O IMPACTO DA ROTATIVIDADE EXTERNA DE ENFERMEIROS PARA AS INSTITUIÇÕES HOSPITALARES

  • Filipe Silva da Silveira Faculdade Única de Contagem – Instituto Prominas
  • Bruna Gabriela dos Santos Faculdade Única de Contagem – Instituto Prominas
  • Ronan Iuly Pereira Prates Núcleo Interno de Regulação do Complexo Hospitalar de Contagem – MG
  • Ramon Mayller Pereira Prates Faculdade Verde Norte – FAVERNORTE, MG
  • Jeisabelly Adrianne Lima Teixeira Faculdade Verde Norte – FAVERNORTE, MG
Palavras-chave: enfermeiros, rotatividade, instituição hospitalar, gestão de pessoas

Resumo

A rotatividade também designada de turnover surge como uma preocupação global, porém, sua definição e mensuração variam de acordo com diversos autores. Este termo é apresentado na literatura de diferentes formas, como a flutuação entre as entradas e saídas de colaboradores, ou, ainda, apenas pelo número de desligados em relação aos colaboradores que trabalham na instituição. A alta rotatividade externa dos enfermeiros nos hospitais vem sendo debatida constantemente pelos cientistas sociais e estudiosos da área de gestão em saúde, em especial da gestão hospitalar. A rotatividade interfere diretamente no desenvolvimento das atividades organizacionais, em especial, no que se refere aos altos custos financeiros e à diminuição da produtividade. Diante do tema escolhido fizemos uma revisão bibliográfica em artigos científicos indexados que foram publicados entre os anos de 2009 a 2019 relacionados ao tema discutido. Objetivos: Abordar o impacto da rotatividade externa dos enfermeiros em instituições hospitalares, identificando os principais fatores que influenciam nessa rotatividade e os impactos da mesma para as instituições; bem como apontar estratégias eficazes para a redução dos altos índices de rotatividade de enfermeiros em instituições hospitalares. Resultados: mediante ao estudo, foi possível observar os fatores que influenciam a alta taxa de rotatividade, podendo acarretar altos custos para as instituições, não apenas os custos financeiros, mas também da perda de tempo que se leva para treinar novo funcionário para assumir o determinado setor. Com isso podemos compreender de maneira mais clara a realidade vivida pelo profissional e os principais motivos que o levam ao desligamento da instituição.

 

Referências

CARDOSO, Hugo Ferrari et al. Síndrome de burnout: análise da literatura nacional entre 2006 e 2015. Rev. Psicol. Organ. Trab. Brasília, v. 17, n. 2, p. 121-
128, jun. 2017. Disponível em http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1984-
66572017000200007&lng=pt&nrm=iso Acesso em 20 de maio de 2019.

CARVALHO, Amália Corrêa de. Condições de trabalho do pessoal de enfermagem 61.ª conferência da organização internacional do trabalho (oit) - comunicação. Rev.
Bras. Enferm., Brasília, v. 30, n. 2, p. 157-161, 1977 . Disponível em:
http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034- Acesso em 20 de maio de 2019.

GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2008.
MARTINS, Marisa da Silva; MATOS, Eliane; SALUM, Nádia Chiodelli. Rotatividade de trabalhadores de enfermagem em uma unidade de emergência de adultos. Texto contexto - enferm.Florianópolis, v. 28, e 20160069, 2019. Disponível em
LEITÃO, Ilse Maria Tigre de Arruda et al. Absenteísmo, rotatividade e indicadores de controle de qualidade na assistência de enfermagem: um estudo transversal. Revista Brasileira de Enfermagem on-line, [S.l.], v. 16, n. 2, p. 119129, outubro. 2017. ISSN 1676-4285. Disponível em: http://www.objnursing.uff.br/index.php/nursing/article/view/5623 Acesso em: 17 de abril de 2019.

MOREIRA, Rogério. A rotatividade de pessoal em um call centers brasileiros. 2008; 253 f. Mestrado em administração de empresas – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. 2008.

OLIVEIRA, Áurea de Fátima et al. Análise dos Fatores Organizacionais
Determinantes da Intenção de Rotatividade. TrendsPsychol. Ribeirão Preto, v. 26, n. 2, p. 1031-1042, junho 2018.

OLIVEIRA, Sonia Aguiar Antunes de; PAIVA, Rebeca Fernandes Rocha. Possibilidade de Diminuir o Turnover da Equipe de Enfermagem nos Serviços Hospitalares. Revista Gestão & Saúde, Curitiba, v. 2, n. 1, p. 60-73. 2011.

UHR, Daniel de Abreu Pereira; UHR, Júlia Gallego Ziero. Uma nota sobre a rotatividade da mão de obra do setor privado brasileiro. Revista de Economia e Administração. 2013; 12:132-48. Disponível em:.

POEIRA, Ana Filipa da Silva. Rotatividade Externa dos Enfermeiros em
Portugal. 2016. 189 f. Tese (Doutorado) - Curso de Enfermagem, Área Científica de Ciências de Enfermagem, Universidade do Porto, Porto, 2016. Acesso em 20 de maio de 2019.

POEIRA, Ana; MAMEDE, Ricardo Paes. Os fatores determinantes da rotatividade externa dos enfermeiros: vínculo contratual, incentivos salariais ou reconhecimento profissional. Rev. Enf. Ref., Coimbra, v.serIII, n. 4, p. 107-114, jul. 2011. Acesso em 26 de fev. 2019.

LOPES, Andressa Pereira; PONTES, Édel Alexandre Silva. Síndrome de Burnout: um estudo comparativo entre professores das redes pública estadual e particular. Psicologia Escolar e Educacional, v. 13, n. 2, p. 275-281, 2009.

PONTES, Raquel Pereira et al. O comportamento de jovens e adultos no mercado de trabalho brasileiro comrelação à permanência no emprego. Rev. econ. contemp., Rio de Janeiro, v. 22, n. 3, e182237, 2018.

PRODANOV, Cleber Cristiano; FREITAS, Ernani Cesar de. Metodologia do trabalho científico: Métodos e Técnicas da Pesquisa e do Trabalho Acadêmico. 2ª ed. Universidade Feevale–Novo Hamburgo, v Rio Grande do Sul,2013. Disponível em http://www.feevale.br/Comum/midias/8807f05a-14d0-4d5b-b1ad-1538f3aef538/Ebook%20Metodologia%20do%20Trabalho%20Cientifico.pdf Acesso em 20 de maio de 2019.

RUIZ, Paula Buck de Oliveira; PERROCA, Marcia Galan; JERICÓ, Marli de Carvalho. Custo da rotatividade da equipe de enfermagem em hospital de ensino. Revista da escola de enfermagem da USP, São Paulo, 29 dez. 2015. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reeusp/v50n1/pt_0080-6234-reeusp-50-01-0104.pdf acesso 18 de maio de 2019

STANCATO, Kátia; ZILLI, Priscila Trentin. Fatores geradores da rotatividade dos profissionais de Saúde: uma revisão de literatura. RAS, Campinas-SP, 2010. Vol.
12, N°47. 87-99 p.
Publicado
2019-12-28