A LINGUAGEM UNIVERSAL: Matemática suas origens, símbolos e atributos

  • Edel Alexandre Silva Pontes Instituto Federal de Alagoas
Palavras-chave: Matemática, Linguagem Universal, Atributos

Resumo

Matemática é uma palavra que tem origem na palavra grega “máthema" que significa Ciência, conhecimento ou aprendizagem, derivando daí "mathematikós", que significa "aquilo que se pode aprender". A linguagem matemática se torna viva exatamente pelos seus símbolos próprios e fundamentais para a existência do ser humano. A capacidade de lidar com a matemática se deve a alguns atributos mentais, tais como, senso numérico, raciocinio logico, algoritmico e espacial, entre outros. Pitagóras afirmava “ Tudo é número”  e nesta pesperctiva, este artigo tem como objetivo apresentar a matemática como linguagem universal, apropriada para o mundo contemporâneo, e explicada através de seus simbolos e atributos. Espera-se que este trabalho possa servir como motivação para o fortalecimento do entendimento desta ciência tão fascinante e explicativa.

 

 

Biografia do Autor

Edel Alexandre Silva Pontes, Instituto Federal de Alagoas

Professor Titular do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Alagoas. Doutor em Ciências da Educação com ênfase no Ensino de Matemática pela Universidad Tecnológica Intercontinental (UTIC) revalidação MEC/UFAL; Mestre em Estatística pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ); Graduado em Matemática pela Universidade Federal de Alagoas (UFAL). Atualmente é Diretor-Geral do Instituto Federal de Alagoas - IFAL Campus Rio Largo e membro titular do Conselho Superior do Intituto Federal de Alagoas (CONSUP) . É professor (visitante) do curso de Mestrado em Matemática da Universidad Tecnológica Intercontinental (UTIC) e do cursos de Mestrado e Doutorado em Educação Matemática da Universidad San Carlos (USC). Editor-Chefe da Revista Científica Psicologia & Saberes (ISSN 2316-1124) e da RACE - Revista de Administração (ISSN 1806-0714). Membro do Conselho Editorial da Entre Aberta Revista de Extensão (ISSN 2446-9769). Membro do Conselho Científico da revista eletrônica Diversitas Journal (ISSN 2525-5215) e da revista Ciência, Consciência e Humanismo da Fundação Jayme de Altavilla (FEJAL). É consultor ad hoc de diversas revistas cientificas nacionais e internacionais. Líder do grupo de pesquisa do CNPQ denominado GALC na educação: ensino e aprendizagem de matemática e áreas afins e do grupo de pesquisa Núcleo de Extensão e Pesquisa Estatística. Tem experiência nas áreas de Educação Matemática e Estatística, com ênfase no Ensino e Aprendizagem de Matemática e Psicometria.

Referências

BERNARDO DE LORENA, Ângela; CASTRO-CANEGUIM, Janaina de Fátima; DOS SANTOS CARMO, João. Habilidades numéricas básicas: Algumas contribuições da análise do comportamento. Estudos de Psicologia, v. 18, n. 3, p. 439-446, 2013.

CERCA, Monica Raquel Leal Oliveira. O desenvolvimento do raciocínio relacional através das relações de igualdade e desigualdade: uma experiência de ensino no 3º ano. 2014. Tese de Doutorado.

CAMPOS, Mauro Forlan Duarte; FUHR, Ingrid Lilian. As origens da Matemática e os variados modos de operação com seus conceitos. PROJEÇÃO E DOCÊNCIA, v. 8, n. 1, p. 79-90, 2017.

CORSO, Luciana Vellinho; DORNELES, Beatriz Vargas. Senso numérico e dificuldades de aprendizagem na matemática. Rev. psicopedag., São Paulo , v. 27, n. 83, p. 298-309, 2010 .
DEVLIN, K. J. (2003). O gene da matemática. (ed. 2). Rio de Janeiro: Record.

FALCKEMBACH, Gilse A. Morgental; DE ARAUJO, Fabrício Viero. Aprendizagem de algoritmos: dificuldades na resolução de problemas. Anais Sulcomp, v. 2, 2013.
GONTIJO–UCB, Cleyton Hércules. Resolução e Formulação de Problemas: caminhos para o desenvolvimento da criatividade em Matemática. 2006.

IFRAH, G. (2005). Os números: história de uma grande invenção. (11.ed.), São Paulo: Globo.

MENEZES, L. Matemática, linguagem e comunicação. Disponível em: < http://www.ipv.pt/millenium/20_ect3.htm>. Acesso em: 20 de agosto de 2019. .

PINHEIRO, Alexandra; CARREIRA, Susana. O desenvolvimento do raciocínio geométrico no tópico triângulos e quadriláteros. Investigação em Educação Matemática. Raciocínio Matemático, p. 146-169, 2013.

PONTES, Edel Alexandre Silva. HIPERMAT–Hipertexto Matemático: Uma ferramenta no ensino-aprendizagem da matemática na educação básica. Revista Psicologia & Saberes, v. 2, n. 2, 2013.

PONTES, Edel Alexandre Silva et al. O SABER E O FAZER MATEMÁTICO: UM DUETO ENTRE A TEORIA ABSTRATA E A PRÁTICA CONCRETA DE MATEMÁTICA. Revista Psicologia & Saberes, v. 5, n. 6, p. 23-31, 2016.

PONTES, Edel Alexandre Silva et al. Raciocínio lógico matemático no desenvolvimento do intelecto de crianças através das operações adição e subtração. Diversitas Journal, v. 2, n. 3, p. 469-476, 2017.

PONTES, Edel Alexandre Silva. Conceptual questions of a teacher about the teaching and learning process of mathematics in basic education. Research, Society and Development, v. 8, n. 4, p. 784932, 2019.

PRADO, E. F. S. Um saber que não sabe. Brasília, 1990. p. 8-44.

ROSA NETO, E. Didática da matemática. 11. ed. São Paulo: Ática, 1998, p. 7-26

WILKIPEDIA, Casualidade. Disponível em: < https://pt.wikipedia.org/wiki/Causalidade >. Acesso em 6 de Agosto de 2019.
Publicado
2019-10-01