Violência Escolar: Fatores Ocasionadores e suas Consequências no Trabalho Docente

  • Narda Teles Yamane Universidad Autónoma de Asunción
Palavras-chave: Escola, Diálogo, Professor, Violência.

Resumo

O presente artigo visa discutir as diversas formas de agressões que atinge o professor na sala de aula e tem como objetivo analisar os impactos causados na educação, pela violência que o docente tem sofrido. Para isso, utilizou-se a metodologia baseada na revisão bibliográfica e levantamento de dados secundários de autores que comungam com a ideia de que o diálogo é a melhor opção para a construção de um espaço democrático, como deve ser o ambiente escolar, colaborando para que a violência não se dissipe. Os resultados sinalizam que o professor,  por estar de forma constante frente as divergências que ocorrem dentro da escola, tem  desenvolvido de forma gradual, síndromes e doenças ocasionadas por todos os tipos de agressões a que tem se submetido, levando-o ao  afastamento de sua  função ou quando  a desistência  definitiva do exercício de sua profissão.

 

Biografia do Autor

Narda Teles Yamane, Universidad Autónoma de Asunción

Graduada  em Filosofia e Jornalismo.  Atrofessora da Rede Estadual em  Manaus.  Mestranda  em  Ciência da Educação pela Universidade Autónoma de Asunción. 

Referências

ABRAMOVAY, M.; RUA, M. das G. Violências nas escolas. Brasília: UNESCO, Instituto Ayrton Senna, Unaids, Banco Mundial, Usaid, Fundação Ford, Consed, Undime, 2002.

ALVES, R.; As escolas em bairros com altas taxas de violência: a visão dos professores. In RUOTTI, Caren; ALVES, Renato; CUBAS, Viviane de Oliveira. Violência na Escola (Um guia para pais e professores). São Paulo: ANDHEP (Imprensa Oficial do Estado de São Paulo), 2007.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Caderno 6. Programa nacional de fortalecimento dos conselhos escolares: conselho escolar como espaço de formação humana: círculo de cultura e qualidade da educação. Brasília, 2006.

________.1ª Conferência Nacional de Segurança Pública. Brasília: Ministério da Justiça, 27 a 30 de agosto de 2009.

COSTA, C. R. C. A hora da Violência contra o Docente nas Escolas particulares de Minas Gerais: uma abordagem espacial exploratória. In: X ENANPEGE - Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação em Geografia, Campinas, 2013.

CUBAS, Viviane. Violência nas escolas: como defini-la? In RUOTTI, Caren; ALVES, Renato; CUBAS, Viviane de Oliveira. Violência na Escola (Um guia para pais e professores). São Paulo: ANDHEP (Imprensa Oficial do Estado de São Paulo), 2007.

FREIRE, P. Conscientização: teoria e prática da libertação – uma introdução ao pensamento de Paulo Freire. 4. ed. São Paulo: Moraes, 1983. 102 p.

_____. Pedagogia do Oprimido. 18 ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2001.

D'AGOSTINI. A.; CAROLINA C.; Brasil lidera índice de violência contra professores. O que podemos fazer? 2019. Disponível em: https://novaescola.org.br/conteudo/17609/brasil-
Lidera-indice-de-violencia-contra-professores-oque-podemos-fazer. Acesso em 06 de julho de 2020.

FREITAS, C. A. de; CASTRO, R. de.; Saúde do Professor: um olhar para o Brasil e para
os servidores da rede municipal de ensino de Uberaba-MG -20 15. Disponível em: http://educere.bruc.com.br/arquivo/pdf2015/19700_8444.pdf. Acesso em: 12 de julho de 2020.

GIL, A.C.; Como elaborar projetos de pesquisa. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2010. 184p.
______. Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo. Ed. Atlas SA, 11ª ed. São Paulo: Atlas. 2014.

LAKATOS. E. M.; MARCONI, M de A.; Fundamentos de Metodologia Científica. 5ª ed. São Paulo. Atlas, 2003.

LOPES, Andressa Pereira; PONTES, Édel Alexandre Silva. Síndrome de Burnout: un estudio comparativo entre profesores de las redes pública estatal y particular. Psicologia Escolar e Educacional, v. 13, n. 2, p. 275-281, 2009.

MACHADO, V.R.; BOECHAT, I.T.; SANTOS, M.F.R.; Síndrome de Burnout: uma reflexão sobre a saúde mental do educador. Revista Transformar, n. 7, p. 257-272, 2015.
PRODANOV, C. C.; FREITAS, E. C. de. Metodologia do trabalho científico [recurso
eletrônico]: métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico – 2. ed. – Novo Hamburgo: Feevale, 2013.

RUA, M. das G.; As políticas públicas e a juventude dos anos 90. In: RUA M. G.; Jovens acontecendo na trilha das políticas públicas. 2v. Brasília: CNPD, pp. 731-752, 1998.

SANTOS, J. A. dos; et al. Prevalência e Tipos de Bullying em Escolares Brasileiros de 13 a 17 anos. Revista de Salud Pública, v. 16, n. 2, 2014, p. 173-183. Disponível em: . Acesso em: 05 de julho, 2020.

SCHROEDER, T. M. R.; ALVES, F. L. Conflitos e violência na Educação Básica. In: Desenvolvimento da Educação Básica: desafios contemporâneos. Curitiba-PR, Editora CRV, 2015, p. 61-69.
SILVA, G.P. da. Desenho de pesquisa. Brasília: Enap. 119 p.: il., 2018.

SOARES, M. B; MACHADO, L. B. Violência contra o professor nas representações sociais de docentes. Revista Perspectiva, Florianópolis, v. 32, n. 1, 333-354, jan./abr. 2014. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/perspectiva/article/view/2175-795X.2014v32n1p333. Acesso em: 08 julho de 2020.

SOARES, M. B. Representações sociais de violência contra professores na escola. 179 f. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal de Pernambuco: UFPE, 2013.

SOUSA. S. F. de 2016. O Bem-estar docente e a prática da atividade física: um estudo com professores de uma escola municipal de Campo Grande – MS. Dissertação de Mestrado. Disponível em: https://site.ucdb.br/public/md-dissertacoes/18621-suziane-freitas-de-ousa.pdf. Acesso em: 04 de julho de 2020.

ZANELLA, L. C. H. (2013). Metodologia de Pesquisa. Liane Carly Hermes Zanella. – 2. ed. reimp. – Florianópolis: Departamento de Ciências da Administração/ UFSC. 134 p.: il.
Publicado
2020-08-02