As Dificuldades Permanentes de Aprendizagem Escrita: Disgrafia e Disortografia

  • Elieuza Andrade Meneses e Silva Universidad Tecnológica Intercontinental - UTIC
Palavras-chave: Aprender, Intervenções, Transtornos de aprendizagem da escrita.

Resumo

Aprender é crucial para o desenvolvimento integral do indivíduo. Cada etapa/modalidade da educação apresenta um objetivo para cumprir com essa finalidade. A primeira etapa do Ensino Fundamental (anos iniciais) objetiva a alfabetização (leitura e escrita), processo crucial para a inserção na sociedade “letrada”, garantindo a participação social. Para que a alfabetização seja efetiva é necessário conhecer as letras e saber utilizá-las corretamente. É válido destacar que este processo não ocorre de maneira uniforme, sendo verificadas dificuldades. Sendo assim, o presente trabalho teve como objetivo demonstrar as principais dificuldades de aprendizagem de escrita apresentada pelos anos iniciais do fundamental, assim como estratégias para minimizá-las. A metodologia utilizada foi a pesquisa bibliográfica, utilizando como descritores termos relacionados à escrita, sua importância e dificuldades. Constatou-se que a escrita é uma habilidade comunicativa que exige associação de múltiplos fatores como cognitivos, sociais e motores, cuja função é compartilhar informações e construir argumentos válidos. No processo de aquisição da escrita são observadas algumas dificuldades que podem ser temporárias, as quais são minimizadas no decorrer do processo; ou permanentes, que são classificadas como transtornos da escrita, dentre estes estão a disortografia e a disgrafia. Estes transtornos são caracterizados por uma combinação de fatores como falta de organização na escrita, erros de sintaxe e ortografia, desconhecimento de pontuação e problemas motores. O diagnóstico deve ser feito o quanto antes por uma equipe multidisciplinar, para propor estratégias que que visem assegurar o desenvolvimento de competências e habilidades necessárias para o desempenho acadêmico, pessoal e profissional.

 

Biografia do Autor

Elieuza Andrade Meneses e Silva, Universidad Tecnológica Intercontinental - UTIC

Psicopedagoga, Mestra em Ciências da Educação e Doutoranda em Educação pela Universidad Tecnológica Intercontinental.

Referências

ALBUQUERQUE, M. D. L. R. Dificuldades de aprendizagem específicas e os estigmas sociais. Monografia (Especialização) -Universidade Cândido Mendes, Rio de Janeiro, 2010.

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura (MEC). Ensino Fundamental de nove anos: passo a passo do processo de implantação. 2ª edição. Brasília: 2009.

CASAL, C. J. F. Disortografia: A escrita criativa na reeducação da escrita. 2013. 201f. Dissertação (Mestrado Ciências da Educação) - Universidade Fernando Pessoa, Porto, 2013.

COSTA, T. C. P; SILVA, R. L. S.; SOUSA, A. S.; CARRIJO, W. B. M. Linguagem humana: uma análise sobre a escrita. Periódicos UNESC. Disponível em: file:///C:/Users/user/Downloads/2843-8283-1-SM.pdf. Acesso em: março de 2020.

COIMBRA, B. C. M. Disortografia: Um modelo de intervenção. 2013.138f. Dissertação- Escola Superior de Educação de Paula Frassinetti, Porto-Portugal, 2013.

FERNANDEZ, A. Y. FERNANDEZ, A. Y.MÉRIDA, J. F. C.; CUNHA, V. L. O.; BATISTA, A. O.; CAPELLINI, S. A. Avaliação e intervenção da disortografia baseada na semiologia dos erros: revisão da literatura. Revista CEFAC, v.12, n.3, p.499-504, 2010.

GONÇALVES, S. A. A. A função docente e o conhecimento numa perspectiva histórico-crítica. Pedagoga da rede Estadual de Educação. 2008. Programa de Desenvolvimento Educacional, Paraná - Universidade Estadual de Maringá. 2008.

GUIMARAES, S. R. K.; DE PAULA, F. V.; MOTA, M. M. P. E.; BARBOSA, V. R. Consciência morfológica: que papel exerce no desempenho ortográfico e na compreensão de leitura? Psicologia USP, São Paulo, v. 25, n. 2, p. 201-212, 2014.

KLEINKE, R. C. M. Aprendizagem Significativa: a pedagogia por projetos no processo de alfabetização. Florianópolis, 2003. 129f. Mestrado em Engenharia de Produção- Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção, UFSC.

LIMA, R. S. Propostas metodológicas para trabalhar as dificuldades dos alunos com Transtornos Funcionais Específicos. 2014. Produção didático - pedagógica: caderno pedagógico, Curitiba, 2014, 115p.

MAGALHÃES, A. Disgrafia: causas e estratégias de correção no ensino/aprendizagem. 2015. 25f. Monografia (Graduação) - Instituto de Letras da Universidade de Brasília, Buritis-MG, 2015.

MAZARIN, L. C. C. Identificação de estratégias de intervenção para alunos com disortografia. 2014. 87f. TCC (Graduação em Pedagogia) – UNISALESIANO, Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium, Lins-SP, 2014.

PAIVA, E. C.; GOMES, E. S.; MARTINS, M.C.V.; FERREIRA, A. B. O transtorno da disgrafia no ensino-aprendizagem. Recanto das letras, 2011. Disponível em: https://www.recantodasletras.com.br/artigos-de-educacao/3376502. Acesso em: março de 2020.

PINTO, J. Psicologia da aprendizagem concepções, Teorias e Processos. Coleção Aprender. 4ª edição. São Paulo: Stória Editores, 2003, 55p.

PONTES, Edel Alexandre Silva. A Capacidade de Gerar Soluções Eficientes e Adequadas no Processo Ensino e Aprendizagem de Matemática. Revista Psicologia & Saberes, v. 8, n. 10, p. 193-205, 2019.

PONÇADILHA, J. C. N. Disortografia: das concepções de professores e gestores às práticas pedagógicas e medidas educativas. 2016, 53f. Mestrado (Docência e Gestão em Educação) - Universidade Fernando Pessoa, Porto, 2016.

ROCHA, G.; FONTES-MARTINS, R. A apropriação de habilidades de leitura e escrita na alfabetização: estudo exploratório de dados de uma avaliação externa. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, Rio de Janeiro, v. 22, n. 85, p. 977-1000, 2014.

SAMPAIO, S. Distúrbios e transtornos. 2004. Disponível em: http//www.psicopedagogiabrasil.com.br/distúrbios.htm. Acesso em março de 2020.

SANTOS, S. G. B. Disortografia: avaliação e intervenção no 5° ano do ensino fundamental. Psicopedagogia. Universidade Federal da Paraíba. João Pessoa, 2014.

SFORNI, M. S. F.; GALUCH, M. T. B. Aprendizagem conceitual nas séries iniciais do ensino fundamental Educar, Curitiba, n. 28, p. 217-229, 2006. Editora UFPR.

TELLES, F. D. C.; LUCIO, G. B. S.; ALCANTARA, E. F. S. Um olhar psicopedagógico sobre a disgrafia. Revista Episteme Transversalis, Volta Redonda-RJ, v.8, n.2, p.60-79, 2017.

TUNES, E.; TACCA, M. C.V. R; BARTHOLO JUNIOR, R. S. O professor e o ato de ensinar. Caderno de Pesquisa, São Paulo, v. 35, n. 126, p. 689-698, 2005.

VITORINO, M. As Principais Dificuldades de aprendizagem nos Anos Iniciais. Psicologado, [S.l.].2019. Disponível em https://psicologado.com.br/atuacao/psicologia-escolar/as-principais-dificuldades-de-aprendizagem-nos-anos-iniciais. Acesso em Abril 2020.

ZUCOLOTO, K. A. SISTO, F. F. Dificuldades de aprendizagem em escrita e compreensão em leitura. Interação em Psicologia, v. 6, n.2, p. 157-166, 2002.
Publicado
2020-06-03