DIALOGANDO SOBRE A MORTE COMO FORMA DE PREVENÇÃO DO LUTO MAL ELABORADO

  • Ana Paula Carvalho Rocha Centro Universitário Tiradentes – UNIT/AL
  • Leylanne Cavalcante da Fonsêca Centro Universitário Tiradentes – UNIT/AL
  • Roberto Lopes Sales Centro Universitário Tiradentes – UNIT/AL
Palavras-chave: Morte, Luto, Tanatologia, Psicologia, Cuidados Paliativos

Resumo

A morte é um fenômeno natural e falar sobre, tem sido um tema evitado socialmente, por evocar significado de finitude e de limitação do tempo de vida. Encará-la exige do indivíduo uma transitoriedade pelas fases do luto. O presente estudo tem como objetivo dialogar sobre o processo iminente e natural da morte, tendo em vista sua importância na minimização dos efeitos decorrentes de um luto mal elaborado. Para tanto, foi realizada como metodologia uma revisão de literatura bibliográfica para verificar as visões apontadas por diferentes autores a respeito do tema abordado, tendo como principal referencial teórico a pioneira nessa área Elisabeth Kluber-Ross. Para tal, foram realizadas pesquisas em livros, DVD e nas bases de dados Scielo, Lilacs, Pepsic e BVS, com publicações entre 2008 e 2018.

 

Referências

ANGERAMI-CAMON, V. A. (org.) Psicologia da Saúde: um novo significado para a prática clínica. 2. ed. rev. e ampl. São Paulo: Cengage Learning, 2011.

ANGERAMI-CAMON, V. A. (org.) Psicologia Hospitalar: teoria e prática. 2. ed. rev. e ampl. São Paulo: Cengage Learning, 2010.

ARANTES, A. C. Q. A morte é um dia que vale a pena viver. Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2016.

BRUCE LONG, J. A morte que termina com a morte no hinduísmo e no budismo. In: KLUBER-ROSS, E. Morte: estágio final da evolução. Tradução de Ana Maria Coelho. 2. ed. Rio de Janeiro: Record, 1996, pp. 87-109.

CAPUTO, R. F. O homem e suas representações sobre a morte e o morrer: um percurso histórico. Revista Multidisciplinar da UNIESP saber acadêmico, n.6, 2008, pp.73-80. Disponível em: . Acessado em: 17 mar. 2019.

CAREY, R. G. Viver até a morte: um programa de serviço e pesquisa para doentes terminais. In: KLUBER-ROSS, E. Morte: estágio final da evolução. Tradução de Ana Maria Coelho. 2. ed. Rio de Janeiro: Record, 1996, pp. 112-125.

COCENTINO, J. M. B; VIANA, T. C. A velhice e a morte: reflexões sobre o processo de luto. Rev. Bras. Geriatr. Gerontol. Rio de janeiro, 2011. Disponível em: . Acessado em: 02 nov. 2018.

FALANDO de morte. Coordenação de Maria Júlia Kovács. Direção geral de Jussara Nathale. São Paulo: Laboratório de estudos sobre a morte. Instituto de Psicologia – USP. 1 DVD.

FLORIANI, C. A. Moderno movimento hospice: kalotanásia e o revivalismo estético da boa morte. Revista Bioética, vol. 21. 2013, p.397-404. Disponível em: . Acessado em: 18 out. 2018.

FRANCO, M. H.P; POLIDO, K. K. Atendimento Psicoterapêutico no Luto. Coordenação, Isabel Cristina Gomes. 1. ed. São Paulo: Zagodoni, 2014.

GORDON, A. A visão do judeu a respeito da morte: regras para o luto. In: KLUBER-ROSS, E. Morte: estágio final da evolução. Tradução de Ana Maria Coelho. 2. ed. Rio de Janeiro: Record, 1996, pp. 77-86.

HELLER, R. Z. I. A visão do judeu a respeito da morte: regras para morrer. In: KLUBER-ROSS, E. Morte: estágio final da evolução. Tradução de Ana Maria Coelho. 2. ed. Rio de Janeiro: Record, 1996, pp. 70-76.

HENNEZEL, M. de; LELOUP, J-Y. A arte de morrer. Tradução de Guilherme João de Freitas Teixeira. 1. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 1999.

KOVÁCS, M. J. A caminho da morte com dignidade no século XXI. Revista Bioética, vol. 22, n.1, 2014, p. 94-104. Disponível em: . Acessado em: 18 mar. 2019.

KOVÁCS, M. J. Desenvolvimento da tanatologia: estudos sobre a morte e o morrer. Ribeirão Preto: Paidéia, vol. 18, n.41, 2008, p. 457-468. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-863X2008000300004>. Acessado em: 17 mar. 2019.

KOVÁCS, M. J. A morte no contexto escolar: desafios na formação de educadores. In: FRANCO, M. H. P. (org.) Formação e rompimento de vínculos: o dilema das perdas na atualidade. São Paulo: Summus, 2010, pp. 144 - 168.

KLUBER-ROSS, E. Morte: estágio final da evolução. Tradução de Ana Maria Coelho. 2. ed. Rio de Janeiro: Record, 1996.

KLUBER-ROSS, E. Por que é tão difícil morrer? In:______. Morte: estágio final da evolução. Tradução de Ana Maria Coelho. 2. ed. Rio de Janeiro: Record, 1996, pp. 32-57.

KLUBER-ROSS, E. Sobre a morte e o morrer. Tradução Paulo Menezes. 9. ed. São Paulo: Ed. WMF Martins Fontes, 2008.

MARTINS, M; LIMA, P. V. A. Contribuições da Gestalt-Terapia para os enfrentamentos das perdas e da morte. Revista IGT na Rede, v.11, nº 20, 2014, p. 3-39. Disponível em: . Acessado em: 19 out. 2018.


MAZORRA, L. A construção de significados atribuídos à morte de um ente querido e o processo de luto. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, 2009. Disponível em: . Acessado em: 19 mai. 2019.


MENDONÇA, N. L. B. O luto como questão bioética. Universidade Católica Portuguesa. Fev. 2011. Disponível em: . Acessado em: 02 nov. 2018.

MIZE, E. A mãe pranteia e amadurece. In: KLUBER-ROSS, E. Morte: estágio final da evolução. Tradução de Ana Maria Coelho. 2. ed. Rio de Janeiro: Record, 1996, pp. 138-145.

NICHOLS, R; NICHOLS, J. Funerais: ocasião de dor e amadurecimento. In: KLUBER-ROSS, E. Morte: estágio final da evolução. Tradução de Ana Maria Coelho. 2. ed. Rio de Janeiro: Record, 1996, pp. 126-137.

OLIVEIRA, J. B. A; LOPES, R. G. C. O processo de luto no idoso pela morte de cônjuge e filho. Psicologia em Estudo, Maringá, v. 13, n. 2, p. 217-221, abr./jun. 2008. Disponível em:. Acessado em: 02 nov. 2018.

PARKES, C.M. Ajudando o enlutado: princípios gerais. In:______. Luto. Tradução de Maria Helena Franco Bormberg – São Paulo: Summos, 1998, pp. 192 - 211.

PIMENTEL, M. S. R. Morte à venda: discurso capitalista e cinismo ideológico no mercado de jazidos. Leitura, Maceió, n. 50, pp. 163-183 jul./dez. 2012. Disponível em:< http://seer.ufal.br/index.php/revistaleitura/article/view/1153>. Acessado em: 17 mar. 2019.

QUAYLE, J; DE LUCIA, M. C. S. (Orgs). Adoecer: as interações do doente com sua doença. 2. ed. São Paulo: Ed. Atheneu, 2007.

QUEIROZ, V. Sobre o viver, o envelhecer e o morrer. Rev. Eletrônica do UNIVAG, 2010. Disponível em: . Acessado em: 02 nov. 2018.

SANTOS, F. S. Perspectivas histórico-culturais da morte. In: SANTOS, F. S; INCONTRI, D. (Orgs). A arte de morrer: visões plurais. 2ª ed. São Paulo: Editora Comenius, 2009, pp. 13 – 25.

SENGIK, A.S; RAMOS, F. B. Concepção de morte na infância. Caxias do Sul: Psicologia & Sociedade, vol. 25, n.2, 2013, p. 379-387. Disponível em: . Acessado em: 17 mar. 2019.

SILVA, G. S. N. da; AYRES, J. R. de C. M. Os estudantes de medicina e o encontro com a morte: dilemas e desafios. In: FRANCO, M. H. P. (org.) Formação e rompimento de vínculos: o dilema das perdas na atualidade. São Paulo: Summus, 2010, pp. 43 - 71.

VERAS. L.; SOARES, J. C. Aqui se jaz, aqui se paga: a mercantilização da morte. Psicologia & Sociedade, v. 28, n. 2, 2016.
Publicado
2019-08-15