AFETIVIDADE E INDISCIPLINA NO PROCESSO DE ENSINO- APRENDIZAGEM

  • Carla Heloisa Souza Mariano Universidade Federal de Campina Grande
Palavras-chave: afetividade, indisciplina, formação docente.

Resumo

Discutir os principais conceitos da teoria walloniana não é uma tarefa simples, principalmente porque ficamos presos à compreensão da afetividade como atitudes maleáveis que leva em consideração apenas expressões de bem-estar. Por isso, optamos em levantar algumas discussões sobre o conceito e a compreensão do termo afetividade na perspectiva walloniana, mediante casos de indisciplina no contexto escolar. Tendo como objetivos: refletir a relação afetividade e aprendizagem escolar diante das diversas realidades vigente quanto ao comportamento emocional dos alunos; repensar a prática docente sobre o ser afetivo para com as diversas realidades postas no contexto escolar advindas das práticas de indisciplina. O trabalho trata de uma revisão de literatura versando sobre a compreensão de indisciplina e o conceito de afetividade sobrepostos a realidade escolar, considerando que, na escola estamos constantemente sendo afetados mediante as relações de modo agradável ou desagradável. A teoria walloniana foi o nosso aporte teórico central, mas com outras leituras de estudiosos da temática afetividade como: Mahoney; Almeida (2000; 2004; 2005), Sérgio Leite (2006), Dér (2004) Freire (1996), dentre outros. À medida que estudamos a teoria walloniana podemos inferir que não é possível dissociarmos a discussão da afetividade da sua relação com o cognitivo e a motricidade que envolve os processos de ensino-aprendizagem. Assim, podemos afirmar que os estudos realizados nos possibilitaram uma ampliação em nossos conhecimentos acerca da compreensão sobre afetividade a partir de práticas indisciplinares.

 

Palavras-chave: Afetividade, Indisciplina, Práticas Pedagógicas.

Publicado
2018-11-18