A Difusão de Ideologias que Alicerçam a Exclusão Social nas Instituições de Ensino

  • Túlio Mello Teixeira
Palavras-chave: Gestão escolar, Currículo de Humanas, Políticas públicas educacionais e crime organizado.

Resumo

O objetivo do artigo é discutir a difusão de ideologias que alimentam uma apologia ao crime organizado e alicerçam a exclusão através dos meios sociais acadêmicos. Questionamos a eficiência das atuais políticas públicas educacionais nacionais referente à adequação especializada curricular das ciências sociais, à elaboração de projetos socioeducativos voltados a ampliação cidadã, ao  desenvolvimento do mundo do trabalho juvenil, ao combate da violência simbólica e à conscientização sobre os reflexos políticos, culturais e econômicos da globalização. Empregamos uma investigação sobre a estrutura hierárquica empreendida por uma gestão escolar capaz de promover o tecnicismo em detrimento da busca pela verdade, pelo conhecimento pelo estímulo do raciocínio crítico e livre de especulações. Portanto, salientamos a má formação dos pilares sociais nos ambientes escolares devido a apologia ao crime organizado estabelecida pela indisciplina e descaso da própria direção institucional.

 

Referências

ADORNO, Theodor. Educação e Emancipação. Trad. Wolfgang Leo Maar. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1995.

ALTHUSSER, Louis. Aparelhos Ideológicos de Estado. 2ª edição. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1985.

ASSIS, Francisco. História do Brasil. Ed. Moderna. São Paulo, 2006.

BOURDIEU, Pierre. A economia das trocas simbólicas. São Paulo: Perspectiva. 2007.

COTRIM, Gilberto. História do Brasil. Ed Saraiva, 2000.

DA MATTA, Roberto. O Que Faz o Brasil, Brasil¿ Ed. Rocco. Rio de janeiro, 1994.

DEMO, Pedro. Metodologia Científica em Ciências Sociais. Ed. Atlas, São Paulo, 1995.

GOLDENBERG, Mirian. A Arte de Pesquisar: como fazer uma pesquisa qualitativa em ciências sociais. Ed. Record, 2001.

GRAMSCI, Antonio. La Alternativa Pedagógica. Selección de textos e introdución:Mario A. Manacorda. Barcelona: Editorial Nova Terra, 1976.

HALL, Stuart. Silva, Thomaz (trad.), Louro, Guacira (trad.). A Identidade Cultural na Pós-modernidade. Ed. DP&A, Rio de Janeiro, 2006.

HASEMBALG, Carlos. Discriminação e Desigualdades Raciais no Brasil. Ed. Graal. Rio de janeiro, 1979.

HERINGER, Rosana (org.); BENTO, Maria Aparecida; JUNIOR, Silva Hélio. Desigualdades Raciais no Mercado de Trabalho e Ação Afirmativa no Brasil. Ed. IERÊ-IFCS-UFRJ. Rio de Janeiro.

IPEA. Atlas da Violência. Disponível: www.ipea.gov.br. Acessado em 04 de Junho de 2020.

Lei 9.394 de 1996. L.D.B. . Disponível: http://portal.mec.gov.br/. Acessado em 10 de Junho de 2020.

Lei 11.684 de 2008. Disponível: http://www.planalto.gov.br/. Acessado em 10 de Junho de 2020.

Lei 13.935 de 2019. Disponível: http://www.planalto.gov.br/. Acessado em 10 de Junho de 2020.

Lei 13.415 de 2017. Disponível: http://www.planalto.gov.br/. Acessado em 10 de Junho 2020.

LUCKESI, Cipriano Carlos. Avaliação da aprendizagem escolar: estudos e proposições.São Paulo: Cortez, 1999.

MARQUES, João Benedito da Azevedo, 1939. Marginalização: menor e criminalidade.São Paulo, McGrawHill do Brasil, 1976.

Ninguém Tolera isso! Mas... eles não nascem infratores/ FIA; [pesquisa e textos, Carlos Alberto de Mattos Ferreira; colaboração especial, Siro Darlan de Oliveira; projeto gráfico e ilustrações, Gian Calvi e Andréa Fernandes] Petrópolis, RJ: Autores&Agentes&Associados, 1997.

NOGUEIRA, Oracy. Preconceito de Marca: As Relações em Itapetinga. Ed. EDUSP. São Paulo, 1998.

PERALVA, Angelina. Violência e Democracia: o paradoxo brasileiro. São Paulo: Paz e Terra, 2000.

SANTOS, Joel. Raça, Ciência e Sociedade: O Negro como Lugar. Ed Fio-Cruz-CCBB, págs 219-223. Rio de janeiro, 1996.

YOUNG, Michael. BECK, Leda (trad.). Teoria do Currículo: O que é e Por que é Importante. USP: Cadernos de Pesquisa v.44 n.151 p. 190-202.
Publicado
2020-06-25