramenta para a criação de um ambiente transformador nas organizações.

da Silva, A. B., Marinho, G. S., & Lima, M. A. M. (2017). PRODUTIVIDADE ORGANIZACIONAL: ESTRATÉGIAS DE MELHORIA COM AS PRÁTICAS DO PEDAGOGO ORGANIZACIONAL. Revista Expressão Católica, 4(2).

França, L. H., & Stepansky, D. V. (2016). Educação permanente para trabalhadores idosos-o retorno à rede social. Boletim Técnico do Senac, 31(2), 41-50.

Franchi. E. (2012). Pedagogia de alfabetizar letrando.: da oralidade à escrita.São Paulo,Cortez.

Freire, P. (2014). Educação e mudança. Editora Paz e terra.

Filatro, A. (2015). Módulo 1-andragogia.

Filipin, G., de Vargas, L. D. S., Nunes, T., & Mello-Carpes, P. (2016). FORMAÇÃO CONTINUADA EM NEUROEDUCAÇÃO: PERCEPÇÃO DE DOCENTES DA REDE BÁSICA DE EDUCAÇÃO SOBRE A IMPORTÂNCIA DA NEUROCIÊNCIA NOS PROCESSOS EDUCACIONAIS. CATAVENTOS-Revista de Extensão da Universidade de Cruz Alta, 1(8).

Gadotti, M. (2016). Boniteza de um sonho-Aprender-e-ensinar com sentido.
Haddad, S., & Siqueira, F. (2016). Analfabetismo entre jovens e adultos no Brasil. Revista Brasileira de Alfabetização, 2(1).

Leão, M. A. B. G., Pereira, M. M. C. M., de Sousa Almeida, R., de Melo, S. F., & Audi, W. F. (2015). Aprendizagem e metacognição do adulto: panorama de estudos e pesquisas. Ciências & Cognição, 20(1).

Loch, Jussara Margareth de Paula (2009). EJA: planejamento, metodologias e avaliação, Porto Alegre, Medicação, 2009.
Morin,E . (1999). O pensar complexo e a crise da modernidade, Rio de Janeiro, Garamond.
Martins, E. (2015). Educar adultos maiores na área da educação social: a intergeracionalidade numa sociedade para todas as idades. Inter-ação, 40(3), 665-686.

Martins, R. M. K. (2013). Pedagogia e andragogia na construção da educação de jovens e adultos. Revista de Educação Popular, 12(1).

Munari, Alberto (2010). Jean Piaget. Recife, Editora Massangana.

de Castro Pereira, D. S. (2017). A PSICOPEDAGOGIA E O ADULTO: RELATO DE EXPERIÊNCIA. Revista Psicologia, Diversidade e Saúde, 6(2).

Nascimento, A. P. S. D., Antero, D. P. D. S., & Mariano, J. A. (2016). Materiais didáticos como facilitadores do processo de ensino e aprendizagem: um estudo da conscientização de adulto na Campanha de Educação Popular da Paraíba–CEPLAR.

Nogueira, V. L., & de Faria Filho, L. M. (2017). Escolarização, trabalho e cidadania: a educação de adultos no Brasil no século XIX. História: revista da Faculdade de Letras da Universidade do Porto, 6.

Oliveira, D. S. D., & Oliveira, J. V. (2016). A nova educação de jovens e adultos do estado do Rio de Janeiro.

Pontes, E. A. S. (2013). HIPERMAT–Hipertexto Matemático: Uma ferramenta no ensino-aprendizagem da matemática na educação básica. Revista Psicologia & Saberes, 2(2).

Pontes, E. A. S., Pontes, T. A., da Silva, L. M., de Miranda, J. R., dos Santos, J. F., & de Amorim, I. A. (2017). Raciocínio lógico matemático no desenvolvimento do intelecto de crianças através das operações adição e subtração. Diversitas Journal, 2(3), 469-476.

Pontes, E. A. S. (2018). The Teaching Practice of the Mathematics Teacher in Basic Education: A Vision in the Brazilian School. International Journal of Humanities and Social Science Invention (IJHSSI), 7(6), 86-89.

Russo, Maria de Fátima (2012). Alfabetização: um processo em construção. .São Paulo,Saraiva.

Santos, V. D. (2014). As causas da evasão escolar em turmas de educação de jovens e adultos (EJA) da Escola Estadual de Ensino Fundamental e Médio Carlota Barreira Areia-PB.

Santos, W. S. (2016). ANDRAGOGIA E A EDUCAÇÃO DE IDOSOS, JOVENS E ADULTOS. Alumni-Revista Discente da UNIABEU-ISSN 2318-3985, 4(7), 38-47.

Schmit, R. A. (2017). ANDRAGOGIA COMO FUNDAMENTO E INSTRUMENTO DE EDUCAÇÃO E ORIENTAÇÃO AOS ADULTOS. Revista Eletrônica de Ciências Sociais Aplicadas-ISSN 2176-5766, 5(1), 68-83.

Silva, João Luiz Máximo da (2012). Ensino de história em EJA: identidade e imagens.São Paulo,moderna.

Santos, W. S. (2016). Educar pessoas jovens, adultas e idosas com o uso das novas TICs. Temática, 12(01).

Tarantino,M. Como vai a saúde do seu cérebro?
Publicado
2019-12-28