ASSOCIAÇÃO ENTRE O USO DE TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO COM INDICADORES DE AGRAVOS À SAÚDE FÍSICA DE ESTUDANTES ADOLESCENTES

  • Jéssica Ferreira de Moura Pereira Universidade de Pernambuco
  • Rafaela Almeida Silva Universidade de Pernambuco
  • Paloma Maranhão Ferreira Silva Universidade de Pernambuco
  • Diana Carla Dias dos Santos Universidade de Pernambuco
  • Jakelline Cipriano dos Santos Raposo Instituto Federal de Alagoas
  • Betânia da Mata Ribeiro Gomes Universidade de Pernambuco
Palavras-chave: Desenvolvimento tecnológico, Adolescente, Saúde do escolar.

Resumo

Introdução: A tecnologia através da cultura digital em massa, vem apresentando um forte crescimento e consigo alguns problemas para saúde. Objetivo: O presente estudo visa verificar a associação entre o uso de aparelhos de tecnologia da informação e comunicação e indicadores de agravos a saúde física de adolescentes. Métodos: A amostra não probabilística foi constituída por 264 estudantes de ambos os sexos, através de um questionário autoaplicável. Resultados: A idade dos participantes variou de 11 a 19 anos com predominância do sexo feminino (52,3%). A grande maioria referiu ter acesso à internet, com uma maior utilização dos smartphones (65,4%). O uso excessivo de aparelhos de tecnologia da informação e comunicação não foi significativamente associado a agravos a saúde, contudo os usuários de smartphones relataram um percentual significativamente maior de dor de cabeça e vista cansada (72,9%). Conclusão: O excesso de tecnologias não foi associado a agravos à saúde, mas o tipo de aparelho utilizado foi associado a dor de cabeça e vista cansada.

Biografia do Autor

Jéssica Ferreira de Moura Pereira, Universidade de Pernambuco
Enfermeira. Residente de Enfermagem em Infectologia pelo Hospital Universitário Oswaldo Cruz- HUOC.
Rafaela Almeida Silva, Universidade de Pernambuco
Enfermeira. Residente em cardiologia no Hospital Agamenon Magalhães (HAM)
Paloma Maranhão Ferreira Silva, Universidade de Pernambuco
Enfermeira. Residente em Cardiologia no Pronto Socorro Cardiológico de Pernambuco Professor Luiz Tavares (PROCAPE).
Diana Carla Dias dos Santos, Universidade de Pernambuco
Enfermeira
Jakelline Cipriano dos Santos Raposo, Instituto Federal de Alagoas
Técnica administrativa em educação no IFAL - Campus Rio Largo. Fisioterapeuta. Mestra em Hebiatria (UPE)
Betânia da Mata Ribeiro Gomes, Universidade de Pernambuco
Professora Adjunta da UPE, coordenadora geral de pós-graduação da Pró-reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Inovação, Legal Entity Appointed Representative - LEAR da UPE na European Commission. Membro permanente do Programa Associado de Pós-graduação em Enfermagem da UPE/UEPB

Referências

Agosto D. E. & Hughes-Hassel S. (2006). Toward a Model of the Everyday Life Information Needs of Urban Teenagers, Part 1: Theoretical Model. Journal of the Association for Information Science and Technology, 57(10), 1394-1403. Recuperado de https://pdfs.semanticscholar.org/3ab6/d49b0161dd661cc0d57fadbe04fd8ebd8309.pdf.

Araújo R. F. (2015). Mídias sociais e comunicação científica: análise altmétrica em artigos de periódicos da ciência da informação. Em Questão, 21(1): 1.Recuperado de http://seer.ufrgs.br/index.php/EmQuestao/article/view/47918.

Autoridade nacional de comunicações (Anacom) (2013). Serviços móveis: informação estatística: 1º trimestre de 2013. Lisboa: Anacom. Recuperado de https://www.anacom.pt/streaming/SM_1T2013.pdf?contentId=1162279&field=ATTACHED_FILE.

Azevedo, A. E. I., Eisenstein E., Bermudez B. E. B. V. & Fernandes E. C (2016). Saúde de Crianças e Adolescentes na Era Digital. Sociedade Brasileira de Pediatria. Recuperado de https://www.sbp.com.br/sbp-em-acao/saude-de-criancas-e-adolescentes-na-era-digital/.

Comitê Gestor da Internet no Brasil (2016). TIC Domicílios 2015: Pesquisa sobre o uso das tecnologias de informação e comunicação nos domícilios brasileiros. São Paulo. Recuperado de http://cetic.br/pesquisa/domicilios/publicacoes.

Guterres J. L., Schmitt F. S., Oliveira L. C., Simon C. D. S. & Lopes A. R. (2017) Principais queixas relacionadas ao uso excessivo de dispositivos móveis. Revista Pleiade, 11(21), 39-45. Recuperado de http://intranet.uniamerica.br/site/revista/index.php/pleiade/article/view/333/293.

Paiva N. M. N. & Costa J. S. (2015) A influência da tecnologia na infância : desenvolvimento ou ameaça? Psicologia.pt - O portal dos psicólogos, 1–13.Recuperado de http://www.psicologia.pt/artigos/textos/A0839.pdf.

Pereira M. N. (2015). A superexposição de crianças e adolescentes nas redes sociais: necessária cautela no uso das novas tecnologias para a formação de identidade. In: Universidade Federal de Santa Maria (Org.), Anais do 3º Congresso Internacional de Direito e Contemporaneidade: mídias e direitos da sociedade em rede. Santa Maria: UFSM. Recuperado de http://www.ufsm.br/congressodireito/anais.

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio (PNAD) (2015). Acesso a Internet e a Televisão e Posse de Telefone Móvel Celular Para Uso Pessoal. IBGE. Recuperado de https://ww2.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/trabalhoerendimento/pnad2013/default_reponderadas.shtm.

Silva T. O. & Silva L. T. G. Os impactos sociais, cognitivos e afetivos sobre a geração de adolescentes conectados às tecnologias digitais. Revista Psicopedagogia, 34(103), 87-97. Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-84862017000100009&lng=pt&tlng=pt.

Xavier M. K. A., Pitangui A. C. E. , Silva G. R. R. , Oliveira V. M. A. , Beltrão N. B. & Araújo R. C. (2015). Prevalência de cefaleia em adolescentes e associação com uso de computador e jogos eletrônicos. Ciência & saúde coletiva, 20(11), 3477-3486. Recuperado de http://dx.doi.org/10.1590/1413-812320152011.19272014.

Publicado
2018-11-19