Avaliação da Atividade e Participação de Crianças com Paralisia Cerebral das Escolas Municipais do Recife: Relato de Casos

  • David Victor da Conceição Universidade Federal de Pernambuco
  • Afonso Rodrigues Tavares Netto Universidade Federal de Pernambuco
  • Carine Caroline Wiesiolek Universidade Federal de Pernambuco
  • Karla Mônica Ferraz Teixeira Lambertz Universidade Federal de Pernambuco
Palavras-chave: Paralisia cerebral, funcionalidade, educação especial

Resumo

Avaliar o nível de atividade e participação de crianças com paralisia cerebral no ambiente escolar nas instituições municipais de ensino na cidade do Recife. Metodologia: Refere-se a um relato de casos do tipo transversal, tendo como participantes cinco crianças com diagnóstico de paralisia cerebral, matriculadas em 4 escolas municipais da 4ª Região Político Administrativa da cidade do Recife no estado de Pernambuco, Brasil. A coleta de dados foi feita em três etapas, consistindo em preenchimento de um formulário pelo professor ou cuidador da criança; avaliação da criança pelo examinador (aplicação da GMFCS) e entrevista com professor de sala de aula ou apoiadores de educação especial (AEE) sobre as atividades desenvolvidas pelas crianças de acordo com a School Function Assessment (SFA). Resultados: Mostram que pelo escore bruto na SFA, apenas uma criança ficou abaixo da média na participação (Parte I); nas questões de assistência e adaptação (Parte II) quatro crianças conseguiram atingir 51 pontos no escore bruto. Todas as crianças avaliadas atingiram no mínimo 22 pontos do escore bruto quanto às tarefas cognitivas. Conclusão: Crianças que apresentaram um maior nível de independência nas atividades da rotina escolar também indicam um grau de participação maior nos ambientes e atividades escolares.               

 

Referências

1. Bax M, Rosenbaum P, Dan B, Fabiola R, Goldstein M, Pt DD. Review Proposed definition and classification of cerebral palsy , April 2005 Executive Committee for the Definition of Cerebral Palsy. Neurology. 2005;47:571-576. doi:http://dx.doi.org/10.1017/S001216220500112X.
2. Mancini MC, Alves AC., Schaper C, et al. Gravidade da paralisia cerebral e desempenho funcional. Rev bras fisioter. 2004;8:253-260.
3. Zanini G, Peralles SN. PARALISIA CEREBRAL : causas e prevalências título Cerebral palsy : causes and prevalences. Fisioter em Mov. 2009;22:375-381.
4. Guimarães CL, Christine T, Pizzolatto DO, et al. Aspectos clínicos epidemiológicos de crianças com paralisia cerebral assistidas pela clínica escola de Fisioterapia UNIP-São José dos Campos. J Heal Sci Inst. 2014.
5. Brasileiro I de C, Moreira TMM, Jorge MSB, Queiroz MVO, Mont’Alverne DGB. Atividades e participação de crianças com Paralisia Cerebral conforme a Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde. Rev Bras Enferm. 2009;62:503-511. doi:10.1590/S0034-71672009000400002.
6. Rosenbaum P, Paneth N, Leviton A, et al. A report: the definition and classification of cerebral palsy April 2006. Dev Med Child Neurol. 2007;49:8-14. doi:10.1111/j.1469-8749.2007.tb12610.x.
7. Ghedini LSL, Mancini MC, Brandão M de B. Participação de alunos com deficiência física no contexto da escola regular - revisão de literatura TT - Participation of students with physical disabilities in mainstream schools - literature review. Rev ter ocup. 2010;21:1-9. http://revistas.usp.br/rto/article/view/14079/15897.
8. Souza ES de, Camargos ACR, Ávila NCI de, Siqueira FM da S. Participação e necessidade de assistência na realização de tarefas escolares em crianças com paralisia cerebral. Fisioter em Mov. 2011;24:409-417. doi:10.1590/S0103-51502011000300005.
9. Silva DBR, Martinez CMS, Santos JLF. Participação de crianças com paralisia cerebral nos ambientes da escola. Rev Bras Educ Espec. 2012;18:33-52. doi:10.1590/S1413-65382012000100004.
10. Lara S. Inclusão escolar : possíveis contribuições da fisioterapia sob a óptica de professoras School inclusion : possible contributions of physical therapy from the perspective of teachers Abstract. 2015:67-82.
11. Minayo MC de S. Pesquisa Social. Teoria, método e criatividade. Vozes, Petróp. 2001;18.
12. Souza M. Universidade do estado do Rio de Janeiro Faculdade de Educação. 2005.
13. Melo FRLV de, Martins L de AR. O que pensa a comunidade escolar sobre o aluno com paralisia cerebral. Rev Bras Ed Esp, Marília. v.10:75-92.
14. Maciel MRC. Portadores de Deficiência: a questão da inclusão social. São Paulo em Perspect. 2000;4:51-56.
15. Melo FRLV de, Pereira APM. Inclusão Escolar do Aluno com Deficiência Física: Visão dos Profissionais Acerca da Colaboração do Fisioterapeuta. Rev Bras Ed Esp, Marília. 2013;19:93-106.
16. Souza N de P, Alpino ÂMS. Avaliação de Crianças com Diparesia Espástica Segundo a Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde (CIF). Rev Bras Educ Espec. 2015;21:199-212. doi:10.1590/S1413-65382115000200003.
17. Da Silva, NR; Toyoda C. Avaliação da Função Escolar e a Prescrição de Recurso de Tecnologia Assistiva Como Subsídios Para Inclusão do Aluno com Paralisia Cerebral: um Estudo de Caso. 2009:240-245.
18. Rézio GS, Cunha JO do V, Formiga CKMR. Estudo da independência funcional, motricidade e inserção escolar de crianças com Paralisia Cerebral. Rev Bras Educ Espec. 2012;18:601-614. doi:10.1590/S1413-65382012000400005.
Publicado
2020-01-31