IMPORTÂNCIA DO BRINCAR NO CONTEXTO FAMILIAR:

revisão sistemática da literatura

Palavras-chave: brincar, família, desenvolvimento infantil

Resumo

O presente artigo objetivou analisar a importância do brincar no contexto familiar para a criança de 0 a 6 anos e realizar uma revisão sistemática da literatura acerca da temática. Destaca-se a brincadeira como aspecto importante do desenvolvimento infantil, principalmente, a partir da imaginação, desencadeando ampliação cognitiva e social, sobretudo através do brincar livre e em família. O método empregado foi a revisão sistemática de literatura, utilizou-se as bases de dados SciELO e Index-PSI. Os resultados indicaram que as produções encontradas fazem referência significativa ao processo de desenvolvimento infantil pautado no brincar em contexto familiar; seja como promoção da saúde infantil, no processo de desenvolvimento da linguagem e cognição, ou no desenvolvimento de uma teoria da mente. Apesar de ser uma temática relevante, apresenta poucas publicações. Esses dados confirmam a necessidade de ampliar as pesquisas sobre esse tema, que fundamentem atuações e programas voltados para as famílias e suas interações promotoras de desenvolvimento.

Referências

Alves, A. C. S., Dias, M. G. B. B., & Sobral, A. B. C. (2007). A relação entre a brincadeira de faz-de conta e o desenvolvimento de habilidades na aquisição de uma teoria da mente. Psicologia em Estudo, 12(2), 325-334. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-73722007000200013

Ariès, P. (1981). História social da criança e da família (2a ed.). Rio de Janeiro: Zahar Editores.

Becker, B. (2017). Infância, Tecnologia e Ludicidade: a visão das crianças sobre as apropriações criativas das tecnologias digitais e o estabelecimento de uma cultura lúdica contemporânea. Tese de Doutorado. Universidade Federal da Bahia, Salvador, BA, Brasil.

Leontiev, A. N. (1988). Uma contribuição à teoria do desenvolvimento da psique infantil. In: Vigotski, L. S., Luria, A. R., Leontiev, A. N. Linguagem, Desenvolvimento e Aprendizagem. São Paulo: Ícone.

Lins, B., Silva, M. F. O. C., Lins, Z. M. B., & Carneiro, T. F. (2014). A compreensão da infância como construção sócio-histórica. Psicología, 7(2), 126-137. Disponível em: http://www.scielo.org.co/scielo.php Acesso em 10 de dezembro de 2018.

Martins, E., & Szymanski, H. (2006). Brincadeira e práticas educativas familiares: um estudo com famílias de baixa renda. Interações, 11(21), 143-164. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/inter/v11n21/v11n21a08.pdf Acesso em 10 de dezembro de 2018.

Meireles, Renata. (org.) (2015) Território do Brincar: diálogo com escolas. São Paulo: Instituto Alana.

Mendes, D. M. L. F., & Seidl-de-Moura, M. L. (2004). Desenvolvimento da Brincadeira e Linguagem em Bebês de 20 Meses. Psic.: Teor. e Pesq. 20(3), 215-222. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-37722004000300002

Naves, A. R. C. X., & Vasconcelos, L. A. (2013). Análise de interações familiares: um estudo de caso. Psic.: Teor e Pesq. 29(2), 149-158. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-37722013000200004

Palacios, J. (2004). Psicologia Evolutiva: conceito, enfoques, controvérsias e métodos. In Coll, C., Marchesi, A., & Palacios, J. (2004). Desenvolvimento Psicológico e Educação - Volume 1: Psicologia Evolutiva (2a ed.). Porto Alegre: Artmed, pp. 13-53.

Papalia, D. E., & Feldman, R. D. (2013). Desenvolvimento humano. Porto Alegre: AMGH.

Penteado, R. Z., Seabra, M. N. & Bicudo-Pereira, I. M. T. (1996). Ações educativas em saúde da criança: O brincar enquanto recurso para participação da família. Rev. Bras. Cresc. Des. Hum. 6(1/2), 49-56. https://doi.org/10.7322/jhgd.38374

Poletto, R. A. (2005). Ludicidade da Criança e sua relação com o contexto familiar. Revista Psicologia em Estudo,10(1), 67-75. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-73722005000100009

Pontes, E. A. S., de Miranda, J. R., dos Santos, J. F., de Amorim, I. A., & da Silva, M. F. (2018). MATEMÁTICA PARA TODOS: UMA AÇÃO EXTENSIONISTA VISANDO O DESENVOLVIMENTO COGNITIVO E INTELECTUAL DE ESTUDANTES DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Revista Psicologia & Saberes, 6(7), 20-28. https://revistas.cesmac.edu.br/index.php/psicologia/article/view/742/763

Vygotsky, L. S. (1998). A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes.

Zanluchi, F. B. (2005). O brincar e o criar: as relações entre atividade lúdica, desenvolvimento da criatividade e Educação. Londrina: O autor.

Publicado
2019-12-28